Jerónimo Martins

Página - 7. Maio, 2010

Jerónimo Martins (Pingo Doce e Feira Nova)

Receita em branco

Usa o cursor para ver mais pormenores neste gráfico

Supermarket 1
Supermarket 2
Supermarket 3
Supermarket 4
Supermarket 5
Supermarket 6

Jerónimo Martins provou-se mestre a ignorar os apelos de milhares de consumidores e da Greenpeace para que adopte uma postura mais responsável. A empresa parece estar alheia às ameaças que os oceanos enfrentam e mantém-se fiel ao modelo de "business-as-usual". Com os consumidores cada vez mais exigentes e a maioria dos retalhistas a transformar as suas estratégias de negócio incorporando o conceito de sustentabilidade, este grupo enfrenta um atraso cada vez maior.

A atitude do braço de distribuição do grupo Jerónimo Martins relativamente à sustentabilidade do pescado que vende, só pode ser classificada como a antítese da transparência. Este é o único retalhista que continua a recusar a responder à Greenpeace, ignorando o apelo de milhares de consumidores para que torne públicas as suas políticas. A empresa parece reger-se por uma estratégia de conquista de mercado que não inclui a partilha de informação sobre as suas operações com os consumidores ou outras partes interessadas. Com 13 dos 15 grupos de espécies na Lista Vermelha da Greenpeace à venda nos supermercados do grupo e sem informação pública sobre as práticas da empresa, este é o segundo ano consecutivo que o grupo é o pior classificado entre os retalhistas que operam em Portugal.

Esconder este texto

Política de compra e venda de peixe 0% 

O grupo Jerónimo Martins não disponibiliza publicamente nenhuma política de sustentabilidade, ambiental ou de pescado responsável.

O grupo Jerónimo Martins não disponibiliza publicamente nenhuma política de sustentabilidade, ambiental ou de pescado responsável.

O grupo Jerónimo Martins não disponibiliza ao público políticas que guiem as suas operações nas áreas sociais e ambientais. Apesar de ter adoptado um Código de Conduta que aflora estas áreas, o próprio documento deixa claro que o lucro é o principal objectivo da empresa e as variáveis Pessoas e Planeta são secundárias na sua estratégia. Este Código insinua também que o assumir da responsabilidade das suas operações está condicionado à imperativa de satisfazer os seus accionistas.

Esconder este texto

Retirar o pescado insustentável 0% 

As prateleiras das lojas Pingo Doce e Feira Nova estão longe de indicar que algo esteja a ser feito para melhorar a sustentabilidade da oferta de pescado neste supermercados.

A empresa não parece ter qualquer iniciativa de sustentabilidade a decorrer. A existência do selo “Dolphin safe” em algumas latas de atum é o único exemplo apresentado publicamente pela empresa para indicar a sua preocupação em preservar os recursos marinhos do Planeta. No entanto, a Greenpeace alerta que mesmo estas latas contêm 3 espécies de atum, duas das quais se encontram ameaçadas!

Esconder este texto

Introduzir pescado sustentável 0% 

Não existem disponíveis publicamente quaisquer evidências que demonstrem o interesse do grupo em apoiar produtos de peixe sustentáveis.

Rastreabilidade do pescado 0% 

A empresa não apresenta nenhuma informação nos seus sites ou nas suas lojas a indicar que este é um critério que a preocupa.

A empresa não apresenta nenhuma informação nos seus websites ou lojas que indique que esta se preocupa em apurar a origem e proveniência dos seus produtos de pesca. A Greenpeace considera prioritário adoptar medidas de verificação da origem do peixe, de forma a poder excluir com segurança o pescado mais insustentável ou ilegal.

Esconder este texto

Etiquetagem do pescado 8% 

Tal como na maioria dos supermercados em Portugal, a informação que acompanha o pescado vendido no Pingo Doce e Feira Nova ainda não elucida suficientemente o consumidor.

Nos produtos de marca própria e produtos vendidos a granel, frequentemente, só é apresentado um nome muito genérico, como 'Bacalhau' ou 'Pescada', não sendo possível identificar devidamente a espécie ou a sua proveniência.

Em pelo menos 50% dos produtos de peixe, o consumidor não tem acesso a informação sobre a espécie de peixe, método de produção ou zona de captura, uma vez que estas indicações ainda não são obrigatórias para conservas, produtos processados e produtos para animais.

Esconder este texto

Venda de espécies da Lista Vermelha 25% 

A Greenpeace encontrou à venda nos supermercados Pingo Doce e Feira Nova 13 dos 15 grupos de espécies da sua Lista Vermelha.

Adicionalmente, estes supermercados oferecem muitas outras espécies provenientes ou passíveis de provir de pescarias classificadas a vermelho pela Greenpeace, como carapau, lula, polvo e robalo.

Esconder este texto

Transparência e informação 0% 

O grupo Jerónimo Martins mostra-se indiferente face às partes interessadas da sociedade (consumidores e organizações não governamentais) e parece não tolerar ingerências.

Desde o lançamento do primeiro Ranking, que a empresa mantém a decisão de se recusar a entrar em diálogo com a Greenpeace. É de referir, no entanto, que aquando da Roadtour Oceanos em Perigo, a Greenpeace recebeu uma carta do presidente do grupo a garantir que a empresa cumpre a legislação em vigor. A Greenpeace agradece o esclarecimento, mas realça que este é o mínimo que a empresa deve cumprir, sendo que para garantir um futuro saudável dos oceanos é fulcral que os retalhistas assumam um papel mais activo e se responsabilizem pelas suas operações.

Esconder este texto


Informação diversa

Jerónimo Martins é um grupo económico português cujas origens remontam ao século XVIII, época em que o fundador do mesmo nome abre uma loja no Chiado. Pouco mais de dois séculos depois a humilde loja transformou-se numa multinacional a operar nos sectores da indústria alimentar (através de uma parceria com a Unilever), distribuição alimentar e restauração.

O grupo estreou a sua presença no estrangeiro em 1997, com a aquisição de uma das maiores cadeias de supermercados na Polónia (Biedronka). A estratégia da Jerónimo Martins Retalho passa claramente por conquistar o primeiro lugar no mercado que se encontra por enquanto, reservado ao grupo Sonae. Em 2008 o retalhista aumentou o número de lojas Pingo Doce em 50%, passando a ser o segundo maior retalhista em número de lojas. Em 2009, o supermercado entrou no top 10 dos anunciantes publicitários, com anúncios a proclamar o Pingo Doce como a maior cadeia de supermercados em Portugal.

  • Insígnias: Pingo Doce + Feira Nova
  • Vendas em 2008: 2.665 milhões €
  • Nº lojas em finais de 2008: 334 Pingo Doce, 9 Feira Nova
  • Nº colaboradores: 19.438
  • Lugar no Ranking da Distribuição Moderna em 2008: 2 (15.1% do mercado FMCG*)

(Fonte: APED Ranking 2008, HiperSuper 2009: ranking do painel de lares TNS Worldpanel)

* Fast Moving Consumer Goods

Esconder este texto

,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Ut a sapien. Aliquam aliquet purus molestie dolor. Integer quis eros ut erat posuere dictum. Curabitur dignissim. Integer orci. Fusce vulputate lacus at ipsum. Quisque in libero nec mi laoreet volutpat. Aliquam eros pede, scelerisque quis, tristique cursus, placerat convallis, velit. Nam condimentum. Nulla ut mauris. Curabitur adipiscing, mauris non dictum aliquam, arcu risus dapibus diam, nec sollicitudin quam erat quis ligula. Aenean massa nulla, volutpat eu, accumsan et, fringilla eget, odio. Nulla placerat porta justo. Nulla vitae turpis. Praesent lacus.

Aliquam aliquet purus molestie dolor. Integer quis eros ut erat posuere dictum. Curabitur dignissim.

Integer orci. Fusce vulputate lacus at ipsum. Quisque in libero nec mi laoreet volutpat. Aliquam eros pede, scelerisque quis, tristique cursus, placerat convallis, velit. Nam condimentum. Nulla ut mauris. Curabitur adipiscing, mauris non dictum aliquam, arcu risus dapibus diam, nec sollicitudin quam erat quis ligula. Aenean massa nulla, volutpat eu, accumsan et, fringilla eget, odio. Nulla placerat porta justo. Nulla vitae turpis. Praesent lacus. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Ut a sapien.

Copia os endereços e-mail e um dos exemplos acima e contacta o supermercado

end #rrSendMessage -->
Que significam as percentagens?
100%
70%
Possui uma política aceitável que deve ser respeitada e melhorada no futuro, acompanhando a evolução dos stocks de peixe e do impacto das práticas de pesca e aquacultura actuais.
70%
40%
Foram tomadas algumas medidas importantes relativas a uma política de compra e venda de peixe sustentável, mas ainda são necessárias acções mais concretas para estabelecer um padrão aceitável.
40%
0%
Pouco ou nada está a ser feito para preservar as reservas de peixe e os oceanos. É urgente definir uma política de compra e venda de peixe sustentável e implementar práticas que evitam o pior e apoiam o melhor.

Actualizações e links:

Subscreve o feed RSS