A Taça vem aí. Já a mobilidade...

1 comentário
Notícia - 17 - abr - 2014
Quando a Copa foi anunciada, mais uma vez a promessa de melhorias no transporte público das cidades foi renovada. E mais uma vez ela não saiu.

E mais uma vez a mobilidade urbana ficou no papel. Foto: Greenpeace/Otavio Almeida

 

Na próxima semana, a Taça do Mundo chega ao Brasil, para um passeio pelas 27 capitais. Sorte a dela que virá em carro particular. Porque se dependesse do transporte público, talvez ela não chegasse em seus destinos.

Quando o Brasil foi anunciado como país-sede do Mundial de Futebol, ainda em 2007, junto com o alvoroço veio uma promessa: com a Copa, viria também o legado da mobilidade urbana para o país. Os recursos, afinal, seriam volumosos. Era a chance de botar o sistema de transporte público nos eixos.

Sete anos se passaram e a promessa saiu dos trilhos, não do papel. Os trilhos, na verdade, continuam esperando trens e metrôs prometidos chegarem. Nos pontos de ônibus, milhões de pessoas também esperam, por horas. Enquanto isso, pedestres e ciclistas dão seu jeito para se deslocar pelas cidades sem contratempos.

No ano passado, a panela estourou: milhões de pessoas tomaram as ruas do país para gritar suas insatisfações com os serviços públicos, e os governos sentiram a pressão. O governo federal acabou anunciando o Pacto Nacional da Mobilidade, destinando mais de R$50 bilhões para a área. Somados a outros bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a bolada – de R$143 bilhões - representou mais recursos ao setor do que o investido pelo governo nos últimos dez anos.

Parecia que era a hora da virada. Mas só parecia. Até o fim de 2013, apenas 10% dos recursos tinham sido usados: o resto não saiu da gaveta por falta de projeto e por incapacidade de estados e municípios de entregar o prometido. 

Além disso, enquanto os gastos com os estádios da Copa triplicaram nos últimos anos, a grana destinada à mobilidade urbana – que deveria superar em 50% os recursos com estádios – foi secando. Em 2011, a previsão de investimentos nos estádios que vão receber os jogos era de R$ 5,6 bilhões, enquanto em mobilidade era de R$ 11,9 bilhões. Atualmente, ambos estão no mesmo patamar, R$ 8 bilhões, numa inversão de prioridades que o país tem se especializado cada vez mais.

Nessa equação, a conta está saindo caro. Com uma mobilidade que não anda e nem é democrática, os reflexos negativos vão em várias direções. As emissões de gases estufa do setor de transportes aumentam sem freios: foram 143% de crescimento entre 1990 e 2012. Secas no sudeste, enchentes no norte e outros eventos climáticos extremos ao redor do mundo, causando tragédias e afetando milhões de pessoas, indicam que estamos na contramão.

Os gastos médios do sistema de saúde brasileiro com tratamentos e outros custos decorrentes de acidentes de trânsito já estão na casa dos R$ 50 bilhões, sem contar ainda o valor destinado ao tratamento de doenças respiratórias decorrentes da poluição do ar, que também seguem em disparada. São bilhões de reais a cada ano para resolver esses problemas gerados por uma mobilidade mal resolvida.

Quando a Taça e a Copa do Mundo passarem, esses problemas vão ficar. Mas se o evento é icônico do descaso dos governos com a mobilidade urbana, um outro evento que chega em seguida traz novas oportunidades de mudança. As eleições vêm aí, e a sociedade civil precisa aproveitar a oportunidade para uma participação consciente e efetiva, para que a mobilidade que queremos deixe de ser promessa e ajude, de fato, a construir uma cidade melhor para todos.

Tópicos
1 comentário Adicionar comentário

aneliseab88 says:

Se já está difícil para quem está de carro, de moto, de biscicleta ou a pé, imaginem para quem é Portador de Deficiê...

Enviado 17 - abr - 2014 às 12:33 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.