Pesca de arrasto

Um tripulante do navio da Greenpeace "Esperanza" segura um caranguejo aranha gigante, morto acidentalmente devido à pesca de arrasto. A Greenpeace exige uma moratória das nações unidas contra a pesca de arrasto no mar alto.

Florestas ancestrais em perigo... mesmo nas profundezas do oceano. Os biólogos estimam que entre 500.000 e 5.000.000 espécies marinhas estejam ainda por descobrir. Mas muitas dessas espécies encontram-se em grave risco, devido à prática de pesca mais destrutiva do mundo – a pesca de arrasto – Esta é verdadeiramente a última natureza selvagem que resta por descobrir no planeta.

Montanhas submarinas

O leito profundo do mar tem montanhas, chamadas montanhas submarinas. Elas elevam-se a pelo menos 1.000 metros acima do leito do mar em torno. Surpreendentemente, a maior cordilheira da Terra encontra-se não em terra, mas sob o mar – o sistema da crista Média-Oceânica, que serpenteia em torno do globo, do Oceano Ártico ao Atlântico, é quatro vezes mais longo que os Andes, as Montanhas Rochosas e os Himalaias juntos!

As montanhas submarinas são áreas de uma riqueza única em biodiversidade.   Pense em florestas coloridas associadas a corais de águas frias, penas-do-mar, esponjas e gorgónias moles, aranhas-do-mar e crustáceos parecidos com lagostas. Muitas espécies que habitam nas florestas submarinas não se encontram em mais nenhum local, e acredita-se que algumas estão restritas a apenas uma ou duas montanhas submarinas!

Ameaça Número 1: Pesca de arrasto

Activistas do Greenpeace penduram um banner no "Playa de Menduina", como forma de protesto contra a destruição causada pela pesca de arrastão.

Infelizmente, a indústria de pesca comercial tomou conhecimento das ricas opções existentes nas águas profundas. A indústria estendeu as suas insustentáveis práticas de pesca às águas profundas e às montanhas submarinas anteriormente inexploradas, usando uma técnica chamada pesca de arrasto.

A pesca de arrasto consiste no arrastamento de gigantescas redes lastradas, ao longo do fundo do mar. Grandes placas metálicas e rodas de borracha presas a essas redes movem-se ao longo do fundo e esmagam praticamente tudo no seu caminho. Todas as provas demonstram que as formas de vida de águas profundas são muito lentas na recuperação de tais danos, demorando de dezenas a centenas de anos a conseguir fazê-lo – se é que o conseguem.

Se lhes for permitido que continuem, os arrastões de alto-mar vão destruir as espécies de águas profundas antes de sequer termos descoberto muitas das que aí existem. Podem imaginar o seu funcionamento como guiar uma gigantesca máquina de terraplanagem através de uma floresta inexplorada, luxuriante e amplamente habitada, que depois se torna num deserto plano e monótono. É como fazermos explodir Marte antes de lá chegarmos.

Novidades

 

Portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita da Europa

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:55

Os portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita na Europa.

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:52

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo.

Em poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:49

A este ritmo dentro de poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas.

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:46

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral.

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:43

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas.

Milhares de toneladas de coral são devolvidas ao mar já sem vida

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:39

Para comercializar algumas espécies que habitam os mares profundos, milhares de toneladas de coral são capturadas acidentalmente e devolvidas ao mar já sem vida.

Destruir uma floresta para caçar alguns coelhos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:36

A pesca de arrasto é tão pouco selectiva que tem sido comparada a destruir uma floresta para caçar alguns coelhos.

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:33

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos. Estas estruturas vivas podem atingir 35 metros de altura.

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:30

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas.

Identificadas 898 espécies numa área equivalente a metade de um campo de ténis

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:26

Um estudo nas profundezas dos oceanos conseguiu identificar 898 espécies provenientes de mais de 100 famílias numa área equivalente a metade de um campo de ténis

71 - 80 de 318 resultados.