Atum

Uma escola de atum rabilho numa jaula de transporte. Nos últimos 50 anos, 90% por cento de todos os grandes predadores, tais como o o atum e o peixe espada, foram pescados.

Há mais de 2000 anos, o filósofo grego Aristóteles descreveu a migração do atum rabilho no Mediterrâneo. Já no Império Romano, a pesca do atum foi uma das indústrias mais sólidas. Esta pesca, uma das mais rentáveis do mundo, está agora ameaçada por práticas industriais e pela falta de protecção.

Em 1999, publicámos um relatório a salientar o desaparecimento da população de atum rabilho do Mar Mediterrâneo. A biomassa de atum rabilho adulto – os indivíduos em desova – tinha diminuido em 80 por cento nos últimos 20 anos. Todos os anos se capturava demasiado atum juvenil, e as frotas piratas estavam a fazer desaparecer os cardumes. Claramente, eram necessárias medidas drásticas para restaurar a população desse peixe.

Cultura do atum: uma receita para o desastre

Infelizmente, desde essa altura, não só piorou a sobrepesca, mas surgiu uma nova actividade industrial direccionada ao atum que se apresenta como uma ameaça adicional para a sobrevivência desse peixe no Mediterrâneo. Trata-se da captura, transporte e engorda do atum em jaulas espalhadas ao longo de toda a costa, conhecidas como “cultura do atum”. Barcos com redes de arrasto e rebocadores industriais rastreiam toda a região em busca de atum, auxiliados por uma pequena frota de aviões e helicópteros capazes de descobrir os cardumes, apesar da sua quantidade decrescente.

A cultura do atum é uma actividade altamente rentável, dirigida ao mercado japonês. Em vez de se reduzir a pesca para ajudar à recuperação do atum no Mediterrâneo, os lucros rápidos injectaram mais dinheiro na actividade, o que significa embarcações de pesca e unidades de armazenamento novos e maiores, e mesmo novos aeroportos para exportar o atum. Os governos contribuíram amplamente para impulsionar este desenvolvimento: os subsídios da União Europeia, que ascendem a qualquer coisa como 34 milhões de dólares desde 1997, juntamente com investimentos do Japão e da Austrália, encorajaram a capturas ainda maiores.

Na prática, tudo isto resultou num aumento da captura de atum juvenil, e exacerbou as dificuldades de gestão enfrentadas pelo ICCAT (organismo que visa a conservação dos Tunídeos do Atlântico). Ninguém conhece a quantidade de atum rabilho capturada no Mar Mediterrâneo, mas ela é claramente superior ao total permitido.

Criação de atum

Dois atuns-albacora.

A enorme quantidade peixe necessária para alimentar o atum de criação é igualmente um problema. Usa-se até 20 Kg de isco, composto de peixe, para produzir apenas um quilograma de atum. São lançados todos os anos no Mar Mediterrâneo uns 225.000 Kg de isco, na sua maioria proveniente da África Ocidental, do Atlântico Norte e da América. Um relatório recente salientou o risco de introdução de doenças nas espécies locais de peixe, a partir do isco, como já aconteceu anteriormente em operações de engorda de atum na Austrália. A disseminação de doenças em importantes populações locais de peixes como a anchova ou a sardinha pode ser desastrosa para os pescadores locais. De um ponto de visto preventivo, trata-se de um risco inaceitável.

Os golfinhos estão a salvo?

Mergulhadores da Greenpeace empunham um banner com a mensagem "Para onde foi todo o atum", nas Ilhas Baleares. Os mares destas ilhas são um dos habitats naturais do atum-rabilho.

A procura de isco de peixe faz também com que os pescadores capturem espécies que antes não eram pescadas comercialmente. É o caso da sardinela lombuda do Mar de Alborão, onde a pesca crescente desta espécie pode colocar em risco uma das populações mais saudáveis de golfinhos comuns do Mediterrâneo.

A criação de atum no Mediterrâneo implica que um recurso comum que anteriormente era partilhado pelas culturas piscícolas de todo o Mar Mediterrâneo se encontre agora controlado por meia dúzia de investidores. Não é só o atum rabilho que se encontra privatizado e sobreexplorado, as outras pescarias da região estão também a ser comprometidas.

 

 

Novidades

 

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:52

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo.

Em poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:49

A este ritmo dentro de poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas.

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:46

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral.

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:43

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas.

Milhares de toneladas de coral são devolvidas ao mar já sem vida

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:39

Para comercializar algumas espécies que habitam os mares profundos, milhares de toneladas de coral são capturadas acidentalmente e devolvidas ao mar já sem vida.

Destruir uma floresta para caçar alguns coelhos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:36

A pesca de arrasto é tão pouco selectiva que tem sido comparada a destruir uma floresta para caçar alguns coelhos.

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:33

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos. Estas estruturas vivas podem atingir 35 metros de altura.

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:30

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas.

Identificadas 898 espécies numa área equivalente a metade de um campo de ténis

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:26

Um estudo nas profundezas dos oceanos conseguiu identificar 898 espécies provenientes de mais de 100 famílias numa área equivalente a metade de um campo de ténis

98% das espécies marinhas vivem junto ao fundo do oceano

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:17

Aproximadamente 98% das espécies marinhas vivem junto ao fundo do oceano.

71 - 80 de 317 resultados.