Conferência do Clima de Marrakesh: rapidez recorde tem que ser a nova regra

1 comentário
Notícia - 8 - nov - 2016
Na Conferência do Clima em Marrocos, o Greenpeace exige que eliminem todo e qualquer tipo de desenvolvimento de combustível fóssil e transformem em regra a rapidez recorde da ratificação do Acordo de Paris

Marrakesh, 7 de novembro de 2016 – À medida que governos começam a colocar em prática as promessas do Acordo de Paris na Conferência do Clima da ONU esta semana, em Marrocos, o Greenpeace exige que encerrem todo e qualquer desenvolvimento de combustível fóssil e transformem em regra a rapidez recorde da ratificação do acordo.

A líder de Políticas Globais do Clima do Greenpeace, Kaisa Kosonen, afirmou:

“Nós vimos o Acordo de Paris entrar em vigor com metas ambiciosas e rapidez recorde, mas agora temos que ver ações que quebram recordes todos os anos. Nós seremos a geração que vai acabar com os combustíveis fósseis e adotar um mundo 100% de energia renovável.”

Na quinta-feira, o Programa Ambiental da ONU divulgou uma advertência alarmante aos governos sobre as questões pendentes de Paris. Mesmo se as atuais contribuições nacionais dos países ao Acordo fossem integralmente implementadas, ainda assim o mundo testemunharia um aumento médio da temperatura global que seria o dobro do nível acordado em Paris.

“A lacuna entre meta e ação é um problema que precisa ser ajustado num futuro muito próximo por meio de, como o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA afirma, cortes de emissões mais profundos e mais rápidos. Do contrário, vamos permitir que a meta de temperatura do acordo fuja do nosso alcance tal logo foi firmado.”

“Aqui no Marrocos, os governos devem se concentrar em apresentar um plano de trabalho de dois anos para uma convenção forte, cortes de emissões mais rápidos e mais apoio para a população carente e vulnerável,” acrescentou Kosonen.

A Ghalia Fayad, líder do programa mundial do Greenpeace Mediterrâneo Árabe afirmou: “Está na hora de que líderes do mundo todo ouçam o povo que representam, se comprometam e sejam muito mais ambiciosos na transição urgentemente necessária para um mundo 100% de energia renovável. O mundo está progressivamente indo em direção à energia renovável, e o Marrocos deveria estar na vanguarda dessa transição no mundo Árabe e na região do norte da África.”

E com uma foto representando o país-sede e a mudança para 100% de energia renovável, o Greenpeace pregou faixas com #SunUnitesUs (#OSolNosUne), na véspera da COP22, no icônico sítio do patrimônio mundial de Ait Ben Haddou, no sul do Marrocos, mandando um recado forte para as lideranças sobre o grande potencial da energia solar e renovável na luta contra a mudança climática.

1 comentário Adicionar comentário

vnmare says:

Terra perderá dois terços da vida selvagem até 2020, diz estudo

http://www.dw.com/pt-br/terra-perder%C3%A1-dois-ter%C3%A7o...

Enviado 17 - nov - 2016 às 18:45 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.