Bem-vindos ao passado

3 comentários
Notícia - 26 - ago - 2014
Diante de resposta vazia da General Motors, ativistas do Greenpeace relembram a empresa que ela tem que se comprometer com melhores metas de eficiência

Em protesto na Chevrolet, em São Caetano do Sul, Greenpeace relembra uma das líderes de vendas no país que esta deve se modernizar e passar a produzir carros mais eficientes (©Paulo Pereira/Greenpeace)

Ir até a fábrica da Chevrolet, em São Caetano do Sul, em São Paulo, parece uma verdadeira volta ao passado. Da fachada em estilo colonial que remete a séculos passados aos veículos que ali são produzidos, tudo está mais do que antigo e defasado. O Greenpeace foi hoje até a entrada de um dos portões da Chevrolet para lembrar a empresa de que é hora de se modernizar e de investir na eficiência de seus veículos.

“Depois de uma resposta vazia às nossas demandas por maior eficiência energética, decidimos vir até a Chevrolet para relembrá-la do desafio de ter motores mais eficientes, e deixar claro que não vamos aceitar falta de diálogo e de compromisso por parte da empresa”, disse Iran Magno, coordenador da campanha de Clima e Energia.

Em abril de 2014, o Greenpeace lançou um desafio para as três maiores montadoras de veículos no país, entre elas a Chevrolet. Com base no estudo “Eficiência Energética e Emissões de Gases de Efeito Estufa”, feito pela Coppe/UFRJ em parceria com a organização, a proposta lançada foi a de que a indústria brasileira tem que se comprometer com as mesmas metas de eficiência energética que já estão em voga na União Européia, até 2021.

Na prática, isso significaria aumentar em 41% a eficiência dos veículos brasileiros, se tomarmos como base as taxas de 2011. Se os carros aqui produzidos tivessem tecnologia mais moderna, consumiriam menos combustível – economia equivalente a R$287 bilhões até 2030 – e também significaria que, em 2030, o Brasil teria emissões mais baixas que as de hoje, mesmo que a frota de veículos do país dobre, como é estimado.

 

Vale lembrar que, hoje, o setor de transportes é um dos maiores emissores de gases estufa no Brasil. De 1990 a 2012, segundo o Observatório do Clima, o salto de suas emissões foi de 143%, e continua aumentando.

Diante do pedido de modernização, a Chevrolet levou um mês para enviar uma resposta ao Greenpeace, mas foi como se não tivesse respondido. Na carta, a empresa mencionava acreditar já fazer sua parte e listava uma série de processos que adota em sua cadeia produtiva para mitigar impactos ambientais. No entanto, não havia nenhuma linha sobre como a empresa pretende melhorar a eficiência energética e reduzir o consumo de combustível dos veículos que saem de sua fábrica.

Com as mensagens “Bem-vindo ao passado” e “Carro moderno é carro eficiente”, ativistas ironizaram o fato de a Chevrolet ainda estar no passado quando o tema é eficiência. Além disso, motores – símbolo do que a empresa precisa transformar em sua cadeia de produção – foram deixados diante da entrada da fábrica. “A Chevrolet ouviu nossa demanda, mas não nos escutou de fato. Enquanto isso prosseguir, continuaremos pressionando a empresa para que ela se comprometa com os consumidores brasileiros e com o meio ambiente”, concluiu Magno.

Ajude-nos a pressionar as montadoras à se modernizarem. Assine e compartilhe a petição.

Tópicos
2 Comentários Adicionar comentário

(Não registado) Jonatas says:

Vão cuidar do desmatamento no Pará!!!!
O brasileiro quer carro potente, e não "motorzinho" que não anda!!!!

Enviado 31 - ago - 2014 às 12:08 Denunciar abuso Reply

Rafael Vinícius says:

Que vergonha... Você está muito mal informado. Carro eficiente não significa carro fraco. Apenas um exemplo: o McLaren P1, um dos carro...

Enviado 2 - set - 2014 às 13:35 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

(Não registado) Jonatas says:

Vão cuidar do desmatamento no Pará!!!!
O brasileiro quer carro potente, e não "motorzinho" que não anda!!!!

Enviado 31 - ago - 2014 às 12:08 Denunciar abuso Reply

1 - 2 de 2 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.