Em 2010, dois anos depois do lançamento da campanha da Greenpeace, o conceito de sustentabilidade parece ter sido interiorizado pela maioria dos retalhistas em Portugal. A transparência do sector de retalho também tem vindo a melhorar, com cada vez mais informação veiculada ao público e três políticas de pescado responsável já publicadas.

Neste terceiro Ranking de Retalhistas, o Lidl mantém-se líder, aproximando-se do verde, por ter dado passos concretos e seguros no sentido de excluir o pescado mais insustentável e favorecer as melhores práticas de pesca. A Sonae e Auchan são semelhantes nas suas políticas, sendo que Sonae leva a vantagem por partilhaar pormenores do seu plano para rever a gama de produtos de peixe que oferece, conseguindo assim entrar na gama laranja. As distribuidoras detentoras de marcas como Intermarché, Minipreço, Pingo Doce e Feira Nova continuam claramente a vermelho, com poucos progressos a reportar. No fundo da tabela, encontra-se mais uma vez o grupo Jerónimo Martins, que se recusa a entrar em diálogo com a organização e a responder ao pedido de milhares de consumidores para que contribua efectivamente para a preservação da vida dos oceanos.

Esconder este texto

Supermercados já reconhecem a sua responsabilidade

Quatro dos seis grupos de retalhistas incluídos no Ranking já adoptaram uma política de compra e venda de peixe sustentável - três das quais já se encontram disponíveis para consulta do consumidor.

Em 2010, dois anos depois do lançamento da campanha da Greenpeace, o conceito de sustentabilidade parece ter sido interiorizado pela maioria dos retalhistas em Portugal.

O Lidl é o retalhista que está mais empenhado em melhorar as suas práticas de comercialização de pescado. A Sonae desenvolveu uma política de compra de peixe que tornará pública ainda este ano e tem dado passos largos para recuperar o atraso inicial, definindo práticas de comercialização de pescado responsáveis e sustentáveis. A Auchan tem apostado em melhorias graduais mas seguras e continua a trabalhar no desenvolvimento da sua política de compra e venda de peixe.

O grupo Carrefour, detentor da marca Dia, tem demonstrado vontade de incorporar o princípio da sustentabilidade nas suas operações a nível internacional. No entanto, em Portugal, o retalhista continua sem apresentar medidas concretas, limitando-se a fornecer uma cópia da sua política de pescado internacional.

Os Mosqueteiros afirmam ter desenvolvido uma política de pescado para melhorar a sustentabilidade dos produtos de marca própria, mas continuam sem fornecer um documento comprovativo e as prateleiras das suas lojas espelham uma realidade contraditória.

O grupo Jerónimo Martins é o único retalhista em Portugal que continua sem responder à Greenpeace, ignorando o apelo de milhares de consumidores para que adopte uma política de compra e venda de peixe que valorize a sustentabilidade dos ecossistemas marinhos.

Esconder este texto

Demasiadas espécies de peixe ameaçadas nas prateleiras

Embora a maioria dos supermercados continua a vender um número elevado de espécies da Lista Vermelha da Greenpeace, três cadeias de distribuição alimentar já estão a dar sinais positivos. Para manter o equilíbrio dos ecossistemas marinhos, os supermercados têm que acelerar a descontinuação das espécies de peixe ameaçadas.

O Lidl descontinuou a venda de uma série de espécies de peixe (tubarões, espécies de profundidade, solhas, peixe-espada e peixes-vermelhos); a Sonae já não comercializa duas espécies vulneráveis (cação e alabote da Gronelândia) e pretende reduzir as vendas de tamboril. A Auchan tomou a decisão de terminar a venda de todas as espécies de tubarão ameaçadas. Para além disso, os três grupos afirmam ainda estarem empenhados em aumentar a oferta de bacalhau de linha e bacalhau proveniente de stocks bem geridos.

É de realçar que o Lidl evita a comercialização de peixe proveniente da pesca de arrasto. Também a Sonae está a dar os primeiros passos nesta direcção, embora ainda tímidos, ao reduzir o abastecimento de peixe capturado por arrasto em 10%.

Contrastando com os esforços dos retalhistas mais responsáveis, o grupo Os Mosqueteiros e o grupo Jerónimo Martins vendem quase todas as espécies de peixe presentes na Lista Vermelha da Greenpeace e não apresentam qualquer iniciativa para reajustar da sua gama de produtos do mar.

Esconder este texto

Supermercados estão preocupados com pesca ilegal

Vários supermercados do ranking afirmam que o combate à pesca ilegal é uma das prioridades da sua política de compra e venda de peixe. No entanto, em muitos casos o consumidor ainda não pode ter a certeza que o peixe que está a comprar é legal e justo.

Os retalhistas que têm demonstrado mais empenho no combate à pesca ilegal são: o Lidl, a Sonae e o grupo Dia/Carrefour.

O Lidl incorporou na sua política a rastreabilidade do pescado até ao barco (para peixe selvagem) ou até ao viveiro de origem (para peixe de aquacultura), exigindo aos fornecedores documentos comprovativos de que o peixe é legal e foi capturado dentro das quotas definidas para a zona.

A Sonae também se comprometeu em eliminar o pescado ilegal e cortar relações comerciais com fornecedores suspeitos ou documentados a praticar pesca ilegal (ou seja, todos os operadores ou navios constantes das listas negras oficiais e lista negra da Greenpeace), exigindo garantias e verificando o cumprimento deste critério anualmente.

A nível internacional, o grupo Dia assume o compromisso firme de combater a pesca ilegal, através da implementação de um sistema de rastreabilidade e referenciação dos produtos e fazendo pressão a nível político.

Já a Auchan ainda não desenvolveu um sistema de rastreabilidade e mantém este critério pouco realçado na sua política. Os Mosqueteiros afirmam simplesmente que seguem a regulamentação para o sector, o que na prática significa que não têm conhecimento se o peixe que vendem é ou não ilegal. O grupo Jerónimo Martins não disponibiliza informações sobre as suas políticas, não podendo garantir aos consumidores a legalidade do pescado que vende.

Esconder este texto

O papel dos retalhistas na preservação da biodiversidade

A indústria da pesca parece querer continuar a fechar os olhos à viabilidade do sector a longo prazo, incentivando a exploração excessiva e descontrolada numa corrida para pescar o último peixe dos oceanos.

Actualmente, os métodos de pesca em voga são os que capturam mais peixe em menos tempo e que ignoram a perturbação cada vez mais irreversível dos habitats marinhos e de toda a cadeia alimentar dos oceanos. Com a taxa de consumo dos produtos piscícolas a crescer a um ritmo superior ao da taxa da população mundial e menos de 1% dos nossos oceanos protegidos, os cientistas começam a alertar para o colapso iminente das reservas de peixe.

É estimado que as consequências da gradual perda da vida dos oceanos possam ser tão catastróficas no futuro, quanto são hoje imprevisíveis. É urgente, por isso, travar a perda da biodiversidade marinha e todos assumirmos a nossa responsabilidade, individual e colectiva, pelos recursos que consumimos.

Este alerta geral tem incentivado um número crescente de consumidores e cidadãos a exigir aos supermercados uma gama de produtos de peixe sustentáveis. A palavra sustentabilidade começa assim a fazer parte do vocabulário do sector de distribuição alimentar que, em reposta ao desafio, está gradualmente a retirar as espécies de peixe mais ameaçadas das suas prateleiras, recusar peixe ilegal e peixe proveniente dos métodos mais destrutivos e oferecer alternativas mais amigas dos oceanos.

A tendência começa a ser notada também em Portugal, onde cerca de 70% do peixe é vendido nas grandes superfícies. Em 2008, a Greenpeace chumbou todos os supermercados portugueses por nenhum ter ou disponibilizar ao público políticas de compra e venda de peixe. Após dois anos de campanha da Greenpeace em Portugal, quatro dos seis maiores retalhistas já têm uma política escrita e estão a trabalhar activamente com a organização para implementar medidas que preservem um dos recursos mais preciosos e ameaçados do planeta: o peixe.

“Em 2010, insto todos os países e cidadãos do Planeta a formar uma aliança global para proteger a vida na Terra” Ban Ki-Moon, Secretário Geral da Nações Unidas

Esconder este texto

O que é o Ranking dos Supermercados?

O Ranking da Greenpeace analisa as práticas de compra e venda de peixe dos supermercados segundo critérios desenvolvidos a partir das recomendaçõse da Greenpeace para a pesca e aquacultura sustentáveis e para a comercialização de pescado.

Nesta análise os supermercados são avaliados com uma percentagem de cumprimento destes 7 grupos de critérios:

  1. A existência de uma política de compra e venda de peixe sustentável e a sua robustez
  2. As medidas adoptadas para excluir o pescado vindo de práticas de pesca e aquacultura insustentáveis ou ilegais
  3. As medidas adoptadas para apoiar as práticas de pesca e aquacultura sustentáveis
  4. A política de rastreabilidade dos produtos de peixe
  5. A etiquetagem dos produtos de peixe
  6. A existência de espécies da Lista Vermelha da Greenpeace na gama do supermercado
  7. A transparência das políticas e a informação veiculada aos consumidores

Os supermercados são classificados com uma percentagem de cumprimento com estes critérios, desenvolvidos a partir das recomendações da Greenpeace para pesca e aquacultura sustentáveis e para comercialização de pescado, publicadas no seu site internacional. Estas recomendações seguem o Código de Conduta para a pesca responsável da FAO, adoptado em 2002 com o objectivo de restabelecer os stocks de peixe a nível global até 2015.

Para efeitos de classificação só são tidos em consideração aspectos da política comprovadamente implementados ou alegações comprovadas por documentos facultados à Greenpeace.

Esconder este texto

Não sejas tímido... entra em acção!

Cria um spot divertido para os piores supermercados do ranking!

Divulga

Facebook Twitter Blogs E-mail

Ao divulgares o Ranking no Facebook estás a divulgar a mensagem da campanha e a colaborar na protecção dos oceanos. Divulga já.

Clica aqui para partilhar

Ao divulgares o Ranking no Twitter estás a divulgar a mensagem da campanha e a colaborar na protecção dos oceanos. Divulga já

Descobre a cor do teu supermercado. Consulta o 3º ranking da Greenpeace http://bit.ly/3ranking

Publica o vídeo no teu blogue e divulga a mensagem de que é preciso fazer mais para proteger os oceanos.

<object class="guppy" classid="clsid:d27cdb6e-ae6d-11cf-96b8-444553540000" codebase="http://download.macromedia.com/pub/shockwave/cabs/flash/swflash.cab#version=6,0,40,0" width="480" height="270">
    <param name="width" value="480" /><param name="height" value="246" />
    <param name="flashvars" value="flv=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/portugal.mp4&amp;autoplay=0&amp;onclick=http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3&amp;buffermessage=Carregando&amp;showloading=autohide&amp;playeralpha=50&amp;width=430&amp;height=246&amp;startimage=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/snap.jpg" />
    <param name="allowfullscreen" value="true" />
    <param name="allowscriptaccess" value="always" />
    <param name="src" value="/portugal/PageFiles/51810/flv-player.swf" />
    <embed class="guppy" type="application/x-shockwave-flash" width="430" height="246" flashvars="flv=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/portugal.mp4&amp;autoplay=0&amp;onclick=http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3&amp;buffermessage=Carregando&amp;showloading=autohide&amp;playeralpha=50&amp;width=430&amp;height=246&amp;startimage=http://static.greenpeace.org/int/video/seafood/snap.jpg" allowfullscreen="true" allowscriptaccess="always" src="/portugal/PageFiles/51810/flv-player.swf">
    </embed>
</object>
<div id="consulta">
    <a href="http://www.greenpeace.org/portugal/ranking3/"><img src="/portugal/PageFiles/51810/video-banner-a.png" alt="Descobre a cor do teu supermercado - Consulta o 3º Ranking da Greenpeace" /></a>
</div>

Divulga o ranking por e-mail. Preenche o formulário abaixo para enviar

Actualizações e links:

Subscreve o feed RSS

Que significam as percentagens?
100%
70%
Possui uma política aceitável que deve ser respeitada e melhorada no futuro, acompanhando a evolução dos stocks de peixe e do impacto das práticas de pesca e aquacultura actuais.
70%
40%
Foram tomadas algumas medidas importantes relativas a uma política de compra e venda de peixe sustentável, mas ainda são necessárias acções mais concretas para estabelecer um padrão aceitável.
40%
0%
Pouco ou nada está a ser feito para preservar as reservas de peixe e os oceanos. É urgente definir uma política de compra e venda de peixe sustentável e implementar práticas que evitam o pior e apoiam o melhor.

Novidades

 

Defensores dos oceanos

Galeria | 24. Outubro, 2010

Responsáveis de campanha identificam navios a pescar no Oceano Árctico

Fotografia | 28. Junho, 2010 em 7:35

Iris Menn, uma das responsáveis de campanha de oceanos da Greenpeace na Alemanha e Frida Bengtsson, com funções semelhante na Greenpeace dos países nórdicos. Neste momento estão a examinar e anotar os nomes e números de registo do navios a pescar...

Recolhendo imagens do fundo dos oceanos no Árctico

Fotografia | 22. Junho, 2010 em 7:15

Para investigar as consequências do recuo do gelo causado pelas alterações climáticas, o navio da Greenpeace Esperanza navegou até ao Norte de Svalbard. A equipa a bordo está a explorar e recolher imagens do fundo dos oceanos, até hoje pouco...

Testes de câmera nas águas do Oceano Árctico

Fotografia | 19. Junho, 2010 em 7:29

Gavin Newman testa a sua câmara nas águas do Árctico com a ajuda de outros membros da tripulação do Esperanza.

Jetske Nagtglas

Fotografia | 17. Junho, 2010 em 7:21

Jetske Nagtglas é uma das pessoas que controlam a câmara subaquática que está a registar imagens do fundo do mar no Oceano Árctico. A Expedição Árctico Sob Pressão está a investigar as consequências da pesca de arrasto nesta região.

Esperanza investiga e documenta as consequências da pesca de arrasto no Árctico

Fotografia | 14. Junho, 2010 em 7:46

Imagem do fundo do mar (entre 90 e 190 metros de profundidade) durante a expedição Árctico sob Pressão. O navio da Greenpeace Esperanza está a investigar e documentar as consequências da pesca de arrasto e alterações climáticas no Oceano Árctico.

Câmaras captaram imagens cheias de biodiversidade no Árctico

Fotografia | 13. Junho, 2010 em 7:06

A Greenpeace utilizou avançadas tecnologias de registo de imagem para explorar o fundo do Oceano Árctico a Norte de Svalbard. As câmaras captaram imagens cheias de biodiversidade neste oceano até agora pouco conhecido.

Pequenos Icebergues vieram parar a Magdalenefjord

Fotografia | 12. Junho, 2010 em 7:42

Pequenos Icebergues desprenderam-se e vieram parar a Magdalenefjord em Svalbard. Este é um destino bastante popular para os passageiros dos navios de cruzeiro que visitam a região.

Navio de pesca localizado no Oceano Árctico

Fotografia | 12. Junho, 2010 em 7:32

O Navio Krasnoselsk, com bendeira da Rússia, foi localizado nas coordenadas 79o10.0'N 008o34.0' Este navio está registado como pertencente à empresa COMSERV-FISH. Provavelmente está à procura de bacalhau ou arinca.

1 - 10 de 263 resultados.