Retrocessos ambientais de Temer podem comprometer meta climática do Brasil

3 comentários
Notícia - 10 - jul - 2018
Barganhas políticas entre governo e ruralistas estimulam o desmatamento e colocam em risco o compromisso do país com a redução de emissões

“Em troca de apoio político, o governo brasileiro está sinalizando aos proprietários de terras que aumentem o desmatamento, colocando em risco a contribuição do país para o Acordo de Paris”. Essa é a principal conclusão do estudo conduzido por Roberto Schaeffer, Alexandre Szklo e outros cientistas brasileiros, publicado na Nature Climate Change esta semana.

Temer durante cerimônia de lançamento do Plano Agro+. Foto: Beto Barata/PR

Flexibilização do licenciamento ambiental no Brasil, retirada de direitos indígenas e quilombolas, projeto de lei para a liberação de ainda mais veneno no prato do brasileiro e diminuição de áreas de conservação na Amazônia são alguns exemplos de políticas que podem ter impacto direto nas mudanças climáticas.

Para os cientistas, políticas de proteção da floresta e de seus povos originários são essenciais para que o Brasil cumpra acordos de redução de emissões firmados internacionalmente. A contribuição brasileira ao Acordo de Paris não será alcançada com políticas regressivas como as que esse governo e seus aliados ruralistas no Congresso têm se prestado a colocar em pauta.

No estudo foram utilizados modelos de avaliação integrados (MAIs) para explorar cenários de emissão de carbono especificamente projetados para o Brasil. No cenário mais provável, outros setores da economia teriam de pagar a conta para compensar o carbono emitido na área florestal: seria preciso desembolsar cerca de US$ 2 trilhões para aplicar tecnologias - ainda imaturas ou não testadas - para zerar suas emissões.

O vídeo abaixo mostra a evolução do desmatamento até 2050 no pior cenário.

(Crédito: Observatório do Clima)


O estudo enfatiza a importância de alternativas para o uso de combustíveis fósseis no transporte para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do Brasil. Carros elétricos, principalmente, e biocombustíveis devem ser alternativas para o futuro. Mesmo assim, essas opções não serão suficientes se não houver a contenção do desmatamento e regras para uma agropecuária mais sustentável para o planeta e saudável para as pessoas.

As políticas de proteção e direitos estão sendo desmontadas nesse governo possuem consequências negativas na qualidade de vida e no futuro das próximas gerações. Secas frequentes com quebra de safras, inundações e aumento do nível do mar em cidades costeiras são o desdobramento da destruição das florestas brasileiras e dos povos que a habitam. O que acontece no Congresso e no governo para beneficiar um pequeno grupo do agronegócio possui consequências que podem ser irreversíveis para o planeta e para todos nós.

Confira aqui o artigo completo em inglês.

3 Comentários Adicionar comentário

J.J.Alencar says:

Em 1970 éramos 90 milhões de brasileiros, em 2018 somos 209 milhões de brasileiros; quando teremos uma politica de natalidade reduzida ...

Enviado 12 - jul - 2018 às 11:32 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

J.J.Alencar says:

Em 1970 éramos 90 milhões de brasileiros, em 2018 somos 209 milhões de brasileiros; quando teremos uma politica de natalidade reduzida ...

Enviado 12 - jul - 2018 às 11:32 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

J.J.Alencar says:

Em 1970 éramos 90 milhões de brasileiros, em 2018 somos 209 milhões de brasileiros; quando teremos uma politica de natalidade reduzida ...

Enviado 12 - jul - 2018 às 11:32 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

1 - 3 de 3 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.