Pesca de arrasto

Um tripulante do navio da Greenpeace "Esperanza" segura um caranguejo aranha gigante, morto acidentalmente devido à pesca de arrasto. A Greenpeace exige uma moratória das nações unidas contra a pesca de arrasto no mar alto.

Florestas ancestrais em perigo... mesmo nas profundezas do oceano. Os biólogos estimam que entre 500.000 e 5.000.000 espécies marinhas estejam ainda por descobrir. Mas muitas dessas espécies encontram-se em grave risco, devido à prática de pesca mais destrutiva do mundo – a pesca de arrasto – Esta é verdadeiramente a última natureza selvagem que resta por descobrir no planeta.

Montanhas submarinas

O leito profundo do mar tem montanhas, chamadas montanhas submarinas. Elas elevam-se a pelo menos 1.000 metros acima do leito do mar em torno. Surpreendentemente, a maior cordilheira da Terra encontra-se não em terra, mas sob o mar – o sistema da crista Média-Oceânica, que serpenteia em torno do globo, do Oceano Ártico ao Atlântico, é quatro vezes mais longo que os Andes, as Montanhas Rochosas e os Himalaias juntos!

As montanhas submarinas são áreas de uma riqueza única em biodiversidade.   Pense em florestas coloridas associadas a corais de águas frias, penas-do-mar, esponjas e gorgónias moles, aranhas-do-mar e crustáceos parecidos com lagostas. Muitas espécies que habitam nas florestas submarinas não se encontram em mais nenhum local, e acredita-se que algumas estão restritas a apenas uma ou duas montanhas submarinas!

Ameaça Número 1: Pesca de arrasto

Activistas do Greenpeace penduram um banner no "Playa de Menduina", como forma de protesto contra a destruição causada pela pesca de arrastão.

Infelizmente, a indústria de pesca comercial tomou conhecimento das ricas opções existentes nas águas profundas. A indústria estendeu as suas insustentáveis práticas de pesca às águas profundas e às montanhas submarinas anteriormente inexploradas, usando uma técnica chamada pesca de arrasto.

A pesca de arrasto consiste no arrastamento de gigantescas redes lastradas, ao longo do fundo do mar. Grandes placas metálicas e rodas de borracha presas a essas redes movem-se ao longo do fundo e esmagam praticamente tudo no seu caminho. Todas as provas demonstram que as formas de vida de águas profundas são muito lentas na recuperação de tais danos, demorando de dezenas a centenas de anos a conseguir fazê-lo – se é que o conseguem.

Se lhes for permitido que continuem, os arrastões de alto-mar vão destruir as espécies de águas profundas antes de sequer termos descoberto muitas das que aí existem. Podem imaginar o seu funcionamento como guiar uma gigantesca máquina de terraplanagem através de uma floresta inexplorada, luxuriante e amplamente habitada, que depois se torna num deserto plano e monótono. É como fazermos explodir Marte antes de lá chegarmos.

Novidades

 

Bacalhau à venda num mercado de peixe

Fotografia | 15. Março, 1995 em 0:00

Esta espécie está sobreexplorada em muitas partes do mundo.

Greenpeace observa o navio a despejar resíduos nucleares no mar

Fotografia | 17. Outubro, 1993 em 23:00

Greenpeace observa o navio Russo TNT27 a despejar resíduos nucleares no mar.

Arrastão pesca nas águas internacionais dos Grandes Bancos

Fotografia | 5. Setembro, 1990 em 0:00

Navios fábrica esvaziaram sistematicamente os Grandes Bancos de bacalhau. Os stocks nunca chegaram a recuperar desde 1992, altura em que a pesca foi proibida da secção canadiana desta região. No entanto os arrastões continuam a pescar bacalhau...

Tartaruga capturada acidentalmente

Fotografia | 31. Dezembro, 1988 em 23:00

Tartaruga capturada acidentalmente por um barco de pesca Espanhol.

Tirem as mãos da Antárctida

Fotografia | 31. Dezembro, 1988 em 23:00

Em 2008 celebra-se o 10º aniversário do protocolo de Madrid sobre o Oceano Antárctico, uma importante vitória na protecção do meio ambiente. A Greenpeace trabalhou nesta questão durante mais de 15 anos e conseguiu anular a decisão de permitir a...

Evacuação dos habitantes da ilha de "Rongelap"

Fotografia | 30. Abril, 1985 em 23:00

Evacuação dos habitantes da ilha de "Rongelap" para "Mejato" pela tripulação do Rainbow Warrior. Rongelap foi contaminado pela chuva radioactiva dos testes nucleares dos EUA no Oceano Pacífico.

Tripulação do Phyllis Cormack na primeira viagem à ilha de Amchitka

Fotografia | 31. Agosto, 1971 em 23:00

Tripulação do Phyllis Cormack na primeira viagem à ilha de Amchitka, para protestar contra os testes nucleares dos EUA.

Dave Birmingham iça a vela no Phyllis Cormack

Fotografia | 31. Agosto, 1971 em 23:00

Dave Birmingham iça a vela no Phyllis Cormack.

311 - 318 de 318 resultados.