Crimes contra a Amazônia à venda nas prateleiras de supermercados e fast foods da Europa

Notícia - 5 - abr - 2006
Investigação do Greenpeace mostra como a soja amazônica vai parar nas prateleiras de supermercados e fast foods da Europa

O Greenpeace expôs hoje o papel do McDonald's, maior cadeia de fast food do mundo, na destruição da Amazônia (1). O relatório Comendo a Amazônia (2), publicado hoje pelo Greenpeace Internacional, revela como a demanda mundial por soja produzida na Amazônia alimenta a destruição da maior floresta tropical do mundo, incentivando o desmatamento, grilagem de terras e violência contra as comunidades. A investigação mostra como a soja amazônica vai parar nas prateleiras de supermercados e redes de fast foods da Europa.

Como resposta, dezenas de frangos de dois metros de altura invadiram várias lanchonetes do McDonald's na Inglaterra e se acorrentaram às cadeiras. Durante a noite, centenas de voluntários do Greenpeace panfletaram as ruas do país, distribuindo folhetos com uma ilustração do Ronald McDonald segurando uma motosserra. Na Alemanha, ativistas também se reuniram em frente à sede européia do departamento de assuntos ambientais do McDonald's e exigiram que a rede de fast foods pare de destruir a Amazônia.

O relatório Comendo a Amazônia é resultado de uma investigação sigilosa realizada durante um ano, nas regiões de produção e consumo de soja, baseada em análise de imagens de satélites, sobrevôos, análise de dados do governo e pesquisas em campo.

O documento revela o papel de três multinacionais norte-americanas de commodities agrícolas - ADM (Archier Daniels Midland), Bunge e Cargill - na invasão da Amazônia, impulsionando o desmatamento ilegal - muitas vezes, feito com trabalho escravo, a grilagem de terras públicas e a violência contra comunidades locais. ADM, Bunge e Cargill controlam a maior parte do mercado de soja na Europa (3).

"Estamos destruindo a maior floresta tropical do planeta para dar lugar à soja - uma espécie exótica, que será transformada em ração para alimentar gado e frango na Europa", disse Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia, do Greenpeace. "Depois, este gado e este frango será vendido no Mc Donald's mais próximo e você pode estar comendo um pedaço da Amazônia".

A Cargill construiu ilegalmente seu porto às margens do rio Tapajós, em Santarém, no Pará, de onde exporta soja para seu terminal em Liverpool, na Inglaterra. De lá, a soja vai até a produtora de alimentos Sun Valley, também de propriedade da Cargill que, por sua vez, utiliza a soja para alimentar frangos para produzir McNuggets, distribuídos para as lanchonetes do McDonald's em toda a Europa.

Relatório recente da revista científica Nature, de 23 de março de 2006, alerta para o fato de que 40% da Amazônia serão perdidos até 2050 se a fronteira agrícola continua se expandindo no mesmo ritmo, representando uma ameaça à biodiversidade e agravando o quadro de mudanças climáticas. Algumas fazendas cultivam soja transgênica na Amazônia.

"Este crime começa na Amazônia e se estende por toda a indústria de alimentos da Europa. Redes de supermercados e de fast foods, como o Mc Donald's, devem se certificar que não estão usando soja produzida na Amazônia em seus produtos se não quiserem ser cúmplices de crimes ambientais e sociais, como trabalho escravo e outros abusos aos direitos humanos", disse Gavin Edwards, coordenador da campanha de Florestas do Greenpeace Internacional.

NOTAS:

(1) O Greenpeace têm evidências que confirmam que:

- A soja cultivada na Amazônia é exportada através do porto de Santarém para a Europa, juntamente com soja produzida em outras regiões do País. De março de 2005 a fevereiro de 2006, a Cargill exportou mais de 220 mil toneladas de soja brasileira de Santarém para Liverpool, na Inglaterra;

- O Greenpeace monitorou a soja de Santarém desde a unidade da Cargill em Liverpool até a fábrica de ração animal, onde os frangos são transformados em Chicken McNuggets e outros produtos pela Sun Valley. Um antigo funcionário da Sun Valley disse ao Greenpeace que 25% da ração dos frangos vem da unidade da Cargill em Liverpool;

- A Sun Valley abastece o McDonald's com carne de frango em toda a Europa;

- Através de unidades separadas do McDonald's em Wolverhampton e Orleans, na França, a Sun Valley é a maior fornecedora de aves do McDonald's na Europa, produzindo metade de todos os produtos de frango utilizados pela rede de fast-foods em toda a Europa.

- Em uma reunião realizada na semana passada entre o Greenpeace da Inglaterra e o McDonald's, a companhia não negou que seus frangos sejam alimentados com soja produzida na Amazônia. O Greenpeace questionou o McDonald's pela primeira vez sobre a ração utilizada para alimentar seus frangos há três meses.

(2) O relatório "Comendo a Amazônia" está disponível em português ( http://www.greenpeace.org.br/amazonia/pdf/report-eating up the amazon PORT FINAL.pdf ou em inglês ( http://www.greenpeace.org.br/amazonia/

pdf/amazonsoya.pdf)

Há também a opção de um sumário executivo em português, que pode ser lido em:

http://www.greenpeace.org.br/amazonia

/comendoamz_sumexec.pdf

(3) Cargill, ADM e Bungecontrolam 60% da produção de soja no Brasil e mais de três quartos da indústria de processamento na Europa fornecem farelo e óleo de soja para alimentar animais.

(4) Revista Nature, 23 de março de 2006.

Tópicos