Estados produtores de madeira como Pará e Mato Grosso, responsáveis por 75% da produção de madeira serrada na Amazônia, possuem um duplo sistema de gestão madeireira: um sistema regulatório que supervisiona a gestão de propriedades e Planos de Manejo Florestal Sustentável (PMFS); e um outro sistema de monitoramento de cadeia de custódia que tem a intenção de garantir a identificação das empresas que compram e vendem madeira desde a floresta até o usuário final.

Os dois sistemas estão vulneráveis a uma série de abusos por parte daqueles que pretendem lucrar com a extração ilegal de madeira. Como resultado disso, 78% das áreas exploradas no Pará e 54% no Mato Grosso foram ilegais entre 2011 e 2012.

Por conta disso, o Greenpeace Brasil elaborou o relatório “A crise silenciosa da Amazônia: Controle do setor madeireiro e 5 formas de fraudar o sistema”, que propõe formas de regulamentação para impedir a extração ilegal de madeira, e ainda denuncia 5 métodos utilizados por madeireiros para fraudar o sistema regulatório atual.

Clique aqui para baixar o relatório completo.