Reunindo ativistas de todos os cantos do país, bate papo mediado pelo Grupo de Belo Horizonte foi um dos mais acessados no canal do Greenpeace Brasil

Quem brilhou essa semana foi o grupo de Belo Horizonte, que puxou uma live incrível sobre o Dia Nacional De Conscientização Sobre Mudanças Climáticas. A roda de conversa rolou lá no canal do Greenpeace no Youtube, e contou com a participação de vários voluntários e voluntárias, além de especialistas do assunto e representantes do Green. Olha só: 

Pra você que perdeu o papo e quer conferir tudo o que rolou, a conversa está disponível aqui 🙂. O vídeo já é um dos mais vistos em nosso canal do Youtube esse ano!

Spoiler: foi demais de bom e essencial <3 

Pra não perder o costume que a gente gosta, nossos grupos locais balançaram as redes sociais com os assuntos e campanhas que estão mais em alta aqui no Green. Vem ver: 

Abecedário do meio ambiente – de A a Zambelli – São Paulo 

A deputada @CarlaZambelli38 é a nova presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara. Ela pode colocar a boiada do governo federal para andar em ritmo acelerado, quando deveria lutar pela proteção ambiental. #TodosPelaAmazônia

Floresta sem cortes

Recife 

Se invadem sua casa, o natural é tentar aumentar a proteção, não é? Por que, então, com o meio ambiente fazem diferente?

A campanha Floresta Sem Cortes tem como objetivo mobilizar e pressionar deputados e senadores pela aprovação de um orçamento robusto, que seja capaz de financiar todas as ações necessárias para frear o desmatamento, queimadas e punir severamente os criminosos que agem na Amazônia e em outros biomas.

“As questões ambientais são tão importantes para a economia brasileira que deveriam ser parte do orçamento de vários ministérios e estes deveriam apoiar os congressistas a aumentarem os recursos destinados às ações de proteção aos ambientes naturais e promoção dos resultados de conservação do Brasil. Se a ‘boiada passar’ o estrago no mercado de produtos agrícolas brasileiro pode ser irreversível e isso irá impactar negativamente a economia brasileira.”, diz Mauro Armelin, diretor executivo da Amigos da Terra – Amazônia Brasileira.

Queremos mudar o futuro das nossas florestas, precisamos de um orçamento digno para combater o desmatamento. Ajude #FlorestaSemCortes: http://act.gp/3pPSmsC

João Pessoa

O orçamento de meio ambiente proposto para 2021 é o menor em 21 anos!

Apesar de dois anos consecutivos do aumento do desmatamento, o projeto de lei orçamentário anual prevê apenas 1,72 bilhões para todas as despesas dos órgãos públicos. Isso representa uma redução de 27,4% no orçamento para fiscalização ambiental e combate à incêndios florestais.

Não podemos permitir que isso aconteça, é preciso investir mais em proteção e não menos.

Exija de deputados e senadores a recomposição do orçamento. Assine o abaixo-assinado #FlorestaSemCortes 

O grupo, que ainda  está em formação, também se mobilizou contra a PL 318/2021, que declara qualquer tipo de criação e reprodução de animais como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, em razão da sua “natureza intrínseca de preservação e desenvolvimento das espécies animais, consideradas como patrimônios naturais e culturais, integrantes da identidade e da memória da sociedade brasileira”.

Trata-se de um grave projeto de lei que claramente vai na contramão de todos os avanços feitos acerca dos direitos dos animais no mundo ao utilizar a falsa justificativa de patrimônio histórico cultural para continuar aprovando a crueldade animal.

A PL traz a justificativa de que a criação, a convivência e utilização dos animais para os mais diversos fins foi fundamental historicamente para o desenvolvimento da civilização humana e são ainda objeto de manifestações culturais diversas em todo o mundo.

Tal pensamento ultrapassado ignora o fato dos animais serem comprovadamente hoje seres sencientes, como diversos estudos têm mostrado. Isto é, são capazes de sentir sentimentos como dor, angústia, solidão, amor, alegria, raiva, e etc. Desse modo, animais não são coisas e nem mercadorias.

O projeto coloca todo tipo de criação de animais em uma mesma categoria independentemente da sua finalidade. Abrange desde a criação de PETs até a criação de animais que são usados para entretenimento sem fins de conservação, como cruéis vaquejadas e rodeios.

Tal projeto atende apenas aos interesses do mercado que lucra com a exploração animal. Criadores que exploram animais em cativeiro de forma perversa, por exemplo, teriam mais segurança jurídica para continuar a realizar tais práticas sem serem condenados por maus tratos.

Assim, a PL desconsidera o bem-estar dos animais, e ainda abre margem para fortalecer o tráfico de animais silvestres.    

Esse projeto, portanto, apenas reforça a triste ideia de que os animais são meros objetos e que podem ser explorados de qualquer forma. Isso não deve ser mais considerado cultura!

Participe dessa mobilização aqui 🙂 

Pantanal em chamas – Goiânia 

Fazendo picadinho do Pantanal: investigação do Greenpeace Internacional mostra que de julho a outubro de 2020, uma área equivalente a mais de 94 mil campos de futebol foi queimada nas terras de 15 pecuaristas. Eles forneceram, em 2018 e 2019, para frigoríficos que abastecem grandes empresas. Assim, a comida contaminada com desmatamento e queimadas pode chegar ao seu prato. Entenda: https://act.gp/3biLcsn  #BrasilEmChamas

Asas da Emergência – Manaus

O projeto se mobilizou rapidamente para apoiar povos indígenas do Acre e Amazonas, que sofrem com as enchentes, casos de dengue e a pandemia. Muitos povos indígenas e ribeirinhos estão com a alimentação comprometida por conta da destruição de plantações de subsistência.

No Acre, 2,2 toneladas de alimentos, água e materiais de limpeza, higiene e proteção foram entregues a diversas comunidades indígenas. Já no Amazonas, o projeto esteve no município de Pauini, um dos mais atingidos pelas cheias, onde foi entregue cerca de 1,4 tonelada de insumos.

Faça parte desta rede de solidariedade: https://act.gp/3l3auhp

E pra você que quer conferir o vídeo que mostra um pouco da trajetória da campanha, basta clicar aqui 🙂 

Os voluntários e voluntárias de Fortaleza fizeram um tipo de post muito bacana e necessário. O grupo cearense falou sobre as comunidades indígenas e a realidade que elas vêm enfrentando nos últimos anos. Vem ver: 

“No Ceará existem diversas comunidades, etnias e povos indígenas – originários e milenares. Estes povos ajudaram a formar a nossa identidade como cearenses, moldaram nossa cultura e resistiram por séculos com suas crenças e reverência à força ancestral. 

As comunidades indígenas no Ceará passaram, infelizmente, por um processo de extermínio e etnocídio ao longo da história, com a chegada de Portugueses, Franceses e Holandeses em seus territórios, trazendo uma política de exploração de conversão dos indígenas aqui já existentes.

Resistir tornou-se parte do dia-a-dia desses povos, que precisaram adaptar sua cultura a outras e manter sua sabedoria, perpetuando assim sua própria identidade. E é justamente sobre resistir que vamos falar a partir de hoje.”

Todas às quartas-feiras, o grupo trará um breve resumo sobre as comunidades indígenas no Ceará, falando sobre suas culturas, suas histórias ao longo dos anos e seus processos de autodeterminação.

E aí, também ficou ansiosx pra ver o que vem por aí? Porque eu fiquei! 

12/03 – Reunião de boas-vindas – Bertioga

O grupo organizou o primeiro encontro do ano para receber os novos voluntários e voluntárias. Ainda em estilo virtual, por conta da pandemia, os voluntas se reuniram pelo Zoom e participaram de dinâmicas e rodada de apresentação.  

10 anos de Fukushima – Fortaleza

Em 11 de Março de 2011 ocorreu no Japão um triplo desastre.

Logo após a detecção de um terremoto de magnitude 9 na escala Richter, verificou-se o início de um tsunami que devastou cidades inteiras, retirando-as do mapa. Entre várias perdas e destruições, houve também uma explosão de uma usina nuclear em Fukushima.

Este desastre forçou a retirada de 160 mil pessoas que residiam nos arredores do acidente, que ficou conhecido como a maior catástrofe no Japão desde as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, em 1945.

Ainda hoje, a maioria das pessoas que moravam na região de Fukushima não retornou para suas casas. 

O grave caso de Fukushima, que vazou material radioativo para a atmosfera e para o Oceano Pacífico, nos traz um grande alerta sobre os perigos da utilização da Energia Nuclear.

Dentre os grandes problemas de utilização dessa forma de energia, podemos citar:

  • Custo muito alto;
  • Contaminação por resíduos derivados da produção de energia nuclear, desequilibrando ecossistemas;
  • Sérios riscos de acidentes nucleares;
  • Graves riscos de contaminação por conta de acidentes;
  • Aquecimento de sistemas aquáticos, uma vez que a água utilizada para resfriamento de geradores vem do mar e é devolvida mais quente.

Assim, precisamos reivindicar formas mais sustentáveis e verdadeiramente limpas de produção de energia, além de soluções que sejam viáveis economicamente, socialmente e ambientalmente.

Agressão animal – Fortaleza

Triste realidade, o grupo cearense vem denunciando diversos casos de tortura animal, principalmente no ambiente costeiro. Vem ver 🙁 

“Recebemos, com muito pesar, essas cenas fortes que mostram várias pessoas na Praia do Balbino, na cidade de Cascavel, agredindo e torturando um tubarão cabeça-chata. Como é possível ver, o tubarão estava nadando tranquilamente, quando foi retirado da água, agredido e arrastado por um veículo. Já acionamos as autoridades, e EXIGIMOS que seja feita uma INVESTIGAÇÃO pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) para que os criminosos sejam encontrados e penalizados.

Vimos também que a Associação dos Moradores do Povoado do Balbino fez uma nota de repúdio, esclarecendo que a população local é contra esse tipo de atitude e que, possivelmente, os criminosos são de fora de Balbino.”

Caso queira ver o registro da ação criminosa, o grupo disponibilizou o vídeo. 

[AVISO]: o vídeo contém imagens fortes e pode conter gatilhos. 

14/03 – Dia Nacional dos Animais 

Esta semana comemoramos no Brasil o dia dos animais. Esta importante data visa conscientizar as pessoas sobre os cuidados que devem ser dados aos animais, sejam domésticos ou selvagens, e exaltar a existência desses seres que fazem a diferença na nossa vida e na vida do planeta.

Essa também é uma data de alerta. Segundo dados da OMS, existem cerca de 300 milhões de animais domésticos abandonados no Brasil. E de acordo com Relatório Nacional Sobre o Tráfico de Fauna Silvestre, cerca de 38 milhões de animais são traficados no país.

Desse modo, nessa data de hoje precisamos refletir sobre a importância da preservação e conservação dos animais. Esses seres que também tem direito à vida e merecem respeito.

Quem falou sobre esse tema foram os grupos de João Pessoa, ainda em formação, e Belo Horizonte. 

Aproveitando, se você está em busca de um bom livro, indico A Revolução dos Bichos, de George Orwell. 🙂 

14/03 – Dia Internacional de luta contra as barragens e pelos rios 

E no mesmo dia também tivemos a celebração de outra data importante, e quem lembrou de falar sobre foi o grupo de Belo horizonte: 

Barragem de rejeitos é um reservatório utilizado para reter resíduos sólidos e água, resultantes de processos de extração de minérios. Esses diques, entretanto, representam uma grande ameaça para as pessoas, para o meio ambiente e para os animais. 

Em Minas Gerais, infelizmente, estamos sempre presenciando o cenário do rompimento dessas represas, tendo sido o último em 2019, quando a barragem Mina do Córrego do Feijão, da mineradora Vale, se rompeu em Brumadinho, causando inúmeras mortes e uma grave destruição ambiental.

Assim, hoje é considerado um dia de luta contra as barragens e pelos rios, levando em conta as inúmeras consequências negativas que elas trazem consigo. Devemos aproveitar esse dia para refletir e lutar para que essas situações não se repitam, e para que as famílias que perderam pessoas queridas devido a esses rompimentos consigam ter justiça.

15/03 – Dia Mundial do Consumidor 

O grupo de Goiânia aproveitou a data para replicar alguns conteúdos do Green e falar sobre a importância do consumo consciente, principalmente quando se trata da nossa saúde e alimentação.

15 de março é o Dia Mundial do Consumidor. Para marcar a data, dezenas de pessoas enviaram suas artes reivindicando o direito de todas as pessoas terem acesso a comida de verdade, saudável e sem agrotóxicos: https://act.gp/3qJwtLq 

Porque #AgroecologiaéSaúde e #ComerDireitoéumDireito

16/03 – Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças Climáticas

Eita semana cheia! E essa foi a data que mais gerou mobilizações. Vem acompanhar de perto o que cada grupo trouxe: 

Bertioga

Falar sobre isso é falar sobre a SUA VIDA!

É sobre a sua SAÚDE

É muito mais do que um planeta alguns graus mais quente, são toneladas de combustíveis fósseis que atacam seu sistema respiratório cotidianamente, agravam e geram maior transmissão de outras doenças!

É sobre a sua ALIMENTAÇÃO

Sabe o seu arroz e feijão do nosso prato? Se chover mais ou menos do que o esperado no campo, a colheita pode sofrer danos e nossa comida ficará mais cara. E a mudança no padrão de chuvas é uma das consequências da emergência climática, que já estamos vendo!!!

É sobre GÊNERO E DESIGUALDADE

Para muitas famílias de países mais pobres, são as mulheres que cuidam do trabalho agrícola, administram suas casas e cuidam dos filhos. Em casos de eventos extremos, elas ficam mais vulneráveis, seja pela dificuldade em encontrar alimentos e água, seja porque correm mais risco de sofrer violência!

É sobre FLORESTA

No Brasil, o desmatamento da Amazônia é o principal vilão do clima, porque a derrubada e queima das árvores libera gases de efeito-estufa. Perder nossas florestas está nos custando um planeta mais quente, onde eventos climáticos (como as secas e inundações)  ficarão cada vez piores.

É sobre DIREITOS INDÍGENAS

Os indígenas são importantes protetores do clima no nosso planeta porque são os verdadeiros guardiões das florestas. Nas Terras Indígenas da Amazônia, a taxa de desmatamento é baixíssima.

Recife

“Hoje comemora-se o Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças Climáticas. Um dos assuntos que vem à tona quando se relaciona o Brasil e Mudanças Climáticas é a Justiça Climática. O debate sobre este tema no Brasil se iniciou em 1998, por isso, ainda é considerado recente no país. 

No post de hoje trouxemos algumas informações sobre esse assunto, assim como sua relevância na promoção da justiça social no Brasil e em outros países ao redor do mundo.” 

Vale do Itajaí 

“Hoje, dia 16 de março, é o Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças Climáticas. 

Você sabia que, nos últimos 100 anos, a temperatura média do planeta aumentou quase 1ºC? Até 2100, deve aumentar mais 2ºC. Muitos cientistas acreditam que isso pode ter ocorrido devido à ação humana na natureza. Pode parecer pouco, mas as consequências são gravíssimas.

Somos todos responsáveis, as mudanças no clima não afetam apenas as temperaturas, afetam nossas vidas. Inundações, aumento do nível do mar, falta de água potável, incêndios, extinção de espécies de animais e até períodos de estiagem que podem provocar fome são apenas alguns efeitos que já estamos sentindo e afetarão a todo o planeta.

Podemos contribuir com a redução dos efeitos negativos do aquecimento global e um melhor enfrentamento das mudanças climáticas, utilizando os recursos naturais com responsabilidade, fazendo melhores escolhas ao consumir produtos e serviços e dar prioridade a atividades que reduzam a emissão de gases de efeito estufa.”

Manaus 

“Impedir a destruição da Amazônia é a principal contribuição do Brasil para reduzir os efeitos do aquecimento global. A eficiência energética também deve ser prioridade. O país precisa com urgência de uma Política nacional de mudanças climáticas!”

Ainda nesse clima, os grupos estão no esquenta da Greve Global, que rola nesta sexta-feira (19). 

Belém

Belo Horizonte

Goiânia 

E tem mais! O Grupo de Belo Horizonte incrementou o esquenta da Greve com uma série de vídeos, produzidos pelos próprios voluntários e voluntárias, para responder às principais dúvidas e falar sobre algumas temáticas relacionadas à data. 

1- O que são as mudanças climáticas e qual sua diferença com o aquecimento global? 

As mudanças climáticas são alterações no clima do planeta, causadas pelo aumento da temperatura, e que podem ser causadas pela natureza ou por ações humanas. 

Já o aquecimento global é o aumento da temperatura do planeta, e normalmente se refere somente às interferências causadas pelo ser humano.

Vem ver a volunta explicando com detalhes: 

2 – O que é o efeito estufa?

Efeito estufa é um fenômeno caracterizado pelo aumento da emissão de gases poluentes, que absorvem uma parte dos raios solares e os devolvem para a atmosfera em forma de radiação, aquecendo o planeta.

Quer saber mais? A Lorena te conta!

O que é Emergência Climática? Salvador te conta!

Em novembro de 2019, a humanidade foi impactada por um alerta: “o mundo enfrenta uma emergência climática clara e inequívoca”. A declaração foi feita em conjunto por 11.258 cientistas e 153 países no estudo “Alerta dos Cientistas Mundiais sobre a Emergência Climática”, publicado pela revista BioScience.

Após a reunião e construção do relatório, apenas 30 países concordaram com o estado de emergência. No Brasil, o município de Recife (PE) foi o primeiro a se manifestar em reconhecimento à emergência.

Mas, o que significa de fato um estado de emergência climática?

Para além, o grupo também te explica o que é justiça climática: 

Nascido nos EUA na década de 70, o movimento por justiça ambiental denuncia que os riscos de degradação do meio ambiente atingem, com mais intensidade, comunidades de minorias étnicas e raciais.

Assim, é certo dizer que não há justiça climática sem justiça social, assim como também não há justiça social sem justiça climática.

16/03 – Crise Climática – Bertioga

O grupo convidou o volunta Geraldo Varjabedian, que é educador popular, ativista independente e membro do MPSRI (Movimento Popular Salve o Rio Itapanhaú), para falar sobre as principais problemáticas da Crise Climática.

17/03 – Mudanças Climáticas e as Cidades Resilientes – Recife

Também teve papo sobre as Mudanças Climáticas e desastres em cidades puxado pelo grupo de Recife, que convidou Cynthia Suassuna, professora de Direito Ambiental na Unicap e pesquisadora na área de Mudanças Climáticas para agregar à mesa virtual. A mediação ficou por conta da voluntária Camila Silva.

Antes de conferir as dicas desta semana, já coloca a pipoca pra fazer e o refrigerante pra gelar, porque tem filme pro fim de semana todo!

Para começar, o grupo de Recife indicou o filme “Humano — uma viagem pela vida”, dirigido pelo francês Yann Arthus-Bertrand. É um projeto grandioso e impecável. Dezenas de pessoas, de diferentes nacionalidades, etnias, religiões, gêneros, cores, línguas, profissões e classes sociais foram entrevistadas sobre assuntos relacionados à existência humana, como a felicidade, a morte, a pobreza, desigualdade de gênero ou o sentido da vida.

Durante esses minutos, acompanhamos uma montagem primorosa que mescla trechos de depoimentos, imagens aéreas espetaculares de diversos lugares do mundo e músicas emocionantes. É tudo muito impactante. E com cada detalhe mostrado e cada história contada, percebemos, enfim, a importância de cada um para a narrativa da sociedade, mostrando que somos parte de um todo.

No momento tão complexo que estamos vivendo, “Humano” nos sensibiliza para a vida, para caminhar com mais consciência da nossa própria humanidade.

Você encontra o longa aqui 🙂

Segunda dica! O grupo de BH trouxe para a conversa o documentário “Amazônia Eterna”, dirigido por Belisário Franca. 

O filme, que já apareceu entre as indicações dos voluntas algumas vezes, busca desmistificar possíveis caminhos para uma economia que respeite e enxergue a floresta tropical. O espectador é convidado a conhecer projetos com propostas sustentáveis na região, que beneficiam diretamente a população local, promovendo uma relação saudável com o meio ambiente. Empresários, políticos, ambientalistas, economistas e a população indígena e ribeirinha fazem parte dessa discussão desafiadora que tenta quebrar a lógica da produção aliada à destruição.

O trailer do longa você encontra aqui 🙂 

Agora pulando do filme para a ação, mas seguindo na sustentabilidade, se liga nessa dica de Goiânia: 

Você sabia que pode ajudar a castrar animais de rua apenas separando suas tampinhas?

Existem projetos em todo o Brasil que arrecadam tampinhas plásticas (de qualquer produto, basta apenas ser de plástico) e usam o dinheiro para castrar animais de rua. Em Goiânia, podemos citar o Projeto EcoCats e o Projeto Tampatas. Para castrar 1 gato são necessários 110kg de tampinhas, e para castrar 1 cachorro são necessários 230kg de tampinhas! Então toda ajuda é muito bem vinda! A natureza e os animais agradecem <3

@projetoecocats @projetotampatas

Para abrir esse espetáculo gastronômico que é a Segunda Sem Carne dos grupos locais, a voluntária de Macapá fez um TikTok explicando um pouco sobre o movimento e desmistificando dúvidas comuns. Vem ver: 

Agora sim, bora pras receitas: 

Leite vegano – Bertioga <3 

Bolinho de casca de banana – Recife <3

Pipoquinha de batata – Salvador <3

Sanduíche de shitake – Goiânia <3

Pra encerrar com chave de ouro e saudade, o grupo de Recife trouxe mais um #TBT:

Os registros foram feitos em 2018, num Ponto Verde no Eco Parque das Paineiras, localizado em Paulista, onde os voluntários e voluntárias do grupo divulgaram a campanha Desmatamento Zero, do Greenpeace. 

Seguiremos atualizando e apoiando os grupos, afinal, estamos todes juntos nessa 🙂

Imagem de dois ativistas de mãos dadas na Greve Global pelo Clima de 2019.
Junte-se ao time de voluntários

Para fazer parte da nossa rede de voluntariado é só entrar no Conexão Verde, se conectar com outros ativistas ao redor do Brasil e participar das discussões e mobilizações.

FAÇA A SUA PARTE