Caça à baleia

A Greenpeace está contra a caça à baleia no Oceano Antárctico.

Sobreexplorar, enganar, esgotar. O ciclo da ganância que apoia a indústria mundial da caça à baleia fez com que as populações de baleias, uma atrás da outra, desaparecessem. Ainda não se sabe se algumas das espécies poderão alguma vez recuperar, mesmo após décadas de protecção.

As estatísticas dizem tudo. As baleias-azuis da Antárctida contam com menos de 1 por cento do seu efectivo original, apesar dos 40 anos de completa protecção. Algumas populações de baleias estão a recuperar, mas outras não. Pensa-se que apenas um grupo, o das baleias-cinzentas do Pacífico Oriental, recuperou a sua abundância original, mas a população congénere de baleias-cinzentas do Pacífico Ocidental é a que se encontra em maior risco de extinção no mundo. Está à beira da extinção, com apenas pouco mais de 100 exemplares.

Factos e números

Testes recentes de ADN mostram que o impacto da caça comercial à baleia pode ser ainda pior do que anteriormente se pensava. A maioria das estimativas sobre dimensão história das populações de baleias foi extrapolada de velhos números da caça à baleia, mas esse método é frequentemente muito impreciso, defende o biólogo marítimo Steve Palumbi, da Estação Marítima Hopkins, da Universidade de Stanford - Califórnia, EUA.

Em 2003, Palumbi e os seus colegas usaram amostras de ADN para estimar que as baleias-corcundas podem ter ascendido a 1,5 milhões de exemplares, antes do início da caça comercial à baleia, no século XVIII. Esse número ultrapassa claramente o número de 100.000 anteriormente aceite pela CIB, baseado nos registos da caça à baleia do século XIX. As baleias-corcundas actualmente atingem apenas os 20.000 indivíduos.

Os representantes japoneses na Comissão Internacional da Baleia (CIB) referem constantemente uma estimativa de 1990 sobre a população de baleias-anãs da Antárctica, que a avalia em 760.000. Mas esse número passou a ser ignorado pela CIB em 2000, dado que as avaliações recentes descobriram substancialmente menos baleias-anãs que as anteriores. As novas estimativas ascendem a metade das anteriores em todas as áreas que foram reavaliadas. Os cientistas da CIB não compreendem as razões para o facto e, para já, ainda não foram capazes de chegar a acordo sobre uma nova estimativa.

Consumo, contaminação, catástrofes

A caça à baleia já não é a única ameaça para as baleias. Os oceanos, ou melhor, os impactos humanos sobre os oceanos, alteraram-se dramaticamente ao longo dos quarenta anos de protecção das baleias. As ameaças ambientais para as baleias que são conhecidas incluem o aquecimento global, a poluição, a sobrepesca, a destruição da camada de ozono, os ruídos como o do arsenal de sonares e os choques com navios. A pesca industrial ameaça as reservas de alimento das baleias e coloca igualmente as baleias em risco de emaranhamento nos respectivos equipamentos.

Se pensa comer carne de baleia, pense duas vezes – em algumas áreas, a gordura das baleias mortas está tão contaminada com organoclorados como PCBs e pesticidas que poderia ser classificada como resíduo tóxico! Sabe-se que os organoclorados prejudicam o desenvolvimento das crianças e afectam a reprodução.

Apesar destas ameaças acumuladas, um número crescente de nações da Comissão Internacional da Baleia (CIB) votam pelo reinício imediato da caça comercial à baleia. Alguns dos novos e empenhados membros da CIB são o Benin, o Gabão, Tuvalu e Nauru. Obviamente, o novo número de membros e as votações não reflectem uma alteração na opinião pública mundial. Esses países foram todos aliciados a aderirem à CIB e a votarem de acordo com o que é designado pela Agência de Pesca do Japão como “programa de consolidação do voto”. 

Grandes Expectativas

As expectativas de recuperação das populações de baleias têm sido baseadas na suposição de que, à excepção da caça comercial à baleia, o seu habitat nos oceanos é tão seguro quanto era há uma centena de anos atrás. Infelizmente, esse pressuposto já não é válido. É por isso que acreditamos que todas as formas de caça comercial à baleia devem ser definitivamante abandonadas.

Novidades

 

Nova receita para o bacalhau

Publicação | 15. Junho, 2010 em 14:37

O bacalhau é o peixe mais icónico da gastronomia portuguesa. Esta espécie, pescada e consumida por portugueses há mais de 500 anos, é considerada a mais lucrativa da história e mantém-se ainda hoje como a principal espécie no nosso prato.

Esperanza investiga e documenta as consequências da pesca de arrasto no Árctico

Fotografia | 14. Junho, 2010 em 7:46

Imagem do fundo do mar (entre 90 e 190 metros de profundidade) durante a expedição Árctico sob Pressão. O navio da Greenpeace Esperanza está a investigar e documentar as consequências da pesca de arrasto e alterações climáticas no Oceano Árctico.

Câmaras captaram imagens cheias de biodiversidade no Árctico

Fotografia | 13. Junho, 2010 em 7:06

A Greenpeace utilizou avançadas tecnologias de registo de imagem para explorar o fundo do Oceano Árctico a Norte de Svalbard. As câmaras captaram imagens cheias de biodiversidade neste oceano até agora pouco conhecido.

Pequenos Icebergues vieram parar a Magdalenefjord

Fotografia | 12. Junho, 2010 em 7:42

Pequenos Icebergues desprenderam-se e vieram parar a Magdalenefjord em Svalbard. Este é um destino bastante popular para os passageiros dos navios de cruzeiro que visitam a região.

Navio de pesca localizado no Oceano Árctico

Fotografia | 12. Junho, 2010 em 7:32

O Navio Krasnoselsk, com bendeira da Rússia, foi localizado nas coordenadas 79o10.0'N 008o34.0' Este navio está registado como pertencente à empresa COMSERV-FISH. Provavelmente está à procura de bacalhau ou arinca.

Navio avistado a praticar a pesca de arrasto

Fotografia | 12. Junho, 2010 em 7:11

O Navio Martha Arendsee, com bandeira da Rússia, foi avistado pela tripulação do Esperanza a praticar a pesca de arrasto nas águas do Oceano Árctico, nas coordenadas 79o24.4' N 008o24.9' E.

Navio da Greenpeace inicia expedição para documentar operações de pesca no Oceano Árctico

Artigo | 10. Junho, 2010 em 20:17

O navio da Greenpeace, Esperanza, inicia hoje uma expedição de documentação nas águas do Oceano Árctico, a norte de Svalbard, como parte da expedição “Árctico sob pressão”. A organização alerta que as alterações climáticas estão a permitir que...

Investigador regista informações da analise de amostras de água

Fotografia | 6. Junho, 2010 em 7:11

Um investigador do Plymouth Marine Lab regista informações recolhidas durante a analise de amostras de água expostas a elevados níveis de CO2. O aumento do nível de CO2 na atmosfera terrestre está a causar alterações à composição bioquímica da...

Activistas da Greenpeace bloquearam a entrada do Pingo Doce do Cais do Sodré em Lisboa

Artigo | 26. Maio, 2010 em 20:33

Portugal — Activistas da Greenpeace bloquearam a entrada do Pingo Doce do Cais do Sodré, em Lisboa, com mensagem “Pingo Doce esgota os oceanos de Janeiro a Janeiro”. A acção serviu para mobilizar os milhares de consumidores que passam no local a...

11 - 20 de 318 resultados.