#Biodiversidade #Energia #Oceanos

Defenda os Corais da Amazônia

Esse tesouro natural precisa estar livre da ameaça do petróleo.

Participe

A ação chama a atenção para a emergência climática. A BP é a mesma empresa que, no Brasil, quer explorar petróleo próximo aos Corais da Amazônia.

Mensagem em banner aberto pelos escaladores diz “Emergência Climática” © Greenpeace

Na tarde de ontem (9 de junho), uma equipe de ativistas do Greenpeace na Escócia se aproximou da plataforma de petróleo e escalou a estrutura para abrir uma faixa com os dizeres em inglês “Climate Emergency” (emergência climática). Os ativistas, que atualmente ocupam um pórtico em uma perna da plataforma, abaixo do convés principal, estão tentando impedir que a plataforma, com peso de 27 mil toneladas, seja rebocada pela empresa até o campo petrolífero de Vorlich, no Mar do Norte. Lá a BP espera ter acesso a até 30 milhões de barris de petróleo. Os ativistas estão dispostos a permanecer no lugar por dias tentando impedir que isso aconteça.

O Greenpeace exige que a BP acabe imediatamente com a perfuração de novos poços – como o que está próximo aos Corais da Amazônia, no Brasil – e mude para investir apenas em energias renováveis. Se a BP não fizer isso, segundo o Greenpeace, deve reduzir suas operações, devolver o dinheiro aos investidores e encerrar suas operações.

Cientistas ao redor do mundo já declararam que as reservas de petróleo e gás que já existem são mais do que podemos queimar com segurança no Planeta se quisermos limitar mudanças climáticas catastróficas e cumprir o Acordo de Paris. No entanto, a BP mantém seu desejo de explorar mais e expandir sua produção de petróleo e gás. Enquanto isso, ao mesmo tempo, seus acionistas aprovaram uma moção em sua Assembléia Geral para que a empresa demonstre como ela está alinhada com o Acordo Climático de Paris.

O campo de petróleo de Vorlich é uma área rica em vida selvagem, com a própria avaliação da BP identificando-o como um dos principais locais de proliferação de uma série de populações de peixes, e está a 30 km de duas reservas marinhas. Isso é mais uma mostra do descaso da BP e sua disposição em explorar petróleo em áreas sensíveis do ponto de vista socioambiental, seja no Mar do Norte, seja na bacia da Foz do Amazonas.