Ativistas fizeram manifestação pacífica exigindo proteção às florestas enquanto o ministro tentava se reunir com empresários alemães; encontro foi cancelado

Atualizado em 01/10/2019.

Nesta segunda-feira (30), ativistas do Greenpeace protestaram em frente à Confederação Alemã das Câmaras de Indústria e Comércio em Berlim, onde o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, se reuniria com representantes de empresas alemãs. Após o protesto, o encontro foi cancelado.

Cerca de 50 ativistas montaram um cordão de isolamento e instalaram um tronco de madeira da Amazônia carbonizado em frente ao edifício para impedir a entrada de Salles. No local abriram  faixas criticando a destruição da Amazônia e exigindo o fim de “negócios com criminosos climáticos”.

Ativistas protestam em frente à Confederação Alemã das Câmaras de Indústria e Comércio em Berlim. © Jan Zappner / Greenpeace

Em sua visita à Alemanha, Salles tenta limpar a imagem do Brasil para retomar e promover acordos comerciais com um dos países que mais investem por aqui. “Ambas indústrias estão destruindo o meio ambiente e o clima. No Brasil, a floresta está queimando para dar lugar ao gado e, na Alemanha, uma indústria automobilística ultrapassada está procurando novos mercados para seus produtos emissores de CO2″, diz Jürgen Knirsch, especialista em comércio do Greenpeace Alemanha.

O Greenpeace exige que corporações e governos europeus adotem medidas para garantir que suas cadeias de suprimentos não estejam ligadas ao desmatamento, à destruição de ecossistemas ou a violações de direitos humanos. Para ajudar a barrar a crise climática que já vivenciamos, é fundamental que se ponha um fim à cumplicidade europeia com o desmatamento da Amazônia.

Nesta terça-feira (1), os ativistas em Berlim fizeram mais dois protestos. O primeiro foi nas imediações do edifício do Ministério para Cooperação e Desenvolvimento. Salles, que esteve no local para participar de uma reunião, precisou encarar os ativistas antes de entrar no prédio (mas preferiu esconder o rosto ao passar pelo grupo).

Em seguida, os ativistas atracaram o navio Beluga, do Greenpeace, no rio Spree, perto da embaixada brasileira em Berlim, e se posicionaram em frente ao prédio com uma escultura de um globo terrestre pegando fogo. Salles estava ali em um jantar de negócios e foi recebido com uma mensagem clara, em português: “Emergência climática – Pare a destruição da Amazônia!”

“Em sua viagem pela Europa, Salles tem investido seu tempo em tentar convencer investidores, governo e imprensa que a crise na Amazônia está sob controle, enquanto deveria estar implementando medidas concretas para retomar o combate ao crime ambiental e ao desmatamento”, afirma Luiza Lima, da campanha de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil. O ministro já esteve na França, onde também foi recebido com protestos. Após a Alemanha, segue viagem para a Inglaterra.