Enquanto você lê estas linhas, nosso navio Esperanza ruma de volta para o recife amazônico, na costa norte do Brasil. As primeiras imagens desse ecossistema único foram tiradas no ano passado e ainda não revelaram todos os seus segredos

Esperanza, um dos três navios do Greenpeace, na região da foz do rio Amazonas, no Amapá

 

Infelizmente, os Corais da Amazônia já está ameaçado por planos de perfuração de petróleo, especialmente pela empresa francesa Total. Com o seu apoio, conseguimos manter a ameaça sob controle até o momento. Mas parece que a Total ainda não se convenceu a desistir dos seus planos. Bem, adivinhe, nem nós a deixar de defender esse tesouro natural…

Estamos prontos!

O Esperanza saiu do porto de Bordeaux, na França, há duas semanas, carregado de equipamentos para uma exploração científica, até o porto de Belém. Neste vídeo que fizemos, quando o barco estava no cais, falamos sobre as preparações desta nova expedição e as razões pelas quais estamos voltando para o recife.

Seu apoio tem mantido a Total longe dos Corais

Em agosto de 2017, o Ibama decidiu não conceder à Total a licença necessária para perfurar próximo ao recife. Graças aos dados que coletamos durante a primeira expedição, pudemos fornecer ao Ibama um estudo científico provando que a Total havia subestimado o risco de vazamentos de óleo.

Alguns meses depois, as autoridades brasileiras cancelaram a rodada de licitações de 2018 para os blocos de petróleo próximos ao recife de corais. Ou seja, desistiu de vende-los para as petrolíferas.

Mais de 1,8 milhão de pessoas em todo o mundo já assinaram nossa petição para salvar os Corais da Amazônia. Sem dúvida, esse apoio desempenhou um papel fundamental nas decisões das autoridades brasileiras! Tanto, que a BHP, uma mineradora australiana que já havia pago 30 milhões para explorar a região, devolveu os blocos e desistiu dos planos em função da pressão.

Dia Mundial dos Corais da Amazônia no Rio de Janeiro

 

…Mas o Total está voltando!

Mas a francesa Total ainda não pensa em desistir. Ao contrário, eles acabam de apresentar ao Ibama um novo pedido de licença ambiental, após seu pedido já ter sido recusado por três vezes.

Nesta nova tentativa, o Ibama pode divulgar sua decisão a qualquer momento. Precisamos que você nos ajude a vencer esta corrida contra o relógio!

Ativistas realizam protesto contra derramamento de óleo na sede da Total, em Paris, em defesa dos Corais da Amazônia

 

É hora da Ciência, não da exploração de petróleo

No ano passado, a tripulação do Esperanza fez as primeiras imagens dos Corais da Amazônia, mostrando a riqueza de vida que há lá embaixo. Este ecossistema é um mistério para os cientistas: onde o rio Amazonas se encontra com o Oceano Atlântico as águas estão cheias de lama e sedimentos, dificultando a chegada da luz solar às profundezas.

Ninguém pensou que um recife de coral pudesse existir nessas águas. Mas é enorme e repleto de vida!

Estamos voltando aos Corais da Amazônia para explorar seus segredos. Usaremos um veículo operado remotamente (ROV) para realizar as operações de mergulho e poderemos analisar as amostras coletadas em nosso laboratório a bordo.

A descoberta de rodolitos, algas calcárias que realizam quimiossíntese em função da pouca luz que chega ao leito marinho

 

E pode esperar mais algumas surpresas...

Vamos mantê-lo atualizado em nossa expedição. Enquanto isso, continue apoiando nossa campanha para defender os Corais da Amazônia: se você ainda não assinou nossa petição e a compartilhou com seus amigos e familiares, faça isso agora.

ASSINE A PETIÇÃO