Na Laje de Santos, Arctic Sunrise mostra a importância dos oceanos para o clima do planeta

Notícia - 24 - mar - 2009
Navio do Greenpeace chega a cidade do litoral paulistapara última parada da expedição Salvar o Planeta. É Agora ou Agora.

Tartarugas marinhas voltam ao mar na Laje de Santos, onde o Arctic Sunrise do Greenpeace participou de atividade em defesa de áreas marinhas protegidas e dos oceanos.

O Parque Estadual Marinho da Laje de Santos (SP), um dos monumentos naturais do litoral paulista, é uma área marinha de proteção integral de grande importância para a biodiversidade local e para o clima do planeta. A laje de Santos faz parte do mosaico de áreas marinhas protegidas criadas pelo governo do Estado de São Paulo em outubro de 2008 e apoiada pelo Greenpeace.

Atualmente apenas 0,8% da zona costeira marinha brasileira está sob a forma de alguma proteção, incluindo áreas federais e estaduais - menor que a média mundial de 1%. Esse número é insuficiente para a recuperação da biodiversidade e para a saúde dos oceanos. Para reforçar a necessidade de criarmos e implementarmos áreas protegidas no Brasil, o navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, foi na manhã desta quarta-feira (25/3) à Laje de Santos, para realizar diversas atividades aliadas a conservação marinha, como o anilhamento e soltura de tartarugas e aves marinhas, mergulho recreacional, pesquisa subaquática e observação de baleias de bryde.

"Áreas de proteção integral como essa do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos são importantes para manter o equilíbrio climático do planeta, já que nossos mares são responsáveis pela captura de grandes quantidades de CO2 da atmosfera", afirma Leandra Gonçalves, coordenadora da campanha de Oceanos do Greenpeace.

"O governo do Estado de São Paulo deveria criar mais áreas marinhas de proteção integral em locais de alta biodiversidade e que ainda estão susceptíveis à ameaças, como o arquipélago de Alcatrazes e a ilha da Queimada Grande no litoral paulista", acrescenta Leandra.

Veja as fotos da atividade:

Saiba aqui mais detalhes da importância das áreas marinhas protegidas para a saúde dos oceanos.

A presença do Arctic Sunrise em Santos faz parte da expedição Salvar o Planeta. É Agora ou Agora, que desde janeiro percorre cidades brasileiras para expor os principais problemas ambientais do país e engajar as pessoas nas soluções viáveis.

O navio ancorou próximo à Laje e recebeu a visita de autoridades locais e representantes de ONGs. No final da tarde o Arctic Sunrise seguirá para o Porto de Santos, onde ficará aberto à visitação pública no fim de semana (dias 28 e 29/3).

As atividades realizadas na Laje de Santos nesta quarta-feira foram organizadas em parceria com as ONGs Instituto Laje Viva, Projeto Tamar, Centro de Estudos para a Conservação Marinha, Sociedade em Defesa do Litoral Brasileiro e a Associação de Operadores de Mergulho da Laje de Santos.

Entre os impactos do aquecimento global que afetam os oceanos estão a elevação do nível do mar, o branqueamento dos corais, a acidificação das águas e a perda da biodiversidade

Veja o vídeo:

a

"Os mares retiram cerca de 90% do CO2 lançado na atmosfera. No entanto, as águas cada vez mais ácidas por conta do aumento da temperatura e a degradação ambiental fazem com que os oceanos percam gradativamente sua função de reguladores climáticos do planeta", afirma Leandra Gonçalves.

Em cerca de três meses, o Arctic Sunrise já passou por Manaus, Santarém, Belém, Fortaleza, Recife, Salvador e Rio de Janeiro. Santos é a última parada da expedição Salvar o Planeta. É Agora ou Agora.

Confira o blog da expedição.

Tópicos
Tags