Greenpeace chama a atenção da OTAN contra projeto americano Star Wars

Notícia - 13 - dez - 2000
De acordo com a organização ambientalista, o Sistema Nacional de Defesa de Mísseis dos EUA vai aumentar a ameaça de uma guerra nuclear

O Greenpeace demandou de todos os países membros da Organização do Tratado para o Atlântico Norte (OTAN) a oposição contra a proposta americana de implementar o Sistema Nacional de Defesa de Mísseis (NMD), conhecido como "Star Wars" (1). Ativistas da organização ambientalista protestaram do lado de fora da sede da OTAN, onde representantes estavam reunidos para discutir o atual controle de armas e a política de desarmamento.

Durante a manhã, um grupo de 55 manifestantes de todas as partes da Europa formaram uma corrente humana em frente à entrada principal da sede da OTAN. Uma faixa foi colocada na parte lateral de um caminhão que estava com a bandeira americana e uma montagem de mísseis e símbolos da radiação pedia à Europa: "Parem o Star Wars". Um balão de dez metros de comprimento mandava a mesma mensagem para quem estava do lado de dentro do prédio.

"O projeto Star Wars incentiva a guerra. A OTAN pode e deve impedir sua implementação", disse Ruy de Góes, do Greenpeace no Brasil. "Os esforços dos representantes da OTAN, reunidos para discutir o controle de armas e a política de desarmamento, serão em vão se o projeto dos EUA for implementado".

O Sistema Nacional de Defesa de Mísseis dos EUA não pode ser levado adiante sem a instalação de dois radares americanos - um em Fylingdales, Reino Unido, e outro em Thule, Groenlândia, cuja defesa e política estrangeira são determinadas pela Dinamarca. Tanto a Dinamarca quanto o Reino Unido são países membros da OTAN (2).

Países como França, Alemanha, China e Rússia já se opuseram publicamente contra a proposta americana. Muitas nações acreditam que o Star Wars poderá prejudicar o atual acordo de redução de armas, além de aumentar enormemente o risco de uma guerra nuclear.

"O Star Wars não vai proteger os americanos de um ataque nuclear", disse Góes. "Na verdade, o projeto vai aumentar a ameaça de guerra, levando países como China e Rússia a aumentarem seus arsenais nucleares, em uma tentativa de superar o sistema de mísseis americano".

Dois dos três testes do NMD, realizados em condições ideais, apresentaram falhas. Mais de quatro testes serão agendados para 2001, quando o presidente americano deve decidir se aprova ou não a próxima fase do projeto. Se aprovada, pelo menos outros 15 testes devem acontecer e o sistema poderá entrar em operação no início de 2005.

(1) O Sistema Nacional de Defesa de Mísseis foi batizado de "Star Wars" por causa de sua semelhança com a proposta do ex-presidente americano Ronald Reagan. Os dois sistemas usam radares e satélites para detectar mísseis inimigos, enquanto mísseis ou lasers americanos são usados para destruí-los, antes que atinjam seus alvos.

(2) Antes do Star Wars ser aprovado, a administração Clinton implementou um critério básico de que o projeto deve ter o suporte de todos os aliados dos EUA na Europa.

Tópicos