Em 2010, dois anos depois do lançamento da campanha da Greenpeace, o conceito de sustentabilidade parece ter sido interiorizado pela maioria dos retalhistas em Portugal. A transparência do sector de retalho também tem vindo a melhorar, com cada vez mais informação veiculada ao público e três políticas de pescado responsável já publicadas.

Neste terceiro Ranking de Retalhistas, o Lidl mantém-se líder, aproximando-se do verde, por ter dado passos concretos e seguros no sentido de excluir o pescado mais insustentável e favorecer as melhores práticas de pesca. A Sonae e Auchan são semelhantes nas suas políticas, sendo que Sonae leva a vantagem por partilhaar pormenores do seu plano para rever a gama de produtos de peixe que oferece, conseguindo assim entrar na gama laranja. As distribuidoras detentoras de marcas como Intermarché, Minipreço, Pingo Doce e Feira Nova continuam claramente a vermelho, com poucos progressos a reportar. No fundo da tabela, encontra-se mais uma vez o grupo Jerónimo Martins, que se recusa a entrar em diálogo com a organização e a responder ao pedido de milhares de consumidores para que contribua efectivamente para a preservação da vida dos oceanos.

Esconder este texto

Supermercados já reconhecem a sua responsabilidade

Quatro dos seis grupos de retalhistas incluídos no Ranking já adoptaram uma política de compra e venda de peixe sustentável - três das quais já se encontram disponíveis para consulta do consumidor.

Em 2010, dois anos depois do lançamento da campanha da Greenpeace, o conceito de sustentabilidade parece ter sido interiorizado pela maioria dos retalhistas em Portugal.

O Lidl é o retalhista que está mais empenhado em melhorar as suas práticas de comercialização de pescado. A Sonae desenvolveu uma política de compra de peixe que tornará pública ainda este ano e tem dado passos largos para recuperar o atraso inicial, definindo práticas de comercialização de pescado responsáveis e sustentáveis. A Auchan tem apostado em melhorias graduais mas seguras e continua a trabalhar no desenvolvimento da sua política de compra e venda de peixe.

O grupo Carrefour, detentor da marca Dia, tem demonstrado vontade de incorporar o princípio da sustentabilidade nas suas operações a nível internacional. No entanto, em Portugal, o retalhista continua sem apresentar medidas concretas, limitando-se a fornecer uma cópia da sua política de pescado internacional.

Os Mosqueteiros afirmam ter desenvolvido uma política de pescado para melhorar a sustentabilidade dos produtos de marca própria, mas continuam sem fornecer um documento comprovativo e as prateleiras das suas lojas espelham uma realidade contraditória.

O grupo Jerónimo Martins é o único retalhista em Portugal que continua sem responder à Greenpeace, ignorando o apelo de milhares de consumidores para que adopte uma política de compra e venda de peixe que valorize a sustentabilidade dos ecossistemas marinhos.

Esconder este texto

Demasiadas espécies de peixe ameaçadas nas prateleiras

Embora a maioria dos supermercados continua a vender um número elevado de espécies da Lista Vermelha da Greenpeace, três cadeias de distribuição alimentar já estão a dar sinais positivos. Para manter o equilíbrio dos ecossistemas marinhos, os supermercados têm que acelerar a descontinuação das espécies de peixe ameaçadas.

O Lidl descontinuou a venda de uma série de espécies de peixe (tubarões, espécies de profundidade, solhas, peixe-espada e peixes-vermelhos); a Sonae já não comercializa duas espécies vulneráveis (cação e alabote da Gronelândia) e pretende reduzir as vendas de tamboril. A Auchan tomou a decisão de terminar a venda de todas as espécies de tubarão ameaçadas. Para além disso, os três grupos afirmam ainda estarem empenhados em aumentar a oferta de bacalhau de linha e bacalhau proveniente de stocks bem geridos.

É de realçar que o Lidl evita a comercialização de peixe proveniente da pesca de arrasto. Também a Sonae está a dar os primeiros passos nesta direcção, embora ainda tímidos, ao reduzir o abastecimento de peixe capturado por arrasto em 10%.

Contrastando com os esforços dos retalhistas mais responsáveis, o grupo Os Mosqueteiros e o grupo Jerónimo Martins vendem quase todas as espécies de peixe presentes na Lista Vermelha da Greenpeace e não apresentam qualquer iniciativa para reajustar da sua gama de produtos do mar.

Esconder este texto

Supermercados estão preocupados com pesca ilegal

Vários supermercados do ranking afirmam que o combate à pesca ilegal é uma das prioridades da sua política de compra e venda de peixe. No entanto, em muitos casos o consumidor ainda não pode ter a certeza que o peixe que está a comprar é legal e justo.

Os retalhistas que têm demonstrado mais empenho no combate à pesca ilegal são: o Lidl, a Sonae e o grupo Dia/Carrefour.

O Lidl incorporou na sua política a rastreabilidade do pescado até ao barco (para peixe selvagem) ou até ao viveiro de origem (para peixe de aquacultura), exigindo aos fornecedores documentos comprovativos de que o peixe é legal e foi capturado dentro das quotas definidas para a zona.

A Sonae também se comprometeu em eliminar o pescado ilegal e cortar relações comerciais com fornecedores suspeitos ou documentados a praticar pesca ilegal (ou seja, todos os operadores ou navios constantes das listas negras oficiais e lista negra da Greenpeace), exigindo garantias e verificando o cumprimento deste critério anualmente.

A nível internacional, o grupo Dia assume o compromisso firme de combater a pesca ilegal, através da implementação de um sistema de rastreabilidade e referenciação dos produtos e fazendo pressão a nível político.

Já a Auchan ainda não desenvolveu um sistema de rastreabilidade e mantém este critério pouco realçado na sua política. Os Mosqueteiros afirmam simplesmente que seguem a regulamentação para o sector, o que na prática significa que não têm conhecimento se o peixe que vendem é ou não ilegal. O grupo Jerónimo Martins não disponibiliza informações sobre as suas políticas, não podendo garantir aos consumidores a legalidade do pescado que vende.

Esconder este texto

O papel dos retalhistas na preservação da biodiversidade

A indústria da pesca parece querer continuar a fechar os olhos à viabilidade do sector a longo prazo, incentivando a exploração excessiva e descontrolada numa corrida para pescar o último peixe dos oceanos.

Actualmente, os métodos de pesca em voga são os que capturam mais peixe em menos tempo e que ignoram a perturbação cada vez mais irreversível dos habitats marinhos e de toda a cadeia alimentar dos oceanos. Com a taxa de consumo dos produtos piscícolas a crescer a um ritmo superior ao da taxa da população mundial e menos de 1% dos nossos oceanos protegidos, os cientistas começam a alertar para o colapso iminente das reservas de peixe.

É estimado que as consequências da gradual perda da vida dos oceanos possam ser tão catastróficas no futuro, quanto são hoje imprevisíveis. É urgente, por isso, travar a perda da biodiversidade marinha e todos assumirmos a nossa responsabilidade, individual e colectiva, pelos recursos que consumimos.

Este alerta geral tem incentivado um número crescente de consumidores e cidadãos a exigir aos supermercados uma gama de produtos de peixe sustentáveis. A palavra sustentabilidade começa assim a fazer parte do vocabulário do sector de distribuição alimentar que, em reposta ao desafio, está gradualmente a retirar as espécies de peixe mais ameaçadas das suas prateleiras, recusar peixe ilegal e peixe proveniente dos métodos mais destrutivos e oferecer alternativas mais amigas dos oceanos.

A tendência começa a ser notada também em Portugal, onde cerca de 70% do peixe é vendido nas grandes superfícies. Em 2008, a Greenpeace chumbou todos os supermercados portugueses por nenhum ter ou disponibilizar ao público políticas de compra e venda de peixe. Após dois anos de campanha da Greenpeace em Portugal, quatro dos seis maiores retalhistas já têm uma política escrita e estão a trabalhar activamente com a organização para implementar medidas que preservem um dos recursos mais preciosos e ameaçados do planeta: o peixe.

“Em 2010, insto todos os países e cidadãos do Planeta a formar uma aliança global para proteger a vida na Terra” Ban Ki-Moon, Secretário Geral da Nações Unidas

Esconder este texto

O que é o Ranking dos Supermercados?

O Ranking da Greenpeace analisa as práticas de compra e venda de peixe dos supermercados segundo critérios desenvolvidos a partir das recomendaçõse da Greenpeace para a pesca e aquacultura sustentáveis e para a comercialização de pescado.

Nesta análise os supermercados são avaliados com uma percentagem de cumprimento destes 7 grupos de critérios:

  1. A existência de uma política de compra e venda de peixe sustentável e a sua robustez
  2. As medidas adoptadas para excluir o pescado vindo de práticas de pesca e aquacultura insustentáveis ou ilegais
  3. As medidas adoptadas para apoiar as práticas de pesca e aquacultura sustentáveis
  4. A política de rastreabilidade dos produtos de peixe
  5. A etiquetagem dos produtos de peixe
  6. A existência de espécies da Lista Vermelha da Greenpeace na gama do supermercado
  7. A transparência das políticas e a informação veiculada aos consumidores

Os supermercados são classificados com uma percentagem de cumprimento com estes critérios, desenvolvidos a partir das recomendações da Greenpeace para pesca e aquacultura sustentáveis e para comercialização de pescado, publicadas no seu site internacional. Estas recomendações seguem o Código de Conduta para a pesca responsável da FAO, adoptado em 2002 com o objectivo de restabelecer os stocks de peixe a nível global até 2015.

Para efeitos de classificação só são tidos em consideração aspectos da política comprovadamente implementados ou alegações comprovadas por documentos facultados à Greenpeace.

Esconder este texto

Não sejas tímido... entra em acção!

Cria um spot divertido para os piores supermercados do ranking!

Divulga

Facebook Twitter Blogs E-mail

Ao divulgares o Ranking no Facebook estás a divulgar a mensagem da campanha e a colaborar na protecção dos oceanos. Divulga já.

Clica aqui para partilhar

Ao divulgares o Ranking no Twitter estás a divulgar a mensagem da campanha e a colaborar na protecção dos oceanos. Divulga já

Descobre a cor do teu supermercado. Consulta o 3º ranking da Greenpeace http://bit.ly/3ranking

Publica o vídeo no teu blogue e divulga a mensagem de que é preciso fazer mais para proteger os oceanos.

<object class="guppy" classid="clsid:d27cdb6e-ae6d-11cf-96b8-444553540000" codebase="http://download.macromedia.com/pub/shockwave/cabs/flash/swflash.cab#version=6,0,40,0" width="480" height="270">
    <param name="width" value="480" /><param name="height" value="246" />
    <param name="flashvars" value="flv=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/portugal.mp4&amp;autoplay=0&amp;onclick=http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3&amp;buffermessage=Carregando&amp;showloading=autohide&amp;playeralpha=50&amp;width=430&amp;height=246&amp;startimage=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/snap.jpg" />
    <param name="allowfullscreen" value="true" />
    <param name="allowscriptaccess" value="always" />
    <param name="src" value="/portugal/PageFiles/51810/flv-player.swf" />
    <embed class="guppy" type="application/x-shockwave-flash" width="430" height="246" flashvars="flv=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/portugal.mp4&amp;autoplay=0&amp;onclick=http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3&amp;buffermessage=Carregando&amp;showloading=autohide&amp;playeralpha=50&amp;width=430&amp;height=246&amp;startimage=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/snap.jpg" allowfullscreen="true" allowscriptaccess="always" src="/portugal/PageFiles/51810/flv-player.swf">
    </embed>
</object>
<div id="consulta">
    <a href="http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3/"><img src="/portugal/PageFiles/51810/video-banner-a.png" alt="Descobre a cor do teu supermercado - Consulta o 3º Ranking da Greenpeace" /></a>
</div>

Divulga o ranking por e-mail. Preenche o formulário abaixo para enviar

Actualizações e links:

Subscreve o feed RSS

Que significam as percentagens?
100%
70%
Possui uma política aceitável que deve ser respeitada e melhorada no futuro, acompanhando a evolução dos stocks de peixe e do impacto das práticas de pesca e aquacultura actuais.
70%
40%
Foram tomadas algumas medidas importantes relativas a uma política de compra e venda de peixe sustentável, mas ainda são necessárias acções mais concretas para estabelecer um padrão aceitável.
40%
0%
Pouco ou nada está a ser feito para preservar as reservas de peixe e os oceanos. É urgente definir uma política de compra e venda de peixe sustentável e implementar práticas que evitam o pior e apoiam o melhor.

Novidades

 

Fomos à Final da Liga de Campeões. Aqui está o porquê.

Artigo | 24. Maio, 2014 em 21:18

Há poucos instantes, dez ativistas da Greenpeace do Reino Unido estavam nas vigas do tecto do Estádio da Luz em Lisboa, muito mais acima do relvado onde se iria jogar a final da Champions. Queriam colocar uma faixa mas foram detidos. Aqui...

Guerreiro Verde

Artigo | 20. Outubro, 2011 em 15:00

Manuel Pinto nasceu no Porto há 45 anos, cresceu no Luxemburgo e cedo descobriu o gosto pelas viagens. Tornou-se punk, trabalhou em fábricas e em armazéns de armamento, mas foi quando entrou na Greenpeace que a vida mudou.

Bacalhau nas prateleiras portuguesas

Artigo | 13. Setembro, 2010 em 10:28

Em Julho, a Greenpeace em Portugal divulgou a expedição do navio Esperanza ao Oceano Árctico, um dos últimos redutos de biodiversidade do planeta, e onde se pesca entre outros peixes, o bacalhau. Esta viagem serviu de pretexto para divulgar o...

Greenpeace pede moratória para pesca de arrasto no Oceano Árctico

Artigo | 1. Julho, 2010 em 8:09

Svalbard - Noruega - A Greenpeace divulgou hoje novas imagens de criaturas únicas que habitam as profundezas do Oceano Árctico, obtidas com câmeras submersas de alta tecnologia. Estas imagens revelam criaturas de crescimento lento que...

Navio da Greenpeace inicia expedição para documentar operações de pesca no Oceano Árctico

Artigo | 10. Junho, 2010 em 20:17

O navio da Greenpeace, Esperanza, inicia hoje uma expedição de documentação nas águas do Oceano Árctico, a norte de Svalbard, como parte da expedição “Árctico sob pressão”. A organização alerta que as alterações climáticas estão a permitir que...

Activistas da Greenpeace bloquearam a entrada do Pingo Doce do Cais do Sodré em Lisboa

Artigo | 26. Maio, 2010 em 20:33

Portugal — Activistas da Greenpeace bloquearam a entrada do Pingo Doce do Cais do Sodré, em Lisboa, com mensagem “Pingo Doce esgota os oceanos de Janeiro a Janeiro”. A acção serviu para mobilizar os milhares de consumidores que passam no local a...

Greenpeace alerta consumidores para o papel dos supermercados na preservação da vida...

Artigo | 15. Maio, 2010 em 23:00

Desde o fim de semana passado que voluntários da Greenpeace se reúnem em frente aos supermercados dos três retalhistas com pior classificação no Terceiro Ranking da Greenpeace - Intermarché, Minipreço, Pingo Doce e Feira Nova – para alertar os...

O Clima dos Oceanos

Artigo | 18. Dezembro, 2009 em 23:00

Desde a grande libertação de gás metano, há 55 milhões de anos atrás, que os oceanos não experienciavam um processo de acidificação tão rápido como actualmente. Esta conclusão faz parte de um estudo distribuído na cimeira climática de Copenhaga,...

Nações Unidas pedem reforço de protecção para águas internacionais

Artigo | 3. Dezembro, 2009 em 23:00

A Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) adoptou hoje formalmente novas medidas para proteger os últimos refúgios da vida marinha no planeta: os oceanos profundos. Em Novembro, os países presentes na reunião aguçaram as medidas de protecção e...

Activistas da Greenpeace são detidos em acção na Torre de Belém

Artigo | 29. Novembro, 2009 em 23:00

Hoje de manhã, enquanto a XIX Cimeira Iberoamericana começava, nove activistas da Greenpeace, incluindo dois portugueses, penduraram na Torre de Belém, em Lisboa, duas faixas gigantes com a mensagem “o nosso clima, a vossa decisão”.

1 - 10 de 47 resultados.