Expedição a Amazônia que Precisamos

Realizamos uma expedição fluvial no sul do Amazonas, em junho de 2022, em apoio à ciência e à luta de comunidades do Rio Manicoré, onde comunidades que vivem às margens do rio lutam por sua existência e pela preservação da floresta e de seu território.

Dá uma olhada no que rolou:

  • Fake news pelas curvas do rio na Amazônia

    Fake news pelas curvas do rio na Amazônia

    Desinformação é utilizada como método para desmobilizar a luta pela proteção do rio Manicoré, mas também para influenciar o voto

  • Amazônia e o vazio proposital do Estado

    Amazônia e o vazio proposital do Estado

    O Estado e o mercado vendem miséria para colher as falsas soluções que destroem a Amazônia. Solução real, só com floresta em pé, mas falta vontade política

  • Amazônia secreta

    Amazônia secreta

    Acompanhamos a incursão de pesquisadores de botânica nas florestas de Manicoré, em sua busca por conhecer a diversidade de plantas da região, e encontramos um mundo novo

  • Aquele trabalho que reativa o brilho nos olhos 

    Aquele trabalho que reativa o brilho nos olhos 

    Voltar para a Amazônia e testemunhar seu esplendor renova nossas forças para lutar contra a destruição e a violência que consome a nós e à floresta

É urgente acabar com o desmatamento da Amazônia!

A expedição fluvial “A Amazônia Que Precisamos” é a primeira expedição científica promovida pelo Greenpeace após a pandemia de covid-19. Neste momento, 15 pesquisadores desenvolvem estudos no rio Manicoré, no Amazonas, para entender o que existe de biodiversidade nesta região. Os cientistas estão estudando as plantas, os mamíferos, os répteis, os anfíbios, as aves e os peixes da área. Um diagnóstico socioeconômico também está em curso, para conhecer melhor e ter dados mais precisos sobre as comunidades que vivem por lá. Esses dados vão fortalecer a proposta de criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Manicoré.

O Brasil precisa proteger a Amazônia e seus povos!

Florestas Públicas Não Destinadas têm sido alvo de desmatamento, mas se forem protegidas, a chance de serem roubadas e destruídas diminui. No Rio Manicoré (AM), comunidades lutam para terem seus direitos territoriais reconhecidos e sua floresta protegida, o que beneficiará a floresta, sua biodiversidade e toda a sociedade. Vamos juntos nessa luta.

607 mil km²

de florestas públicas não destinadas estão vulneráveis na Amazônia

fonte: Serviço Florestal Brasileiro (SFB)

3.899,32 km²

é a área abrangida pela Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) do Rio Manicoré

fonte: Caarim/CDRU

1 milhão

de espécies estão em risco de extinção em todo o mundo


fonte: IPBES


Como ajudar

Quer saber mais?

Siga e acompanhe nossas redes sociais: 


Explore outros tópicos