Reservas marinhas

A reserva marinha da Ilha de Apo é um dos melhores exemplos de protecção das espécies marinhas nas Filipinas. Está comprovado que as reservas marinhas são uma excelente medida para proteger as espécies em vias de extinção e restaurar o equilíbrio aos ecossistemas.

Existe um crescente volume de provas científicas que demonstram que o estabelecimento de redes de reservas marinhas em larga escala, necessárias urgentemente para proteger as espécies marinhas e os seus habitats, poderia ser a solução para inverter o declínio das pescas em todo o mundo.

As reservas marinhas podem beneficiar as reservas de pesca adjacentes tanto pelo “excedente” de peixe adulto e juvenil que ultrapassaria as fronteiras da reserva, como pela exportação de ovos e larvas. Dentro das reservas, as populações aumentariam de tamanho e os espécimes viveriam mais tempo, cresceriam mais e desenvolveriam um maior potencial reprodutor.

As reservas marinhas podem mesmo vir a beneficiar as espécies altamente migratórias, como os tubarões, o atum e o espadarte, se forem criadas em locais onde essas espécies são actualmente bastante vulneráveis, como os locais de criação, de desova ou de agrupamento, como as montanhas submarinas.

As reservas marinhas em larga escala seriam áreas fechadas a todos os fins extractivos, como a pesca ou a exploração mineira, e também às actividades de eliminação. No interior dessas áreas poderiam existir zonas centrais onde não seriam permitidas actividades humanas, por exemplo áreas que actuassem como zonas de referência científica ou áreas onde existissem habitats ou espécies especialmente sensíveis.

Algumas áreas dentro da zona costeira poderiam estar abertas à pesca não destrutiva e de pequena escala, desde que sustentável dentro dos limites ecológicos, e estabelecidas com recurso à participação total das comunidades locais afectadas.

As Reservas Marinhas (RMs) não se limitariam a tratar da sobrepesca – embora uma das principais razões para a criação das RMs seja a preservação das populações de peixe. São cada vez mais vistas como um instrumento global essencial para proteger o ambiente marinho, inclusive relativamente à poluição – provocada em especial pela eliminação de resíduos (resíduos radioactivos, munições e dióxido de carbono).

Novidades

 

Portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita da Europa

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:55

Os portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita na Europa.

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:52

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo.

Em poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:49

A este ritmo dentro de poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas.

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:46

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral.

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:43

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas.

Milhares de toneladas de coral são devolvidas ao mar já sem vida

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:39

Para comercializar algumas espécies que habitam os mares profundos, milhares de toneladas de coral são capturadas acidentalmente e devolvidas ao mar já sem vida.

Destruir uma floresta para caçar alguns coelhos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:36

A pesca de arrasto é tão pouco selectiva que tem sido comparada a destruir uma floresta para caçar alguns coelhos.

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:33

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos. Estas estruturas vivas podem atingir 35 metros de altura.

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:30

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas.

Identificadas 898 espécies numa área equivalente a metade de um campo de ténis

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:26

Um estudo nas profundezas dos oceanos conseguiu identificar 898 espécies provenientes de mais de 100 famílias numa área equivalente a metade de um campo de ténis

71 - 80 de 318 resultados.