Hora de calcular os danos

3 comentários
Notícia - 19 - jul - 2010
Arctic Sunrise, navio do Greenpeace, chega agora aos Estados Unidos para monitar os prejuízos do vazammento de óleo no Golfo do México. Buraco está parcialmente fechado.

O Artic Sunrise vai ao Golfo do México monitar as consequências do vazamento de óleo. ©Greenpeace/Alexandre Cappi

Com a perspectiva, ainda não confirmada, de que finalmente o vazamento de petróleo no Golfo do México tenha sido estancado, é chegada a hora de contabilizar prejuízos. O Artic Sunrise, um dos navios do Greenpeace, chega aos Estados Unidos, onde passará os próximos meses investigando e documentando os impactos do maior acidente ambiental da história do país.

A bordo do navio, pesquisadores vão monitorar as consequências do vazamento para peixes, algas, baleias, recifes, tartarugas e aves marinhas da região do Golfo. Os cientistas usarão esponjas - organismos marinhos que vivem de filtrar a água, como indicadores da qualidade do mar e realizarão pesquisa com animais encontrados mortos, ou sobreviventes contaminados pela mancha negra.

No Golfo do México, a expectativa quanto ao fechamento do buraco é digna de filmes de suspense. Após três meses e cerca de 60 mil galões – o equivalente a 10 milhões de litros – de vazamento de óleo por dia, a BP garante ter fechado a tampa do buraco usando uma espécie de rolha, embora as incertezas sobre se o equipamento será suficiente para conter a pressão do buraco possam levar à sua retirada. O governo americano deu 24 horas à empresa britânica para garantir a segurança da empreitada.

“Não podemos esquecer que fechar o buraco não acaba com o problema”, lembra Philip Radford, Diretor Executivo do Greenpeace USA. “Os milhares de galões de óleo que já vazaram comprometerão seriamente a vida selvagem, os ecossistemas, a indústria da pesca e nossos oceanos por décadas. Precisamos saber a extensão verdadeira desta catástrofe, assim como as razões para que tenha acontecido. Só assim poderemos garantir que não acontecerá novamente”, garante Radford.
 
O Arctic Sunrise, parte da frota do Greenpeace desde 1995, é um barco quebra-gelo de 50 metros de comprimento acostumado a realizar missões em regiões inóspitas como o Ártico e o oceano Antártico. “Desejamos que a passagem de nosso navio pelo Golfo do México ajude a passar a mensagem dos prejuízos que nossa atual política energética vem trazendo para o ambiente”, diz John Hocevar, coordenador da Campanha de Oceanos nos Estados Unidos.

O Greenpeace demanda moratória de exploração de petróleo em alto mar, parcialmente concedida pelo governo do presidente Obama e aceita também pelos comissários da União Europeia.
 
Nossa equipe no Golfo do México, desde o começo do desastre, vem documentando o cenário através de fotos e relatos. Veja abaixo galeria de fotos e textos publicados em nosso site e blog:


 

A mancha negra

Desastre para ficar na história

Dano incalculável

Mais um dia no Golfo

Mãos lavadas em óleo

Lucros, falta de transparência e muito óleo

Não dá para ver, mas está lá

Um mês depois, pouco foi feito

Um peso, duas medidas

Chorando sobre óleo derramado

Este lugar está com sérios problemas

3 Comentários Adicionar comentário

luciodefreitas19792009 says:

esse desastre levará muitos anos para que se recupere a natureza atingida por essa monstruosidade,em 2000 aconteceu um vazamento na refinaria get...

Enviado 23 - jul - 2010 às 19:33 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

EDSON ARRABAL says:

Prejuízo incalculável ao meio ambiente...E o pior é que ainda não podemos considerar que essa lamentável catástrofe acab...

Enviado 20 - jul - 2010 às 11:42 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Will Wesley says:

"O homem já sabe dos outros meios sustentáveis que existe para substituir o uso de petróleo... mas preferem sacrificar milhares de...

Enviado 20 - jul - 2010 às 9:06 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

1 - 3 de 3 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.