Sobrepesca

Um atum-albacora a ser cortado. Segundo os especialistas, o atum-rabilho e o atum-patudo podem ficar comercialmente extintos num prazo de 3 a 5 anos se a sua pesca não for controlada.

Muitos ecologistas marinhos acreditam que, actualmente, a maior ameaça individual para os ecossistemas marinhos é a sobrepesca. O nosso apetite por peixe está a ultrapassar os limites ecológicos dos oceanos, com impactos devastadores para os ecossistemas marítimos. Os cientistas têm avisado que a sobrepesca resulta em alterações profundas nos nossos oceanos, modificando-os talvez para sempre. Sem mencionar as nossas receitas culinárias, que no futuro poderão apenas apresentar o peixe e batatas como uma iguaria rara e dispendiosa.

O peixe não tem hipóteses

Na maioria dos casos, é dado acesso aos recursos piscícolas à indústria pesqueira sem que impacto dessa pesca possa ser avaliado, sendo os regulamentos da actividade, de qualquer forma, penosamente desajustados.

A realidade da pesca moderna é o facto de a indústria ser dominada por embarcações de pesca que excedem largamente a capacidade da natureza em repor o peixe. Os navios gigantes, que usam sonares de ponta na busca de peixe, podem localizar cardumes com precisão, de modo rápido e exacto. Os navios estão transformados em gigantescas fábricas flutuantes – com instalações de processamento e embalagem do peixe, enormes sistemas de congelamento e poderosos motores para arrastar os enormes aparelhos de pesca pelo fundo do oceano. Em resumo: o peixe não tem hipóteses.

Exame à saúde da vida nos oceanos

Está na hora de parar com a sobreexploração dos oceanos. Os "cabeças de bacalhau" protestam no Palácio Real da Noruega e exigem o fim da pesca excessiva.

As populações de predadores de topo, indicador chave da saúde dos ecossistemas, estão a desaparecer a um ritmo assustador, e 90 por cento dos peixes de grande dimensão que muitos de nós adoramos comer, caso do atum, do peixe-espada, do espadarte, do bacalhau, do halibute, da raia e da solha - foram dizimados desde que a pesca industrial de grande escala se iniciou nos anos 50. O desaparecimento dessas espécies de predadores de topo pode provocar alterações em ecossistemas de oceanos interiores, onde o peixe com valor comercial pode vir a ser substituído por peixes mais pequenos e que se alimentem de plâncton. Este século pode mesmo vir a assistir à substituição do peixe consumido pelos humanos por grandes cardumes de medusas.

Estas alterações colocam em risco a estrutura e o funcionamento dos ecossistemas marinhos, e ameaçam desse modo o sustento dos que dependem dos oceanos, tanto actualmente como no futuro.

Colapso das pescas

Cerca de 200 activistas da Greenpeace de 14 países da Europa bloquearam as sete entradas para o edifício do Conselho Europeu. A acção decorreu enquanto os ministros das pescas da União Europeia se reuniam para definir quotas de pesca.

A sobreexploração e a má gestão da pesca já levaram a alguns colapsos de pescas impressionantes. A pesca do bacalhau ao largo da Terra Nova, Canadá entrou em colapso em 1992, levando à perda de cerca de 40.000 empregos na indústria. As populações de bacalhau no Mar do Norte e no Mar Báltico estão a evoluir no mesmo sentido e estão próximas da quebra total.

Em vez de tentar encontrar uma solução a longo prazo para esses problemas, a indústria da pesca volta agora os olhos na direcção do Pacífico – mas essa não é a resposta. Os políticos continuam a ignorar os avisos dos cientistas sobre o modo como os recursos piscícolas continuam a ser geridos e a necessidade de a pesca das espécies ameaçadas ser feita de modo sustentável.

 

 

Novidades

 

Portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita da Europa

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:55

Os portugueses são os maiores consumidores de peixe per capita na Europa.

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:52

Portugal é o 8º país mais activo na pesca em alto mar no mundo.

Em poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:49

A este ritmo dentro de poucas décadas todas as áreas vulneráveis do fundo do mar terão sido arrasadas.

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:46

Numa só viagem um arrastão pode destruir um ecossistema ancestral.

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:43

As profundezas dos oceanos são particularmente sensíveis a perturbações externas.

Milhares de toneladas de coral são devolvidas ao mar já sem vida

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:39

Para comercializar algumas espécies que habitam os mares profundos, milhares de toneladas de coral são capturadas acidentalmente e devolvidas ao mar já sem vida.

Destruir uma floresta para caçar alguns coelhos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:36

A pesca de arrasto é tão pouco selectiva que tem sido comparada a destruir uma floresta para caçar alguns coelhos.

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:33

Existem corais no fundo do oceano que têm entre 5500 e 8500 anos. Estas estruturas vivas podem atingir 35 metros de altura.

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:30

Dois terços de todas as espécies de corais conhecidas vivem em águas profundas.

Identificadas 898 espécies numa área equivalente a metade de um campo de ténis

Fotografia | 14. Outubro, 2009 em 9:26

Um estudo nas profundezas dos oceanos conseguiu identificar 898 espécies provenientes de mais de 100 famílias numa área equivalente a metade de um campo de ténis

71 - 80 de 318 resultados.