Brasil que te quero verde

6 comentários
Notícia - 12 - out - 2010
Paira no ar a impressão de que finalmente o Brasil realiza o seu destino de ser uma grande nação. Embalados pela boa fase da economia, já antevemos o futuro que nos espera em 2029, quando o nosso PIB será igual ao da Alemanha.

A questão, no entanto, é se chegaremos lá defendendo um desenvolvimento típico do século passado, carregando conosco florestas destruídas e ar e rios poluídos, típicos de um ambiente incapaz de garantir nossa prosperidade pelas décadas seguintes.

O Brasil, mais do que qualquer outra nação, tem condições de virar a civilização exemplar do século 21, garantindo prosperidade sem devastar seus recursos e suas belezas naturais. Num planeta onde restam poucas florestas e que está à beira de uma crise climática, temos riquezas que ninguém mais tem.

Viramos potência agrícola mantendo mais da metade de nosso território coberto por florestas. Não há razão, portanto, para não termos uma política de desmatamento zero. Também sustentamos nosso crescimento com uma matriz em que 80% da geração elétrica é baseada em fontes renováveis. Sujá-la, em nome do progresso, é como engatar uma marcha-ré.

Infelizmente, ainda há quem diga que para desenvolver é preciso devastar. Insistem que para ter energia o Brasil precisa investir em combustíveis fósseis e que para expandir sua agricultura o único caminho é seguir derrubando nossas matas. Eles se esquecem do nosso próprio exemplo. Preferem importar modelos de outros países, como se o Brasil, para crescer, precisasse imitar os outros.

Os dois candidatos que sobraram na disputa pela Presidência da República parecem presos a esse modelo de futuro atrasado. Mas têm agora a oportunidade de dizer se querem fazer o Brasil andar para frente ou simplesmente ficar parado no tempo, talvez mais rico, porém devastado como qualquer outro país desenvolvido.

Durante a campanha do primeiro turno, o debate praticamente não contemplou aquestão ambiental. Serra e Dilma precisam corrigir esta lacuna e dizer claramente o que pensam e qual o seu projeto sobre o futuro de nossas florestas e o de nossa geração de energia, temas que estão radicalmente ligados ao futuro do Brasil e do planeta. 

Só assim o eleitor poderá decidir qual dos dois tem propostas concretas para gerar riqueza sem devastar a nossa fortuna ambiental.

Vote por um Brasil mais verde e limpo.

Assine a petição - clique aqui.

Confira o kit da mobilização - clique aqui.

6 Comentários Adicionar comentário

soninha says:

gostaria de fazer uma sugestão a todos os colaboradores e ao green: ano que vem teremos conferencia de segurança alimentar e nutricional, e ...

Enviado 26 - out - 2010 às 22:48 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

soninha says:

nao entendi porque só pedir o compromisso de rotular trasngenicos..e a liberação vai seguir de vento em popa?

Enviado 26 - out - 2010 às 22:46 Denunciar abuso Reply

says:

Este debate de fôro pessoal que os candidatos estão travando, ou seja, o aborto, caiu como uma luva para quem não quer debater os probl...

Enviado 21 - out - 2010 às 11:42 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

carioca says:

Infelizmente, nenhum dos candidatos falam sobre a questão do novo Código Florestal, se aprovado irá anistiar os que contribuíram pelo desmatamento no Brasil. Esse novo Código Florestal irá somente atender os interesses da bancada ruralista e vai retirar um Codigo em vigor muito moderno e que protege de forma eficiente as nossas Florestas. Os congressistas devem pensar duas vezes, pois está em jogo a proteção das nossas florestas.

O novo código, que ainda precisa ser votado no Congresso, encolhe as APPs (áreas de proteção permanente), entre outras medidas. A redução de 30 m para 15 m das APPs nas margens dos riachos (com até 5 m de largura), que compõem 90% da malha hidrográfica nacional, é um dos pontos críticos.

Matas na beira dos rios são importantes para os bichos terrestres e os debaixo d'água, pois fornecem insetos e material orgânico aos peixes.

"Em São Paulo, 45 das 66 espécies de peixes de água doce ameaçadas de extinção estão justamente nos riachos", relata a bióloga Lilian Casatti, da Unesp.
OS SEM-FLORESTA

Répteis e anfíbios, que vivem em regiões alagadas, também sofrerão impactos, com menos vegetação às margens dos pequenos rios. "Onde há menos proteção de APPs pelo novo código é onde há mais biodiversidade", analisa o biólogo Luis Felipe Toledo, da Unicamp.

No caso dos répteis, o novo código afeta também um outro habitat natural: as montanhas. Isso porque áreas acima de 1.800 m deixam de ser consideradas APPs e recebem permissão legal para serem desmatadas.

Para Otávio Marques, biólogo do Instituto Butantan, a preservação dos répteis é importante inclusive do ponto de vista da saúde pública. "O veneno da jararaca, por exemplo, possui uma molécula que controla a hipertensão e deu origem a um dos principais medicamentos da doença", destaca.

CORREDORES

O espaço menor para as florestas na beira dos rios pode afetar também certas populações ameaçadas e restritas de aves e mamíferos.

Ambos usam as margens preservadas como habitat ou como caminho para migrar de uma "ilha" de floresta preservada para outra. "Sem isso, os bichos escapam para o meio urbano ou para áreas de pastagens e acabam morrendo", diz Mauro Galetti, biólogo da Unesp.
Fonte de consulta: http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/777507-novo-codigo-florestal-ameaca-especies-dizem-cientistas.shtml

Como ficará a nossa Flresta Amazônia sem a proteção do Código em vigor sem a as areas de proteção?

Enviado 20 - out - 2010 às 22:51 Denunciar abuso Reply

Italo Vasco says:

também voto por um Brasil mais verde e limpo , não é tão difícil você troca combustíveis fósseis por fontes re...

Enviado 17 - out - 2010 às 14:38 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

mnda04 says:

Infelizmente, os candidatos a presidência ainda não fizeram realmente um compromisso pelo desenvolvimento sustentável, pela proteç...

Enviado 16 - out - 2010 às 17:47 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

1 - 6 de 6 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.