Instalação em SP mostra degelo do Ártico

Adicionar comentário
Notícia - 18 - dez - 2013
Parede de gelo exposta na av. Paulista, em São Paulo, alerta para os perigos do derretimento do Ártico

Paredão de gelo de 4x2 metros montado na av. Paulista, em São Paulo, alerta para o iminente derretimento do Ártico. (©Otávio Almeida/Greenpeace)

 Em plena Avenida Paulista com a Alameda Rio Claro uma instalação de gelo de dois metros de altura por três de comprimento traz ao público uma experiência visual de derretimento de gelo, fazendo referência à região ártica. Dentro do enorme bloco de gelo, uma alegoria de um urso polar reproduz de forma plástica um alerta: o derretimento do Ártico já é uma realidade e a exploração de petróleo na região poderá agravar ainda mais o que já não vai nada bem. A mensagem “Não deixe o seu futuro derreter”, aplicada na estrutura, busca personificar nos cidadãos os impactos da destruição do Ártico, uma vez que seus efeitos serão globais.

A expansão de grandes empresas petrolíferas na região é cada dia mais evidente e os riscos de exploração econômica no frágil ecossistema do Ártico já demostram seus primeiros efeitos: cientistas alertam que o gelo do Polo Norte nunca esteve tão escasso. “As pessoas não percebem que a extinção do Ártico significa a perda de mais um ecossistema na terra. Vidas animais e humanas serão diretamente prejudicadas pela ação irresponsável do homem em busca do lucro”, afirma Fabiana Alves, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace.

Veja as fotos na  galeria:

 

No dia 19 de setembro um grupo de 28 ativistas do Greenpeace e dois jornalistas foram presos na Rússia, suspeitos de vandalismo e pirataria. A acusação veio depois de um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no Ártico em uma plataforma da Gazprom. Entre eles estava a bióloga brasileira Ana Paula Maciel. Hoje, o parlamento russo votou pela anistia dos 30, colocando um fim no processo de investigação e na acusação de vandalismo. Os ativistas poderão voltar para seus países de origem assim que um visto for concedido a eles.

No Brasil e por todo o mundo, milhares de pessoas se manifestarem em apoio aos ativistas. Após 60 dias, a justiça russa concedeu o direito de resposta ao processo em liberdade, sob fiança. Para além da retirada das acusações e direito ao protesto pacífico, o Greenpeace pede proteção ao Ártico, defendendo a criação de um santuário que transforme toda a região em áreas unicamente destinadas à pesquisa e preservação. Dessa forma, ficaria garantida a manutenção desse sistema frágil e único, valorizando não só fauna e flora, mas também a existência de povos locais e de seus costumes.

Tópicos
Nenhum comentário encontrado. Adicionar comentário

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.