Todos pela Amazônia: quem ama, age!

Assine e seja um ativista nesta brigada digital contra a destruição da floresta.

Ao clicar em "Assinar", você concorda com nossa política de privacidade e em receber comunicações através dos meios de contato fornecidos. Adotamos altos padrões de segurança e você pode deixar de receber comunicações quando quiser.

Consentimento de Whatsapp
Hidden
Hidden
Hidden
Hidden
Hidden

pessoas já assinaram

A Amazônia, seus povos e sua biodiversidade estão sob grave ameaça.

A destruição da floresta está prestes a atingir um ponto sem volta e os impactos serão sentidos em todo o mundo. Hoje, quase metade das emissões dos gases do efeito estufa que contribuem para o aquecimento global do Brasil vem do desmatamento. Sem floresta de pé, o planeta perde os serviços ambientais prestados pela Amazônia.
Só em 2022, o desmatamento foi equivalente a 3.165 campos de futebol por dia!*

*Fonte: DETER-INPE (dados de janeiro a junho de 2022)

Veja as principais ameaças atuais à Amazônia:


Garimpo ilegal, extração ilegal de madeira, avanço da agropecuária e da grilagem sobre florestas públicas, expansão do crime organizado, violência contra os povos indígenas e comunidades tradicionais, além de queimadas e desmatamento em níveis recorde. Basta! Se você ama a Amazônia, precisa agir agora.

É nosso dever e responsabilidade proteger a floresta AGORA!

A Amazônia corresponde a 59% do território brasileiro e abrange 9 estados brasileiros: Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima, e parte do território do Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins. Vamos mostrar a força do povo brasileiro! Mais de 600 mil pessoas já se manifestaram a favor da preservação da Amazônia, podemos contar com você também?

O que precisamos fazer para evitar a sua destruição?

Neste ano decisivo, precisamos frear os retrocessos ambientais e pressionar empresas, políticos e candidatos para que deixem as promessas para trás e comecem a agir. O poder público precisa colocar em prática medidas para proteger a floresta, os povos indígenas e as comunidades tradicionais, que sofrem com violência e invasões em seus territórios. Em 2020, os assassinatos de indígenas aumentaram em 65%*.

* Fonte: CIMI, na comparação com 2019


Explore outros tópicos