O navio do Greenpeace foi o destino final da Marcha pelo Clima, no Rio de Janeiro.

Grupo que participou da Marcha pelo Clima, no Rio de Janeiro, visita o Rainbow Warrior. (Foto: ©Bárbara Veiga/Greenpeace)

O Rainbow Warrior, que está atracado no Pier Mauá para a visitação do público, foi o destino final da Marcha pelo Clima realizada neste sábado (29), como parte da grande marcha global em protesto contra os 100 dias de governo do presidente americano Donald Trump, que vem se mostrado um forte defensor dos combustíveis fósseis que causam o aquecimento global.

Representantes de cerca de 80 organizações realizaram uma marcha simbólica, em torno do Museu do Amanhã, na Praça Mauá. “Precisamos ‘mudar o clima’ para combater as mudanças climáticas. Combater o pessimismo e demonstrar resistência e união”, afirma a coordenadora do Centro Brasil no Brasil, Renata Moraes. Os ativistas encerraram o protesto com a visita ao Rainbow Warrior, que também exibe uma exposição de diversas imagens das campanhas pelo clima realizadas pelo Greenpeace ao longo dos seus últimos 25 anos.

Ativista da Marcha pelo Clima, que visitou o Rainbow Warrior (Foto: ©Bárbara Veiga/ Greenpeace)

Grande promotor - e consumidor - da energia eólica, com suas velas de 50 metros de altura que equivalem a um prédio de 15 andares, o nosso Guerreiro do Arco-Íris é um forte defensor das energias limpas. Em 2016, realizou uma longa campanha pelo Mediterrâneo para promover a energia solar nos países árabes. “Dois milhões e meio de pessoas estão passando fome na África em função das mudanças do clima. Isso não é um problema do futuro, é algo que precisamos enfrentar agora”, afirmou o capitão Pete Wilcox, ao receber o primeiro grupo de visitantes no navio.

Mulheres que participaram da Marcha do Clima trazem ao Rainbow Warrior seus cartazes em inglês com os dizeres: "Mulheres se erguem, mulheres constróem, mulheres resistem".(Foto: ©Bárbara Veiga/ Greenpeace)

 Além de promover as energias renováveis, o barco dá sua contribuição por meio de suas velas. Graças a elas, é possível percorrer grandes distâncias oceânicas usando apenas a energia dos ventos. “Na vinda de Montevideo para o Rio de Janeiro, poupamos 60% do combustível que seria necessário se usássemos só o motor”, contou o capitão.

Ícone, do aquecimento global, o urso polar também apareceu no Rainbow Warrior para engajar as pessoas sobre os perigos das mudanças climáticas (Foto: ©Bárbara Veiga/Greenpeace)