Pouco a comemorar

3 comentários
Notícia - 8 - jun - 2010
No Dia Mundial dos Oceanos, ao invés de homenagens, vemos mares infestados de óleo, espécies rumando para a extinção e a criminalização de ativistas.

A Baleia Jubarte é uma das espécies beneficiadas com a moratória da caça comercial.

Estipulado internacionalmente em 2008 para prestar homenagem aos nossos mares, dois anos depois, o Dia Mundial dos Oceanos - 08 de junho, chega para o Greenpeace com ares de ressaca. Entre ativistas ameaçados de prisão por denúncia de contrabando de baleia no Japão, a outros agredidos em tentativa de salvar atuns ameaçados no Mediterrâneo, assistimos ainda ao possível fim da moratória de caça comercial de baleias e ao maior vazamento de óleo da história dos Estados Unidos.

No Golfo do México, tentativas de conter o que já é o maior vazamento de óleo da história dos Estados Unidos fracassam e o derramamento corre solto em seu segundo mês de contaminação de estuários, praias e mangues, matando organismos marinhos e aves. Partindo para outros mares, no Mediterrâneo, nossos ativistas são feridos por ganchos de pescadores ao participarem de uma ação de defesa do atum azul, espécie altamente ameaçada de extinção e cujos estoques pesqueiros rumam ao colapso devido à péssima gestão do setor pesqueiro e da pesca intensiva indiscriminada. 

Vamos para o Japão, onde Junichi Sato e Toru Suzuki, dois ativistas que denunciaram esquema de contrabando ilegal de carne de baleia, ouvem, em tribunal, pedido de condenação de 18 meses de cadeia. Submetidos a um julgamento criminoso, estes defensores dos animais marinhos podem se tornar os primeiros ativistas do Greenpeace a passar tanto tempo presos por uma ação de denúncia.

Enquanto isso, a moratória de caça comercial de baleias, estipulada pela Comissão Internacional da Baleia (CIB) em 1986, sofre investida dos países baleeiros membros da Comissão. A ser votada no final deste mês, em reunião anual da CIB, proposta de eliminação da moratória garante criação de cotas – altas – de animais a serem pescados. A caça dita “científica”, sustentada por governos como o japonês, ainda assim continua assassinando milhares de baleias por ano.

 

“O dia de hoje serve para que paremos e pensemos no que temos feito aos oceanos ao longo, principalmente, dos últimos dois séculos. Ecossistemas inteiros degradados, milhares de espécies extintas, toneladas de lixo e enormes quantidades de petróleo despejados onde um dia foi o berço das primeiras formas de vida, responsável direto por manter o clima do planeta equilibrado”, diz Mikael Freitas, da Campanha de Oceanos.

O Greenpeace no Brasil defende a delimitação de 40% das águas internacionais como Áreas Marinhas Protegidas destinadas à manutenção do ecossistema marinho, assim como a implementação de áreas protegidas também no território marinho nacional. “Por maiores que sejam os problemas enfrentados, vemos pessoas que lutam a favor da proteção dos mares. Isso sim é motivo de comemoração. Comemoração a tudo que os oceanos têm a oferecer e a todos aqueles que sabem valorizá-lo”, complementa Mikael.

Tópicos
3 Comentários Adicionar comentário

EDSON ARRABAL says:

A ressaca é de todas as pessoas que acreditam que nossos oceanos podem viver...Estamos acompanhando e sabemos que o trabalho de "formiga&quo...

Enviado 13 - jun - 2010 às 18:52 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

laurapenedos says:

As pessoas devem se unir e lutar.
Batalhar, batalhar, batalhar,...
O problema é: mesmo assim, não conseguimos "barrar"...

Enviado 10 - jun - 2010 às 21:28 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

Érika says:

Gostaria que tivessemos mais motivos para comemorar. Mas apenas o fato de já haver pessoas que tentam mudar a situação atual dos oceano...

Enviado 8 - jun - 2010 às 18:30 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

1 - 3 de 3 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.