Azar também dos bichos

8 comentários
Notícia - 4 - ago - 2010
Mesmo com o Congresso Nacional em recesso, a polêmica em relação às mudanças do Código Florestal Brasileiro não sai da pauta de discussões.

Espécies poderão sentir impactos negativos do novo Código Florestal nos próximos cinco anos.

Os ataques dos ruralistas ao Código Florestal continuam ecoando no meio científico. Na última terça-feira, pesquisadores de diversas áreas lotaram o auditório da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Como não foram chamados para opinar sobre o assunto – apesar de o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) dizer que ouviu deus e o mundo para escrever as propostas de mudança – eles resolveram se reunir por conta própria para discutir o relatório da bancada ruralista.

Os cientistas lembram que, caso o código atual seja derrubado, não é só a floresta que vai sair perdendo: os impactos na fauna brasileira vêm a reboque. Segundo eles, a redução e até extinção de algumas espécies já poderiam ser sentidas nos próximos cinco anos.

Para os acadêmicos, um dos principais problemas do processo de elaboração da lei foi que nem deputado Aldo Rebelo nem a comissão especial - que discutiram por quase um ano as mudanças na lei código - contaram com contribuições significativas da comunidade científica. 

Entre as mudanças propostas, um dos pontos críticos é a redução das áreas de proteção permanente (APPs). O texto aprovado na comissão prevê a redução de 30 m para 15 m das APPs nas margens dos riachos - com até 5 m de largura-, que compõem 90% da malha hidrográfica nacional. Segundo os especialistas, as matas na beira dos rios são importantes para os bichos terrestres e os debaixo d'água, pois fornecem insetos e material orgânico aos peixes. 

"Onde há menos proteção de APPs pelo novo código é onde há mais biodiversidade", analisa o biólogo Luis Felipe Toledo, da Unicamp. Aves e mamíferos estão entre os animais que estarão mais vulneráveis as mudanças do código. Para o biólogo da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), Mauro Galetti, ambos usam as margens preservadas como habitat ou como caminho para migrar de uma "ilha" de floresta preservada para outra. "Sem isso, os bichos escapam para o meio urbano ou para áreas de pastagens e acabam morrendo", diz. 

O encontro realizado na Fapesp deverá resultar em um documento para integrar as discussões da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) sobre o novo código.

A discussão continua no Congresso

Aprovado no mês passado pela comissão especial na Câmara dos Deputados, o projeto que define a nova lei ambiental brasileira ainda percorrerá um longo caminho legislativo até que possa de fato entrar em vigor. 

O Código Florestal precisa ainda ser aprovado pelo plenário da Câmara, em seguida do Senado e novamente da Câmara para ser sancionado pelo presidente em exercício.

Ao saber da preocupação dos cientistas em relação às espécies ameaçadas, Aldo Rebelo desqualificou os argumentos dos acadêmicos: “Essas pessoas precisam parar de fazer afirmações sem comprovação empírica. Isso é irresponsabilidade”, disse à Folha de S. Paulo, insistindo que o projeto elaborado pelos ruralistas teve, sim, apoio da ciência. Para comprovar, informou que um dos assessores da Câmara é biólogo. E ponto final.

Tópicos
8 Comentários Adicionar comentário

antoniosb says:

é isso que eles fazem depois da gente ter dado tanta confiança a eles..
viva a natureza

Enviado 16 - out - 2010 às 9:43 Denunciar abuso Reply

João Gabriel says:

"Sim, nós também temos direito à felicidade nos mesmos moldes dos europeus ocidentais e dos norte-americanos!"

V...

Enviado 6 - out - 2010 às 16:21 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

Pedro Geraldo says:

A comida vai cair do céu !



O Estado de S. Paulo
30/06/2010
Em vez de comprar comida nos supermerca...

Enviado 23 - ago - 2010 às 9:32 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

corvux says:

Um Absurdo!!!

Um abaixa assinado contra esse projeto!!!

Enviado 9 - ago - 2010 às 17:29 Denunciar abuso Reply

MMC says:

Tem biólogo que se vende, afinal dinheiro é tudo e 100%.

Enviado 9 - ago - 2010 às 14:43 Denunciar abuso Reply

MMC says:

"A biodiversidade não tem importância econômica pois pode-se criar moléculas em laboratório" segundo Rogério C...

Enviado 9 - ago - 2010 às 14:12 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

MMC says:

Esse texto saiu no jornal Folha de S. Paulo do dia 04 de agosto de 2010.

Enviado 9 - ago - 2010 às 14:07 Denunciar abuso Reply

rod72lop says:

Espero que a lei não mude e continue protegendo ao meio ambiente e os bichos.

Enviado 5 - ago - 2010 às 9:41 Denunciar abuso Reply

1 - 8 de 8 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.