BNDES banca calhambeque atômico

8 comentários
Notícia - 24 - abr - 2011
Greenpeace simula acidente nuclear na sede do banco no Rio de Janeiro e cobra a suspensão do investimento em Angra III para garantir a segurança do país.

Ativistas do Greenpeace protestam contra o investimento de dinheiro público na construção da terceira usina nuclear no país, a usina Angra 3. Greenpeace / Ivo Gonzalez

Na véspera do aniversário de 25 anos do acidente nuclear em Chernobyl, na antiga União Soviética, uma ‘nuvem radioativa’ cobriu a sede do BNDES, no Rio de Janeiro. A fumaça laranja que subiu aos céus no Largo da Carioca, endereço do banco no centro da cidade, foi ao mesmo tempo um alerta sobre os perigos de um acidente nuclear e um apelo para que o BNDES suspenda o financiamento para a construção da usina nuclear de Angra III

Por volta das nove e meia da manhã, ativistas do Greenpeace vestidos como equipes de resgate em acidentes nucleares dispararam sinalizadores de fumaça na frente do prédio do BNDES, simulando contaminação por radiação. Um cartaz pedia ao BNDES para não financiar uma geração de energia tão insegura, como provam Chernobyl e Fukushima.  

O governo brasileiro tem na manga cinco projetos de novas usinas nucleares. Quatro ainda estão sem endereço definido. Jacques Vagner, governador da Bahia, torce para levar a maior parte delas para seu estado. A quinta está para ser construída em Angra dos Reis, no litoral Sul fluminense, no complexo que já abriga as usinas nucleares de Angra I e II. A nova unidade, Angra III, já custou aos cofres públicos 1 bilhão de reais e a estimativa do seu custo total ultrapassa 10 bilhões de reais. É muito dinheiro para se investir em uma usina que até seus criadores, os alemães, consideram uma espécie de calhambeque atômico. 

Veja a galeria de fotos:

Os planos de Angra III datam da década de 70 e empregam tecnologia alemã. Seus reatores podiam ser chamados de modernos nos anos 80, quando foram construídos. Hoje, são peças de museu. Após o acidente no complexo nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, em 11 de março, o governo alemão, antigo parceiro na empreitada atômica brasileira, anunciou a revisão da fiança de 3 bilhões de reais que havia estendido ao projeto de Angra III. A chanceler alemã Ângela Merkel foi apenas coerente com o que está fazendo em casa. 

Assine nossa petição pelo fim de Angra III

Pressionada nas urnas a abandonar os planos nucleares, Merkel cancelou as operações de sete reatores fabricados na década de 80 em seu país, similares ao que será instalado em Angra III. E mandou investigar a fundo seus protocolos de segurança. Foi um claro sinal de que a Alemanha acha que reatores fabricados há três décadas são ultrapassados e perigosos. 

Assista ao vídeo:

“Angra III não tem plano de segurança adequado e não apresenta destinação para o lixo radioativo, a exemplo das outras duas usinas em operação na região. Se a Alemanha, detentora da tecnologia dos reatores, já admitiu que não considera a tecnologia segura, por que insistimos em seguir adiante com uma obra de alto risco?”, questiona Ricardo Baitelo, responsável pela Campanha de Energia do Greenpeace. 

Publique sua foto no Facebook e diga a todos que você está conosco contra Angra 3!

Desde o acidente no Japão, governos de vários países como Rússia, Bélgica, Suíça, Itália e China já se manifestaram contrários ao investimento em geração nuclear. Uma pesquisa de opinião de âmbito mundial, levada a cabo aqui no Brasil pelo Ibope, revelou que 54% da população brasileira se opõe às usinas nucleares. A mesma pesquisa, que rendeu reportagem no jornal O Estado de S. Paulo do último dia 19 de abril, mostra que, em outros países, a oposição à energia nuclear também é majoritária. 

“Resta ao BNDES pensar melhor destino para o dinheiro público do que o investimento em uma fonte insegura, altamente perigosa, cara e desnecessária. O Brasil tem potencial para se tornar 100% renovável com energia limpa e totalmente segura como eólica e solar a custo muito menor”, afirma Baitelo.

A data do protesto foi escolhida para relembrar o pior acidente nuclear que o mundo já assistiu, em Chernobyl, atual Ucrânia. No dia 26 de abril o acidente completa 25 anos, mas continua a fazer vítimas. O perigo da energia nuclear, no entanto, parece não querer ser esquecido. O recente acidente em Fukushima, no dia em que completou seu primeiro mês, foi elevado à categoria 7, mesmo nível de gravidade de Chernobyl. 

Leia também: Com a palavra, o ativista

Tópicos
8 Comentários Adicionar comentário

Erick says:

povo ingenuo

Enviado 16 - mai - 2011 às 20:20 Denunciar abuso Reply

Erick says:

O Greenpeace fez isso apenas para evitar o desenvolvimento do Brasil. A usina nuclear não é perigosa, só é necessário saber a...

Enviado 16 - mai - 2011 às 20:17 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

fabiano says:

A mídia está mais preocupada com os capítulos da novela das 21:00.

Enviado 14 - mai - 2011 às 0:40 Denunciar abuso Reply

Clara nascimento says:

A mídia e completamente manipuladora.
persuadindo o povo, dizendo que energia nuclear é uma boa alternativa e omitindo da populaç...

Enviado 3 - mai - 2011 às 21:00 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Hilda says:


Pablo,

A Midia brasileira é um lixo, só se interessa por assuntos sensacionalistas e mesmo assim por pouco tempo.
...

Enviado 3 - mai - 2011 às 17:34 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Pablo says:

Por que a mídia não cobriu isso? Será que por que não "mexeu" com o presidente!?
Uma manifestação destas...

Enviado 2 - mai - 2011 às 0:38 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

san327 says:

Neste momento estou no isolamento em uma faculdade de medicina na cidade de Catanduva-SP, porém, sinto-me obrigado a esquecer meu problema e via ...

Enviado 27 - abr - 2011 às 23:11 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

Damara says:

Esse é o momento para inensificar os protestos e fazer o brasileiro atentar para esse assunto. Se o Japão não pode evitar tanta trag...

Enviado 25 - abr - 2011 às 15:03 Denunciar abuso Reply

Read more Read less

1 - 8 de 8 resultados.

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.