#Biodiversidade #Energia #Oceanos

Defenda os Corais da Amazônia

Esse tesouro natural precisa estar livre da ameaça do petróleo.

Participe

A bacia da foz do rio Amazonas, onde fica o recife, não entrou na lista de áreas a serem leiloadas para a exploração de petróleo em leilões futuros. Mas a ameaça aos Corais da Amazônia continua

Voluntários do Greenpeace seguram placas com imagem de uma plataforma de petróleo e da morte para protestar contra exploração de petróleo perto dos Corais da Amazônia.

Voluntários do Greenpeace em Florianópolis protestam contra a exploração de petróleo perto dos Corais da Amazônia. © Bruno Leão

Alívio. Foi a sensação que tivemos ao ler a notícia sobre dois futuros leilões de áreas onde empresas poderão no futuro perfurar para extrair petróleo. A bacia da foz do Rio Amazonas, onde fica o recife dos Corais da Amazônia, ficou de fora dos leilões da 17a e 18a rodadas, que acontecerão em 2020 e 2021. A notícia foi dada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que publicou uma resolução autorizando a Agência Nacional do Petróleo a realizar essas rodadas de licitações para exploração e produção de petróleo e gás natural.

Os blocos na bacia da foz do rio Amazonas faziam parte dos planos, mas foram deixados de lado dessa vez. Isso traz algum alívio porque é ali que estão os Corais da Amazônia, um ecossistema único no mundo e que já está ameaçado pela indústria do petróleo que pretende perfurar a região. Infelizmente, o alívio para por aí. Atualmente, o recife está sob a ameaça iminente da petrolífera francesa Total, que está em fase final de seu processo de licenciamento.

Em abril, fomos com nosso navio Esperanza pela segunda vez até o litoral do Amapá estudar o recife e os seres marinhos que habitam ali. Descobrimos que existe um banco de rodolitos (algas calcárias) dentro de um dos blocos que a Total que explorar. Isso já seria suficiente para invalidar o Estudo de Impacto Ambiental da empresa, que insiste nesse plano insano.

Também achamos uma formação recifal na Guiana Francesa, semelhante aos Corais da Amazônia. Isso ajuda a provar em breve que o ecossistema vai muito além do que imaginávamos.

Mais de 2 milhões de pessoas já assinaram uma petição e se tornaram defensoras dos Corais da Amazônia, para evitar que o petróleo ameace esse tesouro natural. Se você não assinou, ainda dá tempo.

ASSINE A PETIÇÃO