Greenpeace pede desculpas à população do Peru pela ofensa causada por conta da nossa recente atividade no sítio arqueológico de Nazca, no Peru, na qual letras de tecido foram colocadas próximas ao desenho do beija-flor. Nós lamentamos profundamente o ocorrido.

Compreendemos totalmente a gravidade do que aconteceu. Ao contrário de transmitir uma mensagem urgente de esperança e de alternativas para a crise climática para os líderes mundiais reunidos na Conferência de Mudanças Climáticas das Nações Unidas, em Lima, a atividade pareceu descuidada e ofensiva.

Reunimo-nos com o Ministério da Cultura do Peru, responsável pelo sítio histórico, para pedir desculpas. Nós recebemos de forma positiva qualquer apuração independente das consequências da nossa atividade e vamos cooperar integralmente com qualquer investigação.

Assumimos completa responsabilidade pelas nossas ações e somos comprometidos com a não-violência. O Greenpeace é responsável por suas atividades com todas as suas consequências.

Kumi Naidoo, diretor executivo do Greenpeace Internacional, estará em Lima esta semana para pedir desculpas pessoais pela ofensa causada pela atividade e para representar a organização nas discussões que estiverem em curso com as autoridades peruanas.

O Greenpeace vai cancelar imediatamente qualquer uso futuro das imagens ofensivas.