Além de fertilizar os oceanos com seu cocô, a espécie contribui no combate às mudanças climáticas

Baleia azul pigmeu (Balaenoptera musculus brevicauda) na superfície das águas 250 milhas a oeste de Maputo, Moçambique.
Baleia azul pigmeu na superfície das águas, 250 milhas a oeste de Maputo, Moçambique. Registro feito durante expedição do navio do Greenpeace, Rainbow Warrior, no Oceano Índico, para expor a sobrepesca. (2012) © Paul Hilton / Greenpeace

Qual a primeira ideia que te vem à mente quando ouve falar sobre baleias? Que elas são gigantes? Lindas e majestosas? É comum terem seu tamanho comparado com ônibus de dois andares, múltiplos de elefantes e até mesmo com dinossauros. Mas sabe de uma coisa? Nem todas são tão gigantes quanto o maior exemplar que a sua memória pode lembrar. 

E que tal se você rever essa primeira ideia e espalhar por aí uma notícia um pouco mais curiosa sobre as gigantes do mar? Por exemplo, que elas são muito, mas muito importantes para o equilíbrio da vida no planeta! Que são fundamentais para o combate às mudanças climáticas! Siga essa história e torne um papo sobre baleias bem mais interessante.  

Para começo de conversa…

Para começo de conversa, vamos esclarecer sobre essa questão do tamanho. Primeiro de tudo, a gente quer te apresentar as baleias azuis pigmeias (essa da foto acima). Elas são uma subespécie tropical da baleia azul, costumam ter cerca de metade do peso total de uma baleia azul da Antártica e crescem até cerca de 24 metros, em oposição aos 30 metros da sua maior parente. Inclusive, até poucos anos atrás, acreditava-se que as pigmeias haviam sido extintas, a ponto de terem sido consideradas um “fóssil vivo”, que é o nome informal que se dá a um ser vivo que tem características morfológicas semelhantes a algum fóssil conhecido.

Mas por que estamos falando sobre isso? Porque a descoberta de que há muitas subespécies de baleias é relativamente recente. E quando percebemos que um tipo de baleia (ou qualquer outro animal) é composto por subespécies separadas, percebemos rapidamente que eles correm mais risco do que se fossem uma grande população. Cada uma tem um papel único e fundamental para o equilíbrio do ambiente e da vida no planeta. Suas rotas, local de alimentação e de reprodução são únicos, e qualquer impacto precisa ser avaliado. 

Muitas delas, especialmente as grandes como as baleias azuis, foram aniquiladas pela caça comercial nos séculos 19 e 20, e só agora estamos entendendo o tamanho do impacto desta perda para o oceano como um todo. Segundo a ciência, ainda falta muito pra gente saber sobre as baleias do mundo – de seus hábitos de reprodução às suas comunicações e cultura – e a descoberta de novas subespécies e espécies ainda está acontecendo.

Continuando a conversa, uma outra revelação… 

Ao mesmo tempo que as baleias são incríveis por si só,  elas também são heroínas no combate às mudanças climáticas e em manter nossos oceanos mais cheios de vida. Sabe como? Pasmem, através do cocô. Como uma espécie de adubo, o cocô desses gigantes mamíferos carrega nutrientes riquíssimos pelos mares e permite que outros seres vivam bem.

Assista o vídeo e saiba mais:

Apesar da importância que elas têm no equilíbrio da vida, sobreviver no fundo do mar não anda nada fácil. Além das enormes ilhas de plástico, elas e todas as outras espécies enfrentam também o aumento da acidez da água, uma vez que os oceanos absorvem grande parte das emissões de dióxido de carbono que vêm se multiplicando com a queima de combustíveis fósseis, e absorvem também cerca de 93% do calor produzido pelas emissões de gases de efeito estufa.

Em defesa da vida marinha, a gente segue falando sobre a importância da espécie, da biodiversidade, da proteção dos oceanos, das mudanças climáticas e assim tentamos aproximar cada vez mais as pessoas, do mar. E desta vez, fazemos isso também de um jeito leve e divertido. Em parceria com o Mundo Bita, no final desta semana, lançamos uma aventura que vai (re)aproximar as crianças da importância da preservação dos oceanos.

Breve histórico
Em 1986 – graças a uma quantidade esmagadora de apoio público – a caça comercial às baleias foi proibida em todo o mundo. Agora, a cooperação global é urgente novamente para criar uma rede de santuários oceânicos para proteger as baleias e sua casa. O navio do Greenpeace Arctic Sunrise viajou para o Oceano Índico para documentar as ameaças que nossos oceanos enfrentam e pressionar os governos para protegê-los.