Fora petróleo

22 comentários
Notícia - 8 - ago - 2011
Zona de maior biodiversidade do Atlântico Sul, Abrolhos corre o risco de virar um grande poço de petróleo. Campanha pede uma moratória da exploração na região

Greenpeace / Alcides Falange

Zona de maior biodiversidade do Atlântico Sul, Abrolhos corre o risco de virar um grande poço de petróleo. A região foi loteada em 2003 pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) e agora dez empresas nacionais e estrangeiras estão prontas para começar a exploração dos 13 blocos atualmente sob concessão do governo.

É por isso que o Greenpeace Brasil começou uma campanha em que pede uma moratória na exploração de gás e petróleo nos arredores do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos.

Com uma área aproximada de 93.000 km², a moratória estabelece uma zona de segurança ao redor do parque nacional. Dentro desta área, estará banida apenas a exploração de gás e petróleo, evitando que um desastre ambiental contamine ecossistemas sensíveis, responsáveis pela reposição dos estoques pesqueiros e reprodução de inúmeras espécies ameaças de extinção.

A moratória, entretanto, depende de um acordo entre o governo e as empresas com blocos de exploração nesta região. São elas Petrobrás, Vipetro, Perenco, OGX, HRT, Shell, Vale, Cowan, Sonangol e Repsol.

O Greenpeace contatou estas empresas por meio de cartas, expondo a importância e necessidade da moratória. Até a sexta-feira passada, dia limite para as respostas, nenhuma empresa havia se posicionado com relação à proposta.

A campanha lançou uma petição online, em que está recolhendo assinaturas da população a favor da moratória. Esta petição será levada às empresas e autoridades, e pode ser acessada pelo endereço: www.greenpeace.org.br/abrolhos.

Deixe as baleias namorarem

A campanha do Greenpeace adota um personagem ilustre para representar o drama que a exploração de petróleo pode representar para a fauna marinha de Abrolhos: a baleia jubarte.

O mote “Deixe as baleias namorarem” é uma referência a este mamífero marinho, ameaçado de extinção devido a séculos de caça comercial. Entre os meses de julho e novembro, as jubarte fazem das cálidas águas de Abrolhos seu ninho de amor. Ali, elas se reproduzem e amamentam, enquanto atraem turistas para toda a região da costa sul da Bahia.

Assista o vídeo da campanha:

 

A campanha chega às ruas

No próximo fim de semana, entre os dias 13 e 14, os voluntários do Greenpeace vão às ruas de São Paulo, Rio, Salvador e Recife. O objetivo é levar ao público o drama das baleias e coletar assinaturas contra a exploração de petróleo em Abrolhos.

Você poderá visitar uma exposição de fotos para entender o problema da exploração de petróleo em Abrolhos e receber mais informações com nossos voluntários. Também haverá atividades para crianças como pintura na face e desenhos para colorir.

Os voluntários do Greenpeace receberão o público das 11h às 17h, no sábado, e das 9h às 14h, no domingo, nos seguintes endereços:

São Paulo:

Sábado: Praça Benedito Calixto.

Domingo: Parque da Luz (Ribeiro de Lima, 99 - Bom Retiro)

Rio de Janeiro:

Sábado: Parque Garota de Ipanema (Em frente à praia do Arpoador).

Domingo: Posto 9 – Ipanema (Av. Vieira Souto, altura do número 320).

Salvador:

Sábado e Domingo: Farol da Barra (Rua Dias D'Ávila, 98).

Recife:

Sábado e Domingo: Praia da Boa Viagem (Av. Boa Viagem, 3232).

Sobre Abrolhos

Localizado no litoral sul da Bahia, dentro da região identificada como a Costa do Descobrimento, Abrolhos foi declarado Parque Nacional Marinho em 1983 - o primeiro a ser criado no Brasil.

Com extensão de 913 km², o parque abrange o arquipélago dos Abrolhos e os recifes de Timbebas. Estudos recentes, entretanto, revelaram que a Área de Proteção atual representa apenas 2% de todo o banco dos Abrolhos, o que é insuficiente para sua preservação.

Abrolhos é lar de mais de 1300 espécies de aves, tartarugas, peixes e mamíferos marinhos. Dentre elas, 45 delas estão consideradas em risco de extinção.

Os recifes de corais da região, o maior e mais exuberante do Brasil, abrigam 17 espécies, sendo seis delas autóctones, como o coral-cérebro (Mussismillia brazilienses). Esta espécie está presente em Abrolhos há 7,7 mil anos e o principal construtor de recifes da região.

Ecossistema sensível a mudanças de temperatura e a poluição, os corais tem papel fundamental para a biodiversidade de Abrolhos. Juntamente com as extensas áreas de manguezais, eles garantem a reposição do estoque pesqueiro que fazem desta uma das regiões mais importantes para a pesca no Estado da Bahia.

Siga campanha na internet:

Twitter: @coralcerebro @greenpeaceBR

Facebook: www.deixeasbaleiasnamorarem.org.br

Assine a petição: www.greenpeace.org.br/abrolhos

22 Comentários Adicionar comentário

(Não registado) Paula says:

Christoffer, seu conceito é imediatista, visando progresso a qualquer custo - pense a longo prazo e no custo benefício de ações ex...

Enviado 29 - mar - 2012 às 15:04 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

dayaa says:

Gostaria de saber se há algum grupo que organiza ações do greenpeace na cidade de Ribeirão Preto estado de São Paulo

Enviado 28 - ago - 2011 às 20:05 Denunciar abuso Reply

England.beatles says:

As pessoas que moram em Abrolhos estão assinando? Pois só as que sobrevivem na área pela pesca e turismo são 80 mil! Já imagi...

Enviado 24 - ago - 2011 às 23:03 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

neusa fabri says:

O que acontecer com a terra acontecerá com os filhos da terra. O homem não teceu a teia da vida, ele é apenas um fio. O que ele fizer &...

Enviado 24 - ago - 2011 às 21:53 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Christoffer says:

Pelo amor de Deus gente, acordem para a realidade, o petróleo do fundo do mar não vai ser jogado no oceano, vai ser usado no continente como...

Enviado 23 - ago - 2011 às 15:55 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

yasmaloka says:

DEUS RENOVARÁ TODA A TERRA ELE DIZ TUDO NA BÍBLIA
VAI LIVRA-NOS DE TODO MAL QUE PESSOAS MALVADAS
FAZEM COM A NOSSA NATUREZA ES...

Enviado 22 - ago - 2011 às 17:34 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

yasmaloka says:

DEUS ABENÇOE A TODOS OS ESTUDIOSOS DA SUSTENTABILIDADE PARABÉNS

Enviado 22 - ago - 2011 às 17:11 Denunciar abuso Reply

yasmaloka says:

Deus salva tudo o que tem vida.

Enviado 22 - ago - 2011 às 17:07 Denunciar abuso Reply

yasmaloka says:

Gente não podemos esquecer que o governo é
também vitima do desmatamento vocês tem é que
trabalhar junto com o g...

Enviado 22 - ago - 2011 às 17:04 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Christoffer says:

O petróleo de lá não vai ser jogado no mar, vai ser levado para o continente para ser usado como combustível. Ser contra a exploração de petróleo na região é apenas mais uma prova da veracidade da conspiração ecofascista denunciada pelos livros Máfia Verde I e II. O verdadeiro objetivo do movimento ecofascista como o Greenpeace é apenas obstaculizar obras de infra-estrutura e energia em países como o Brasil. São instrumentos de guerra psicológica e de quarta geração, com o objetivo de sabotar a economia de vários países. São contra até as hidrelétricas, que são fontes de energia limpas e baratas. Essas são as maiores provas de que os verdadeiros objetivos do Greenpeace e dos ecofascistas são apenas a sabotagem econômica e não a defesa do meio ambiente. O pior é que tem gente ignorante que não enxerga o óbvio e continua ajudando esses sabotadores ecofascistas e ecoterroristas. Vão embora do Brasil, não queremos e não precisamos de vocês aqui. Os seus países já são ricos, porque não deixam nós melhorarmos um pouco a nossa situação? Não estamos roubando de ninguém, como seus países fizeram. Estamos apenas usando os nossos próprios recursos naturais. Vão embora daqui, não queremos vocês no Brasil seus ecofascistas ecoterroristas sabotadores. QUEREMOS O PETRÓLEO DO PRÉ-SAL SIM E QUEREMOS AS USINAS NUCLEARES DE ANGRA II E III E QUEREMOS TERMELÉTRICAS PORQUE MAIS ENERGIA SIGNIFICA MAIS CRESCIMENTO ECONÔMICO E MAIS EMPREGO E RENDA PARA O POVO. VÃO EMBORA DO BRASIL ECOFASCISTAS DIABÓLICOS.

Enviado 22 - ago - 2011 às 14:44 Denunciar abuso Reply

1 - 10 de 22 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.