Multiplicadores Solares ganham Prêmio Jovem Brasileiro 2016

1 comentário
Notícia - 27 - set - 2016
Jovens treinados pelo Greenpeace estiveram ao lado de nomes como Arthur Nory, Neymar e Tatá Werneck. Eles foram destacados pelo trabalho disseminando a energia solar em ilhas fluviais em Belém (PA)

Um grupo de Multiplicadores Solares ganhou o Prêmio Jovem Brasileiro 2016 no último domingo (25) com o projeto Ilhas Solares. A iniciativa leva conhecimento sobre energia solar para escolas e comunidades nas ilhas fluviais ao redor de Belém (PA), e estuda a possibilidade de instalação de placas fotovoltaicas que geram energia a partir da luz do sol. A proposta levou a categoria Meio Ambiente.

O grupo surgiu em abril deste ano e conta com 30 jovens treinados por Endell Menezes. Ele é voluntário do Greenpeace desde fevereiro de 2015 e, no ano passado, ganhou sozinho o prêmio Jovem Brasileiro na mesma categoria.

“Para mim e para todos os voluntários do Greenpeace é muito gratificante ter nosso trabalho premiado e reconhecido. Estamos sempre levando para a sociedade a esperança de um mundo com mais energias limpas – por exemplo, a energia solar nas escolas e nas comunidades. Nós mostramos que, com planejamento, é possível ter placas solares abastecendo o Brasil inteiro”, comentou Endell.

O Prêmio Jovem Brasileiro está na 15ª edição e foi criado para  homenagear e incentivar o protagonismo dos jovens na sociedade. Atores, youtubers, bandas nacionais e até internacionais se apresentam no evento, que contou com ampla cobertura da imprensa.

Neste ano, a premiação aconteceu no Palácio do Anhembi, em São Paulo (SP), e teve presença de nomes como Arthur Nory, premiado na categoria Esporte, Whindersson Nunes, na categoria Internet, Tatá Werneck como melhor Humorista, entre outros.

Em seu discurso Endell agradeceu ao Greenpeace Brasil pelo apoio ao projeto Ilhas Solares, aos alunos da Universidade da Amazônia, no Pará, e ao Coletivo Jovem de Meio Ambiente. Ele também frisou a importância da energia solar para o país como uma forma de dar autonomia à população na geração da energia que usa, a baixo custo e e sem impactos ambientais.

O programa Multiplicadores Solares começou no Brasil em 2014 pela equipe de Mobilização do Greenpeace Brasil. Seu intuito é formar jovens que voluntariamente disseminam o conhecimento sobre energia solar. Dessa forma, cada vez mais pessoas descobrem a possibilidade de um país abastecido por energias limpas e renováveis. Até hoje, 7.299 brasileiros já participaram diretamente das atividades em 13 cidades onde estão os multiplicadores. Esses jovens realizam oficinas como a de fogões solares, além de palestras em escolas e universidades locais.

Os Multiplicadores Solares não recebem recursos financeiros para a realização das atividades. Uma vez por ano, no entanto, o Greenpeace fornece o Fundo de Inovação para Multiplicadores, que cobre parte dos gastos dos melhores projetos. O Projeto Ilhas Solares foi financiado 90% pelo Greenpeace e 10% pelo Engajamundo.

“Estamos avançando cada dia mais com as atividades e grandes projetos para implantação de energia fotovoltaica em escolas e comunidades no Brasil. Nesse segundo semestre de 2016, avançamos com 9 projetos organizados diretamente pelos Multiplicadores Solares”, disse Heloísa Garcia da Mota, da área de Mobilização do Greenpeace e coordenadora dos Multiplicadores Solares.

Tópicos
1 comentário Adicionar comentário

(Não registado) Portão says:

que trabalho maravilhoso, energia limpa, sem agressão a natureza Parabéns.
http://www.portaoautomatico-sp.com/

Enviado 29 - set - 2016 às 10:28 Denunciar abuso Reply

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.