#Mobilização

Junte-se ao time de voluntários

Para fazer parte da nossa rede de voluntariado é só entrar no Greenwire, se conectar com outros ativistas ao redor do Brasil e participar das…

Participe

Casos de intoxicação pelo petróleo cru nas praias do Nordeste confirmam nossa preocupação e reforçam o alerta para a necessidade de proteção

Em Recife, algumas praias estão restringindo a limpeza do óleo apenas aos voluntários que possuem Equipamentos de Proteção Individual.

Assim que o óleo apareceu nas areias e mares do Nordeste, a população rapidamente reagiu e colocou sua vida em risco para limpar as praias e salvar os animais. Nós, do Greenpeace, procuramos alertar para a necessidade de que isso fosse feito por pessoas capacitadas, ou seja, com os devidos equipamentos de segurança, pois as substâncias do óleo são tóxicas. No entanto, na tentativa de nos atacar e causar distração, nossa fala chegou a ser tirada de contexto para ser usada como a justificativa de que não iríamos colaborar na contenção das manchas, quando na verdade estávamos cobrando que a responsabilidade deste serviço deveria ser do governo, em função dos riscos envolvidos. Agora, infelizmente, os casos de intoxicação que começam a surgir comprovam tanto a nossa preocupação quanto a omissão do governo em garantir a segurança das pessoas.

Na região do Litoral Sul de Pernambuco já apareceram 17 casos de pessoas contaminadas pelo contato com o petróleo, seja com manifestações cutâneas pelo contato direto ou manifestações respiratórias pela inalação do gás por ele liberado. Como a reportagem do Intercept apontou, ao denunciar que voluntários estavam sendo explorados pela inação do governo, “o material encontrado nas praias é petróleo cru, rico em hidrocarbonetos cancerígenos. Também pode causar asfixia em altas concentrações. A curto prazo, gera problemas dermatológicos e respiratórios. A longo do tempo, pode gerar problemas neurológicos e alguns tipos de câncer, como leucemia”.

Óleo cru nas praias de Fortaleza, Brazil. © Pedro Tavares / Greenpeace

Criança mostra o contato com óleo em praia de Fortaleza.

 

Em função disso, agora, em muitas praias só pessoas com os equipamentos de proteção individual (EPI) têm sido autorizados a atuar diretamente na limpeza de óleo na areia ou no mar. O equipamento inclui botas, luvas, macacão, máscara e óculos. Nós do Greenpeace estamos distribuindo os EPIs aos nossos ativistas e voluntários para que os riscos à saúde sejam minimizados. Exaltamos o trabalho de mobilização que realizam, seja por necessidade ou indignação, na tentativa de reagir a essa destruição do petróleo, mas é fundamental que isso seja feito com segurança. Em muitos lugares, no entanto, são as próprias pessoas e organizações, que vêm providenciando esses equipamentos, para suprir a omissão do governo.

Muitos especialistas vêm tentando alertar a população como podem. A professora Soraya Giovanetti El-Deir, da Engenharia Ambiental da Universidade Federal Rural de Pernambuco, gravou um áudio pelo Whatsapp com várias recomendações para as comunidades locais em praias do Recife: “Precisamos suspender a alimentação de qualquer pescado marinho neste momento, e monitorar as pessoas que atuaram como voluntárias e que não estavam com EPI (Equipamento de Proteção Individual) correto. Se houver alguma alteração como insônia, dor de cabeça, mal estar ou tontura, isso significa que houve um reflexo da contaminação. O recomendável então é tomar bastante água, leite e, se os sintomas persistirem, ir até o hospital”. 

Crude Oil Found in Japaratinga, Brazil. © Mariana Oliveira / Greenpeace

Pescador volta do mar com equipamentos sujos de óleo em Japaratinga, Alagoas.

Quer saber como ajudar? Estamos dando apoio aos nossos times de voluntários que realizam atividades em várias cidades afetadas.  Acompanhe em nosso site e junte-se a eles.