Mais de 600 lideranças indígenas acompanharam a volta do julgamento do século para os povos originários

Mais de 600 lideranças de todo o Brasil foram a Brasília deixar bem clara sua posição

Nesta quarta-feira (30/8), o Supremo Tribunal Federal (STF) retomou a votação do Marco Temporal (RE 1017365): o julgamento mais importante da história dos povos indígenas do Brasil. Isso porque o resultado vai definir um direito fundamental aos povos originários – o direito ao território. 

Mais de 600 lideranças indígenas de todas as regiões do país estão em Brasília (DF) para acompanhar a decisão da Suprema Corte e, principalmente, para expressar em uma só voz: Marco Temporal Não! A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) montou uma estrutura com telão e tenda na frente do STF e 50 lideranças tiveram acesso para assistir à sessão no plenário do Supremo. 

Além da mobilização na capital brasileira, houve também manifestações de norte a sul do Brasil e nas redes sociais, reiterando o repúdio ao Marco Temporal: uma tese anti-indígena criada por ruralistas para explorar os territórios dos povos originários, e que ataca os direitos indígenas assegurados na Constituição brasileira.

O Marco Temporal representa uma ameaça às Terras Indígenas e às riquezas naturais protegidas por elas – mais de 50 milhões de hectares de florestas estão conservados no interior de Terras Indígenas. Ou seja, Marco Temporal vai na contramão do equilíbrio ecológico e do combate à crise climática.

A grande liderança Kayapó Raoni Metuktire (à esq.) esteve no plenário do Supremo acompanhando o julgamento

Neste momento, o placar oficial está 2 x 1 contra o Marco Temporal. O próximo a votar é André Mendonça, que começou a pronunciar seu voto nesta quarta, mas o tempo da sessão se esgotou. O julgamento continuará na quinta (31) às 14h – embora o ministro já tenha sinalizado que pretende votar a favor do Marco Temporal, empatando o placar. 

Por isso, continuaremos em Brasília, junto com o movimento indígena, acompanhando a votação do Marco Temporal e pedindo a rejeição dessa tese, pela democracia e pelo futuro dos povos originários. Já somos quase 500 mil pessoas dizendo: Marco Temporal Não!

Junte-se a nós! Seja na capital do país ou virtualmente participando do nosso abaixo-assinado, ajude a apoiar o movimento indígena!

O julgamento do Marco Temporal se arrasta há anos – e os indígenas querem que ele seja concluído

O Rio Grande do Sul enfrenta uma tragédia climática sem precedentes, com mais de 1 milhão de pessoas diretamente impactadas pelas fortes chuvas. Nossa campanha está destinando recursos para a compra e entrega de suprimentos emergenciais e apoiando cozinhas solidárias. Precisamos da sua solidariedade nesse momento tão crítico. Clique abaixo e doe agora.