Companhias globais anunciam apoio ao desmatamento zero no Cerrado

Adicionar comentário
Notícia - 25 - out - 2017
Walmart, Unilever, Nestlé, McDonald's e Carrefour, entre outras, declararam apoiar o Manifesto do Cerrado, lançado por organizações ambientalistas

Vista aérea do município de Balsas, Maranhão, na região do MATOPIBA.

 

Nesta quarta-feira, 23 companhias globais - entre elas Walmart, Unilever, Nestlé, McDonald's e Carrefour - anunciaram apoio ao Manifesto do Cerrado, lançado em setembro por mais de 40 organizações ambientalistas, entre elas o Greenpeace. Em carta conjunta, as empresas declaram que “apoiam os objetivos definidos no Manifesto do Cerrado e comprometem-se trabalhar com as partes interessadas locais e internacionais para cessar o  desmatamento e a perda de vegetação no Cerrado”.  

Na avaliação de Cristiane Mazzetti, da campanha de florestas do Greenpeace Brasil, as empresas deram um importante passo ao apoiar o pleito da sociedade civil expresso no Manifesto. "Trata-se de uma clara sinalização que essas empresas dão ao seus fornecedores de que o mercado não aceitará mais produtos com origem no desmatamento, seja na Amazônia ou no Cerrado. Esperamos que o próximo passo seja o anúncio de políticas concretas de compra alinhadas com o critério do desmatamento zero no Cerrado", comenta.

Em apenas dois anos, entre 2013 e 2015, o Brasil destruiu 18.962 km² de Cerrado. A situação é tão séria que, por mais de dez anos, as taxas de desmatamento no Cerrado superaram as da Amazônia, tornando esse ecossistema um dos mais ameaçados do planeta.

O simples cumprimento da legislação não garantirá a proteção do Cerrado, já que cerca de 40 milhões de hectares ainda podem ser legalmente desmatados. Considerando que a principal causa da destruição do bioma é a expansão do agronegócio sobre a vegetação nativa, é fundamental o compromisso das empresas que compram soja e gado produzidos no Cerrado com o fim do desmatamento.

Para Tiago Reis, pesquisador de políticas ambientais do IPAM, retirar a cobertura vegetal coloca em risco o equilíbrio do sistema e afeta diretamente todos os biomas interligados, como a Amazônia e a caatinga. “Além disso, esse desmatamento ameaça o equilíbrio ambiental que garante a produção agrícola no Brasil, uma vez que a perda de vegetação nativa do Cerrado compromete a formação de chuvas por evapotranspiração”, explica Reis. 

Edegar Rosa, coordenador do programa Agricultura e Alimentos do WWF-Brasil, reforça a importância do Cerrado para a regulação climática e hídrica, além de ser a savana com maior biodiversidade do planeta. “Partindo de referências de sucesso na Amazônia, um maior compromisso da iniciativa privada será chave para a proteção do bioma”, explica.

No manifesto lançado em setembro, as organizações também cobram que o governo cumpra os compromissos internacionais assumidos no Acordo de Paris, crie áreas protegidas e garanta o direito à terra para comunidades tradicionais, povos indígenas e pequenos agricultores.

Tópicos
Nenhum comentário encontrado. Adicionar comentário

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.