Estudo da Greenpeace revela como os supermercados estão hoje a “vender o seu peixe”

Retalhistas portugueses implementam políticas sustentáveis para proteger a vida e ecossistemas marinhos

Comunicado de imprensa - 6. Maio, 2010
A organização ambientalista Greenpeace publicou hoje um novo relatório - Uma Receita para a Biodiversidade (1) - que analisa as políticas de compra de pescado dos principais retalhistas em Portugal. O estudo revela que, em 2010 Ano Internacional da Biodiversidade, vários supermercados portugueses estão já a trabalhar para oferecer uma gama de pescado mais amiga dos oceanos. A Greenpeace lança também uma “Rádio Vermelha” através da qual os consumidores podem enviar mensagens aos retalhistas.

Em 2008, a Greenpeace chumbou todos os supermercados portugueses por nenhum possuir ou disponibilizar uma política de compra e venda de peixe (2). Dois anos depois, com o alerta para o colapso das reservas de peixe a ecoar pelo mundo, o conceito de sustentabilidade já está a ser adoptado por alguns retalhistas em Portugal, com quatro dos seis retalhistas a desenvolverem uma política de pescado responsável.

No Terceiro Ranking dos Supermercados da Greenpeace (3) o Lidl mantém a liderança da tabela e está já muito próximo do verde, por ter dado passos concretos e seguros no sentido de excluir o pescado mais insustentável e favorecer as melhores práticas de pesca. A Sonae é o segundo retalhista a demonstrar maior progresso e encontra-se hoje a laranja, seguida de perto pela Auchan. Os dois grupos já desenvolveram uma política para melhorar a sustentabilidade da sua gama de pescado e continuam a trabalhar para melhorar as suas práticas. 

Já as distribuidoras detentoras das marcas Intermarché e Minipreço continuam claramente a vermelho com poucos progressos a reportar. No fundo da tabela estão os supermercados Pingo Doce e Feira Nova, com o grupo Jerónimo Martins a insistir em não entrar em diálogo com a organização e responder ao pedido de milhares de consumidores para que contribua efectivamente para a preservação da vida dos oceanos.

A transparência no sector de retalho tem também vindo a melhorar e há cada vez mais informação veiculada ao público sobre os produtos de pesca à venda. Com a taxa de consumo de peixe a crescer a um ritmo superior ao da taxa de população, é urgente travar o desparecimento rápido dos recursos marinhos do planeta.

“Na ânsia de capturar mais peixe em menos tempo, a pesca industrial está a provocar o esgotamento sucessivo das reservas de peixe mundiais e a devastar os nossos oceanos,” alerta Lanka Horstink, coordenadora da campanha de oceanos da Greenpeace em Portugal. “Grande parte da vida dos oceanos está a desaparecer mesmo antes de a conhecermos. A biodiversidade é crucial para a existência de ecossistemas saudáveis, dos quais todos dependemos para sobreviver.”

A indiferença da indústria de pesca e resposta lenta dos governos mundiais à crise que os oceanos enfrentam leva um número crescente de cidadãos e consumidores a exigir aos supermercados que assumam a liderança na preservação dos recursos marinhos. Actualmente, já vários retalhistas a nível internacional aceitaram esse desafio, retirando as espécies de peixe mais ameaçadas, recusando peixe ilegal e peixe proveniente dos métodos de pesca mais destrutivos e oferecendo alternativas mais amigas dos oceanos (4).

“Face ao triângulo de ferro formado pela indústria da pesca, políticos e burocratas, a Greenpeace virou-se para outro jogador forte: os retalhistas. As grandes superfícies vendem 70% do peixe no mercado e a sua influência é inegável.” explica Lanka Horstink. “Com menos de 1% dos oceanos protegidos, é fundamental que os supermercados assumam um papel activo na preservação da biodiversidade marinha, promovendo as práticas de pesca mais sustentáveis e evitando as piores.”

Greenpeace lança Rádio Vermelha para Peixe Sustentável

- http://www.greenpeace.org/portugal/participa/ranking3

A Greenpeace lança hoje também uma rádio encorajando os consumidores a libertar a sua criatividade e enviar mensagens aos retalhistas que se encontram em último lugar do ranking. Durante este mês de Maio, os activistas da organização vão realizar diversas actividades junto dos supermercados pior classificados, lançando o apelo para que sigam o exemplo das cadeias de distribuição alimentar mais progressivas.

Video promocional Descobre aqui as cores do teu supermercado!:

- http://www.greenpeace.pt

Notas ao editor:


(1) O estudo da Greenpeace Uma Receita para a Biodiversidade - Supermercados: ingredientes para preservar a vida dos oceanos está disponível aqui: www.greenpeace.org/assets/binaries/ranking3.pdf

(2) Em 2008, a Greenpeace publicou o primeiro relatório que analisa as práticas de venda dos principais retalhistas em Portugal. Uma Receita para o Desastre. O apetite insaciável dos supermercados por peixe está disponível aqui: www.greenpeace.org/portugal/ranking/download 

(3) Classificações do Terceiro Ranking de Retalhistas da Greenpeace, disponíveis em: www.greenpeace.pt/ranking3

Lidl..... 60%
Modelo e Continente (Sonae)........40%
Jumbo e Pão de Açúcar (Auchan)...... 28%
Minipreço (Dia)...... 11%
Intermarché (Os Mosqueteiros)..... 6%
Pingo Doce e Feira Nova (Jerónimo Martins)...... 5%


O Ranking da Greenpeace analisa as práticas de compra e venda de peixe dos retalhistas segundo sete grupos de critérios de sustentabilidade. Os supermercados são classificados com uma percentagem de cumprimento com estes critérios, desenvolvidos a partir das recomendações da Greenpeace para pesca e aquacultura sustentáveis e para comercialização de pescado, publicadas no seu site internacional.

(4) O que a Greenpeace pede aos supermercados:
Adoptar uma política de compra de peixe sustentável, numa visão de ecossistema
Reconhecer o seu papel na preservação dos oceanos e reservas de peixe
Retirar as espécies mais vulneráveis ou provenientes de pescas destrutivas
Melhorar significativamente a informação disponível sobre o peixe à venda


Para mais informações, fotografias ou video, contactar:

Lanka Horstink, coordenadora da campanha dos Oceanos da Greenpeace em Portugal, +351 91 0631664
Lara Teunissen, coordenadora de comunicação  da Greenpeace Internacional em Portugal, +351 91 7216829 / +31 646162042,       

Fotografias das actividades em frente aos supermercados serão publicadas em breve.   

Tópicos
Etiquetas