Rainbow Warrior II, navio símbolo do Greenpeace, chega à Sydney

Notícia - 31 - ago - 2000

A cidade de Sydney, na Austrália, deu as boas-vindas hoje ao mais conhecido navio do Greenpeace, o Rainbow Warrior II (1), que participará dos eventos de abertura das PrimeirasOlimpíadas Verdes da história. O navio trouxe uma bandeira de 17 x 3 metros com a mensagem: "Vamos jogar limpo com o planeta".

O Rainbow Warrior II foi recebido por botes infláveis do Greenpeace, na entrada do porto do Porto de Sydney. Várias outras embarcações participaram da recepção, incluindo um rebocador movido à energia solar. Entre os espectadores que receberam o navio no porto e depois na Ópera House, de Sydney, estava Aly Golding, um líder aborígene, que realizou uma uma cerimônia típica de boas vindas para o navio e sua tripulação, em nome das comunidades tradicionais australianas.

O Ministro do Meio Ambiente da Austrália, Senador Robert Hill, e a atleta australiana Shirley Strickland, três vezes medalha de ouro em Olimpíadas, também visitaram a embarcação. Para a esportista, o espírito olímpico e a cooperação entre atletas e países são plataformas perfeitas para a criação de soluções ambientais sustentáveis. "Espero que as nações de todo o planeta levem para casa a mensagem de proteção ambiental de Sydney 2000", disse Strickland.

O Greenpeace tem trabalhado desde 1992 para que as Olimpíadas de Sydney sejam realmente as Primeiras Olimpíadas Verdes da história. O projeto da Vila Olímpica, por exemplo, foi desenhado pela entidade ambientalista, cujos princípios ambientais foram depois incorporados ao processo de planejamento dos Jogos como um todo. Energia renovável, descontaminação de locais poluídos, reutilização de madeira de construção, reciclagem e conservação da água, tratamento de esgoto, sistemas de refrigeração ecológicos são alguns dos aspectos do planejamento dos jogos olímpicos que a entidade abordou.

"Queremos que os governos, empresas multinacionais, organizadores dos jogos, atletas e os cidadãos do mundo se comprometam para que as soluções ambientais expostas em Sydney sejam implementadas daqui para frente em todos os grandes eventos esportivos", diz Cristina Bonfiglioli, Coordenadora da Campanha das Olimpíadas Verdes do Greenpeace Brasil. "O Rainbow Worrior está lá, no local dos jogos, para enfatizar a idéia de que o conceito das Olimpíadas Verdes tem que prosseguir nos próximos jogos e ser ampliado para todos os países."

"Os Jogos Verdes de Sydney mostram que hábitos ambientalmente danosos podem ser evitados se houver criatividade e compromisso," disse o Diretor Executivo do Greenpeace Austrália, Peter Mullins. "O Greenpeace quer ver soluções ambientais sendo colocadas em prática não apenas em Sydney. Estas soluções não devem mais ser consideradas alternativas, mas práticas rentáveis e corriqueiras", completou.

(1) O Rainbow Warrior chegou a Sydney vindo do Pacífico Norte, onde o Greenpeace expôs o legado tóxico das bases militares norte americanas nos países insulares e seus efeitos sobre a saúde das populações daqueles países. Antes disso o navio esteve na Rússia pela campanha contra exploração de de madeira ilegal e em Okinawa, no Japão, onde participou de protestos pacíficos na reunião dos países do G8. Ativistas do Greenpeace foram presos e o navio foi invadido pela polícia japonesa.

Julho marcou o 15º aniversário do afundamento do primeiro Rainbow Warrior, no porto de Auckland (Nova Zelândia). O Rainbow Warrior I estava se preparando para liderar uma frotilha de embarcações em um protesto pacífico contra os testes nucleares franceses em Moruroa, quando duas bombas colocadas por agentes do governo francês afundaram a embarcação, matando o fotógrafo português Fernando Pereira.

O SV Rainbow Warrior II foi inaugurado em 1989, adotando o mandato do predecessor. Em 1996, o navio também enfrentou violência similar durante outro protesto contra testes nucleares franceses no Atol de Moruroa. Agentes franceses invadiram o navio e usaram gás lacrimogênio sobre a tripulação e retiveram o navio por 5 meses.

Tags