Fim de semana de protestos contra o carvão na Holanda

Notícia - 23 - nov - 2008
Enquanto noventa ativistas eram presos ao se acorrentarem na obra de uma termelétrica, Rainbow Warrior ajudou a impedir descarregamento de carvão no porto de Roterdã.

Uma centena de ativistas ocuparam as obras de uma usina termelétrica a carão da E.ON em Roterdã, na Holanda.

Noventa ativistas do Greenpeace foram presos depois de bloquearem as obras da termelétrica de Maasvlakte, em Roterdã, na Holanda. Eles se acorrentaram e bloquearam o acesso às obras da usina nas primeiras horas de sábado (15/11) e foram detidos pela polícia por volta do meio-dia. Os ativistas já foram liberados.

No mesmo dia, dois navios do Greenpeace, Rainbow Warrior e Beluga II, bloquearam trecho do porto de Roterdã para impedir o descarregamento de carvão.

"O Greenpeace agiu para interromper um desastre climático", afirmou Rolf Schipper, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Holanda. "Nosso país já produz mais energia do que precisa, e planeja exportar eletricidade a partir de 2009. Não faz sentido construir uma nova termelétrica a carvão.

O carvão é o combustível fóssil mais poluidor que existe e a maior ameaça individual ao clima do planeta. Termelétricas a carvão dificultam o cumprimento das metas européias de cortes de emissões de gases do efeito estufa em 30% até 2020. A empresa E.On, proprietária da termelétrica de Maasvlakte, planeja construir oito novas usinas por toda a Europa. A de Roterdã seria a primeira.

"E.ON está ignorando a ciência que nos diz que o carvão é o maior perigo ao nosso clima", afirma Agnes de Rooij, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Internacional. "A ação em Roterdã levou a mensagem de que isso é inaceitável."

A ação de sábado é parte da campanha promovida pelo Greenpeace na Europa contra a E.ON, que incluiu protesto da frota de nove barcos, liderados pelo Rainbow Warrior, próximo à termelétrica a carvão de Kingsnorth, no Reino Unido; ocupação pacífica do local das obras de uma outra usina na Antuérpia, na Bélgica; e bloqueio do abastecimento de carvão para a usina da E.ON na Sardenha, na Itália.

O navio Rainbow Warrior está engajado em uma expedição de 10 meses contra o carvão, que começou em março, na Nova Zelândia, e agora se encontra na Europa. Uma Estação de Resgate Climático foi montada às margens de uma grande mina de carvão na Polônia, às vésperas das negociações da ONU sobre mudanças climáticas, que serão realizadas em Poznan, na Polônia, em dezembro.

Abandonar o carvão como fonte energética é essencial para se chegar a um acordo para salvar o clima do planeta. Os governos europeus têm que mostrar liderança e abrir mão do carvão em seus próprios países. O relat[ório [R]evolução Energética, do Greenpeace, mostra como a energia renovável, combinada com uma maior eficiência energética, pode cortar as emissões globais de CO2 em até 50% e providenciar metade das necessidades energéticas do mundo até 2050.

Leia também:

Ativistas do Rainbow Warrior são presos em Israel após ação contra carvão

Chegou a hora do meio ambiente virar pauta na reunião do G20

Stern fala sobre economia sem carbono para empresários brasileiros