Guerreiro Verde

A vida de um português ao serviço da Greenpeace

Artigo - 20. Outubro, 2011
Manuel Pinto nasceu no Porto há 45 anos, cresceu no Luxemburgo e cedo descobriu o gosto pelas viagens. Tornou-se punk, trabalhou em fábricas e em armazéns de armamento, mas foi quando entrou na Greenpeace que a vida mudou.

Ao longo deste livro, Manuel Pinto vai descrevendo com  entusiasmo militante as numerosas actuações da Greenpeace em que esteve envolvido. Começou por ajudar na manutenção dos barcos da organização e chegou a responsável internacional pela coordenação da frota. Foi agredido e preso, esteve nos protestos contra os ensaios nucleares em Muroroa, combateu os alimentos transgénicos em Lisboa e passou três anos entre índios e perigosos madeireiros na selva amazónica.

Na sua primeira missão em Portugal, com o apoio da Quercus, tentou impedir a descarga de trinta mil toneladas de milho transgénico oriundo do Brasil com destino a Lisboa.

Hoje trabalha principalmente a partir da sede da organização em Amesterdão, acompanhando à distância todos os protestos da maior organização ecologista do mundo. Uma vida em português na defesa da Terra.

Filipe Garcia, jornalista e autor do livro conta-nos a história aventurosa de Manuel Pinto e, através dele, da própria Greenpeace. O livro, publicado em português pela editora Livros d'Hoje, estará à venda em Livrarias.

Tópicos
Etiquetas