Os valores democráticos preveem liberdade de opinião, imprensa livre e espaços legítimos para atuação de uma sociedade civil crítica. A democracia é condição indispensável para que possamos defender o meio ambiente e toda forma de vida. Mas, ao que parece, para o ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles a democracia é um empecilho e aqueles que são críticos à sua atuação são vistos como inimigos. 

Ricardo Salles recorreu à Justiça Federal, amparado por advogados da AGU, a fim de intimar o ambientalista Marcio Astrini, Secretário Executivo do Observatório do Clima, para dar explicações a respeito de uma entrevista concedida ao jornal “O Globo” em 25 de maio, na qual analisa a expressão usada por Salles na reunião ministerial de 22 de abril no Palácio do Planalto de “passar a boiada” em meio a pandemia do coronavírus. A atitude de Salles ameaça a liberdade de atuação de toda a sociedade, que quer e deve ter voz ativa. 

São as organizações e seus representantes, como Astrini, que ajudam a proteger o patrimônio ambiental brasileiro, seja denunciando atividades criminosas como desmatamentos ilegais e invasões de terras públicas, seja expondo o desmantelamento doloso de políticas públicas ambientais operado pelo Governo Bolsonaro. Um ministro de Estado de um país democrático deveria trabalhar todos os dias para garantir direitos a toda a população, de forma que as diferenças entre nós sejam pontes para tornar o País mais justo. 

Enquanto Salles busca utilizar o aparato do Estado para esconder sua política antiambiental, a floresta queima, a transparência diminui, o espaço democrático se encurta e a imagem do Brasil se desintegra internacionalmente. Sua atuação só demonstra que, como ministro, não está disposto a tomar qualquer tipo de ação efetiva para a proteção da Amazônia e dos demais biomas, e que não está à altura do cargo que ocupa. 

Nós queremos viver numa sociedade onde todas as pessoas sejam livres e respeitadas. Queremos um meio ambiente saudável, vida digna para as pessoas que vivem na floresta, no campo e na cidade. As organizações que assinam repudiam a tentativa de intimidação ao ambientalista Marcio Astrini pelo ministro. Salles pode tentar, mas não conseguirá calar a voz dos brasileiros que defendem um Brasil melhor. 

Assinam:

Organizações da Sociedade Civil:

350.org
7OurWorld
ABECO – Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação
ABI – Associação Brasileira de Imprensa
ABRA – Associação Córrego Barriguda e Cabeceiras do Rio das Almas
ABRAJI – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo
Ação Educativa
Agapan – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural
Amazon Watch
Amigos da Terra – Amazônia Brasileira
Associação Alternativa Terrazul
Associação Amigos de Iracambi
Associação Civil Projeto Hospitais Saudáveis
Associação Cunhambebe da Ilha Anchieta
APREMAVI – Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida
Associação Ecológica Força Verde
Associação Eunice Weaver do Paraná
Cátedra UNESCO para Sustentabilidade do Oceano
CBJP – Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB
CEMADEN
Cientistas Engajados
Coalizão Ciência e Sociedade
Cocar Círculo de Conversa
Comissão Socioambiental da Diocese de São José dos Campos
Conectas Direitos Humanos
Crescente Fértil
Elo RJ Rede de Mulheres Ambientalistas da América Latina
Engajamundo
FASE – Solidariedade e Educação
Fridays For Future Brasil
Fundação Avina
Fundação Grupo Esquel Brasil
Fundação SOS Mata Atlântica
Associação Civil Projeto Hospitais Saudáveis
Greenpeace Brasil
Grupo Ação Ecológica (GAE) – Rio de Janeiro
Grupo Gaia
Idesam
IEB – Instituto Internacional de Educação do Brasil
Iepé – Instituto de Pesquisa e Formação Indigena
IMAFLORA – Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola
Indigenistas Associados (INA)
INESC
ING – Instituto os Guardiões da Natureza
ICV – Instituto Centro de Vida
Instituto Cidades Sustentáveis
Instituto Climainfo
IDS – Instituto Democracia e Sustentabilidade
Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia
Instituto Envolverde
Instituto Escolhas
Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social
Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental
Instituto Igarapé
Instituto MIRA-SERRA
Instituto Nossa Ilhéus
Instituto Orbis de Proteção e Conservação da Natureza
Instituto Pro Bono
Instituto Socioambiental
Instituto Talanoa
IPAM – Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia
IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas
Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais
MDPS Movimento Defesa Porto Seguro
MOVE Social
Movimento Baía Viva (Rio de Janeiro)
Movimento dos Trabalhadores sem Terra – MST
DV – Movimento em Defesa da Vida
Nextt49+
Núcleo de Estudos em Manguezais – UERJ
Núcleo Sócio Ambiental Araçá-piranga
Observatório de Justiça Ecológica – UFSC
Ocupa Política
OPA Organização Popular
Operação Amazônia Nativa
Oxfam Brasil
Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos/BPBES
Projeto Saúde e Alegria
RCA – Rede de Cooperação Amazônica
RAN – Rainforest Action Network
REDE GTA
SAPI Sociedade Amigos por Itaúnas
SCM – IDSM
SPVS – Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental
Swiss Indigenous Network
Toxisphera Associação de Saúde Ambiental
Uma Gota No Oceano
WWF-Brasil

Pessoas Físicas/Academia:

Aluisio de Oliveira
André de Camargo Guaraldo
Andrea Santarosa Freire – UFSC
Angelo José Rodrigues Lima
Benedicto de Campos Vidal
Bruno Machado Carneiro
Carlos Alfredo Joly
Carlos Eduardo L Ferreira – Coalizão Ciência e Sociedade
Carlos Frederico D. Rocha – Coalizão Ciência e Sociedade
Carlos Frederico Martins Menck – ICB/USP
Carlos R. S. Milani – Professor/UERJ e Pesquisador 1-B/CNPq
Cledir Mendes Soares
Clovis Cavalcanti
Cristiana Simão Seixas – LEME/NEPAM/UNICAMP
Cristina Adams – Coalizão Ciência e Sociedade
Daniel Yoshida
Daniela Gomes Pinto
Denise Helena Silva Duarte – Universidade de São Paulo
Eleonore Zulnara Freire Setz
Elizabeth Bilsland – Unicamp
Eneida de Paula – Unicamp
Erika Berenguer – University of Oxford
Fernando Fernandez – UFRJ / Coalizão Ciência e Sociedade
Filipe Chaves – NEMA/UERJ
Flávio Montiel
Francisca Soares de Araujo – Coalizão Ciência e Sociedade
Gabriela Marques Di Giulio – USP e Coalizão Ciência e Sociedade
Gustavo Quevedo Romero – Unicamp
Helena Bergallo – Programa de Pesquisa em Biodiversidade da Mata Atlântica
-PPBioMA
Helena Godoy – UERJ
Ítalo Braga de Castro – Universidade Federal de São Paulo
Jacqueline Guerreiro – GEEMA – Grupo de Estudos em Educação e Meio Ambiente
José Alexandre Felizola Diniz Filho – Coalizão Ciência & Sociedade
João Alfredo – Presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB/CE
José Sabino – Coalizão Ciência e Sociedade
Lilian Ricco Medeiros – Unicamp
Luciana Matos
Ludmilla Aguiar – Coalizão Ciência e Sociedade
Magali de Fátima Monteiro – Universidade Estadual do Norte do Paraná
Manoela Imamura Hernandez
Marcia C M Marques – Laboratório de Ecologia Vegetal – UFPR
Marcos Sorrentino – Oca/Esalq/USP
Margareth Copertino – Coalizão Ciência & Sociedade
Maria Teresa Fernandez Piedade – Coalizão Ciência e Sociedade
Mário Soares – Núcleo de Estudos em Manguezais – UERJ
Mercedes Bustamante – Coalizão Ciência e Sociedade, Universidade de Brasília
Michel Vincentz
Michele Dechoum – Coalizão Ciência & Sociedade/ Universidade Federal de Santa
Catarina
Neidis Matos – GEEMA- Grupo de Estudos em Educação e Meio Ambiente
Paula Costa Montenegro Guimaraes
Pedro Bernardes Júnior
Pedro Eduardo Graça Aranha
Rafael Schiavo
Regina Scarcello
Ricardo Abramovay
Ricardo Ribeiro Rodrigues – LERF/LCB/ESALQ/USP
Robson da Silva Moreno – UFABC
Ronaldo Bastos Francini Filho – CEBIMAR USP
Silvio Lancellotti
Simone Aparecida Vieira – UNICAMP
Sonia Bitencourt
Suzana Padua
Tatiana Maria Cecy Gadda – Coalizão Ciência e Sociedade
Thomas Lewinsohn – Unicamp / Coalizão Ciência & Sociedade
Wellington Nogueira