O BNDES e o fim das fontes fósseis

Notícia - 3 - out - 2016
Quase um mês após a ratificação do Acordo de Paris, BNDES anuncia pacote de medidas que mostra que o país está, ainda que lentamente, entendendo a necessidade de diversificar e limpar a matriz elétrica brasileira.

Deixar de financiar térmicas a carvão e óleo, aumentar o crédito a juros baixos para energia solar e reduzir os recursos disponíveis para grandes hidrelétricas.

Parece uma lista de desejos, mas foi exatamente este o pacote de medidas anunciado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nesta segunda-feira - quase um mês após a ratificação do Acordo de Paris,  documento da ONU firmado no final do ano passado que estabelece metas globais para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Nesse esforço global, o carvão é o grande vilão, sendo a fonte de energia mais suja disponível.

As novas fontes renováveis já são competitivas em termos de preço e desempenho, possibilitam a geração de energia próxima aos centros consumidores e trazem mais emprego e renda.

Apesar dessa boa notícia, ainda há muito ruído no ar. Após o Ibama ter negado a licença ambiental para a construção da usina hidrelétrica de São Luiz de Tapajós, o Ministério de Minas e Energia começou a dar indicativos de que a ausência do grande empreendimento precisaria ser compensada com mais térmicas movidas a combustíveis fósseis.

O anúncio feito pelo BNDES mostra que fontes fósseis já estão no passado e devem, de uma vez por todas, ser excluídas de todo o planejamento do setor.

“Aos poucos, o país dá mostras de entender a necessidade de diversificar e limpar a matriz elétrica brasileira. Os caminhos para as novas renováveis já estão abertos. O futuro será 100% renovável.”, diz Bárbara Rubim, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil.