Justiça: mandante de assassinato de ambientalistas é condenado

Adicionar comentário
Notícia - 6 - dez - 2016
#PeloFimDaImpunidade: em julgamento em Belém, o acusado de ser o mandante do assassinato do casal Zé Claudio e Maria foi condenado a 60 anos de prisão

Protesto realizado em frente ao local onde ocorreu o julgamento do mandante do assassinato do casal de ambientalistas Zé Claudio e Maria (Foto: Christian Braga/Jornalistas Livres)

José Rodrigues Moreira, o mandante do assassinato do casal de ambientalistas Zé Claudio e Maria, foi condenado hoje a 60 anos de prisão. Mas, numa dessas tristes crônicas da impunidade brasileira, o criminoso sequer apareceu no tribunal. Foragido, só teve prisão preventiva decretada no ano passado – depois de o Ministério Público ter recorrido da primeira sentença que,  inacreditavelmente, diante de todas as provas e testemunhas, o havia inocentado.

José Claudio e sua companheira Maria do Espírito Santo foram assassinados em 2011. Ambientalistas, eles enfrentavam os grileiros e denunciavam o roubo de madeira na região de Marabá. Corajosamente, faziam registros em fotos das placas dos caminhões dos extrativistas ilegais, por exemplo, e foram responsáveis pelo fechamento de várias madeireiras ilegais. José Claudio estava em uma lista de ambientalistas ameaçados de morte na Amazônia desde 2008 e sua morte era anunciada publicamente.

Julgamento do acusado de ser o mandante da morte de Zé Claudio e Maria, em Belém (Foto: Christian Braga/Jornalistas Livres)

Foi numa pinguela que dois pistoleiros emboscaram Zé Claudio e Maria e os mataram com tiros de escopeta. A orelha do ambientalista foi cortada para ser entregue, como prova do serviço, a Moreira, o mandante do crime. 

Em 2013, o pistoleiro Lindonjonson Silva Rocha, irmão de Moreira, foi condenado a 43 anos de prisão. Fugiu da penitenciária Mariano Antunes, em Marabá, em novembro de 2015 e continua foragido. O outro assassino, Alberto Lopes, pegou 42 anos de cadeia e permanece preso. Ambos, claro, tentaram anular os julgamentos originais depois da absolvição do mandante em 2013, quando saiu livre do tribunal.

O Ministério Público apelou da decisão e, em 2014, o Tribunal de Justiça de Belém anulou o julgamento que o inocentou. Hoje, foi condenado pelo júri popular a 60 anos de prisão por duplo homicídio qualificado e por conduta violenta e um total desprezo com a dignidade humana. De acordo com o juiz, o condenado realizou o crime com culpabilidade fria, covarde e premeditada.

Diante de tantas violações de direitos, a decisão do julgamento foi um passo mínimo, porém fundamental para o fortalecimento da democracia e para o enfrentamento da impunidade.

"Quero que toda as pessoas desse país que foram injustiçadas e tiveram seus familiares mortos não percam as esperanças, nunca, nenhum dia. Lutem por eles, lutem pelo que eles acreditavam. A gente não pode desistir, não podemos nos acovardar.", disse  Claudelice Santos, irmã de Zé Cláudio.

(Texto: Flavia Martinelli / Jornalistas Livres)

Tópicos
Nenhum comentário encontrado. Adicionar comentário

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.